Amor, cadê você? | Coisa de Antônia

Já se deu conta que hoje é mais fácil achar dinheiro na rua, do que amor? Hoje no Coisa de Antônia no ATL Girls da Rede Atlântida, a implacável busca por essas quatro letras que mexem com a cabeça de qualquer vivente. Leia mais… »

A maldita calcinha suja

Era o final de semana que antecedia o início do verão. E se você já passou um inverno chuvoso em Londres, vai entender que a data era motivo para celebração. A noite incluía a pista animada do Mother Bar em Shoreditch, doses intermináveis de Jager Bomb e o meu casal de amigos preferido, o Pablo e Leia mais… »

Reticências…

Se você como eu, é do sexo feminino, solteira e tem quase 30, vai me entender. Olá. Meu nome é Antônia, eu tenho quase 30 e ainda não casei. “Olá Antônia!!” – imagino outras solteiras respondendo em uníssono como em um grupo de apoio. O que acontece é que ultimamente qualquer eventual encontro com conhecidos tem Leia mais… »

Eu quero colo

Peguei-me pensando hoje, como em mais vezes do que gosto de admitir, que queria chegar em casa e aterrissar em pouso único no colo de alguém. Sem escalas. Alguém que eu amo. Podia ser a minha mãe, podia ser meu irmão, podia ser aquele “não-tão-mais-estranho” para quem eu abri minha casa e chamei de amor. Leia mais… »

Carona

7h15, o despertador grita. “Merda! Merda! Merda”, são os 3 primeiros pensamentos da minha segunda-feira. Atrasada para um dia que historicamente eu odeio. Afff… Enfio qualquer roupa, boto minha rasteirinha preferida e vou trabalhar. No escritório resmungo algo que parecia “bom dia” para os colegas, reclamo do novo nariz da Anitta, e agonizo lendo um Leia mais… »

“nooossa senhooora hein?”

Caminhava apressada para mais uma sessão de terapia, e eis que no meu caminho, parado na calçada, está um homem. Ao passar por ele, uma cena comum: ele se inclina na minha direção e sussurra “nooossa senhooora hein?” Paro. Dou dois passos na direção dele e pergunto: -“O senhor falou comigo?” E encaro. Ele, incrédulo e Leia mais… »

Saudade bandida

Elas pegaram as malas e partiram. Como eu  fiz um dia, elas foram conhecer o mundo lá fora. E eu fiquei. Na antecipação da despedida, a gente – como boas amigas que somos – disfarçou. Fingiu que a distância nunca existiria. Fez de conta que não era adeus. Engoliu o choro, engasgou-se com os sentimentos, embebedou Leia mais… »

Não te culpes

Não te culpes. Dos amores errados e difíceis. É através deles que vai reconhecer a diferença de um amor pra vida inteira. Não te culpes das noites que ficou no sofá. Você não tem culpa de ser uma ótima companhia pra si mesmo(a). Não te culpes dos exageros das noites que não ficou no sofá. Leia mais… »

Matemática

O retorno das férias é sempre seguido de um “momento contabilidade”. Não apenas a monetária, mas a existencial. Foram kms de expectativas, dias longos com o sol beijando o corpo, e ganhando palmas ao colorir o fim de tarde mergulhando todo exibido no mar. Foram noites quentes e suadas no balanço de funk, ragaton, samba Leia mais… »