A âncora

A âncora sempre teve um significado muito simbólico pra mim.

Havia uma época que eu a relacionava com alguns relacionamentos meus. Sempre me puxando pra baixo, me afundando. Na minha cabeça eu precisava da âncora, ora, pois como ia andar por aí sem a segurança da âncora? E se eu ficasse cansada? Se houvessem maremotos? E se o vento virasse?? E muitas vezes agarrada a estes medos, eu deixe a falsa segurança de algumas âncoras, me afundarem.

No fundo do mar não havia maremoto. Não importava se o vento virasse. Mas também não importava mais nada. Havia apenas a escuridão do fundo do mar.

Hoje penso diferente. Hoje vejo a âncora como um ponto de referência. Uma possibilidade de estabilidade no meio da tormenta. Mas não a única. Sabe o que mudou? O barco. Âncora nenhuma afunda barco estável. Âncora nenhuma é pareô para quem está pronto pra navegar. E se tentar me afundar, eu corto a corda.

Porque já decidi que eu ei de navegar sem a estabilidade da âncora quantas vezes for necessário. Porque sei que o fundo do mar não é o meu lugar. O meu lugar é navegar.

 

“Navegar é preciso; viver não é preciso.” – Fernando Pessoa

Fim da sessão.

One Reply to “A âncora”

  1. Tive algumas âncoras na vida… me apaguei a todas com medo de que o vento da tempestade virasse meu barco e o levasse;m, junto comigo, para o silêncio do fundo do Mar… algumas tempestades me fizeram querer isso… hoje sou minha própria Âncora e navego sem temer tempestades. Aprendi a guiar meu próprio barco

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *