Cópia_de_segurança_de_instagram antônia

É preciso ir embora

Ano passado, na festa de despedida de uma amiga, ouvia calada e com atenção seu dolorido discurso sobre o quanto ela se preocupava com a decisão de ir embora. Dizia se preocupar com a saudade antecipada da família, com a tristeza em deixar um amor pra trás e com a dor de se afastar dos amigos. Ela iria embora para Londres com tantas incertezas sobre cá e lá, que o intercambio mais parecia uma sentença ao exílio.

Dentre dicas e conselhos reconfortantes de outras amigas, lembro-me de interromper a discussão de forma mais fria e prática do que gostaria:

“Quando você estiver dentro daquele avião, olhar pra baixo e ver todas estas dúvidas e desculpas do tamanho de formigas, voltamos a falar. E você vai entrar naquele avião, nem que eu mesma te coloque nele.”

Ela engoliu seco e balançou a cabeça afirmativa.

Penso que na época poderia ter adoçado o conselho. Mas fato é que a minha certeza era irredutível, tudo que ela precisava era perspectiva. Olhar a situação de outro ângulo, de cima, e ver seus dilemas e problemas como quem olha o mundo de um avião. Óbvio, eu não tirei essa experiência da cartola. Eu, como ela, já havia sido a garota atormentada pelas dúvidas de partir, deixando tudo pra trás rumo ao desconhecido. Hoje sei que o medo nada mais era do que fruto da minha (nossa) obsessão em medir ações e ser assertiva. E foi só com o tempo e com as chances que me dei que descobri que não há nada mais libertador e esclarecedor do que o bom e velho tiro no escuro.

Hoje a minha amiga não tem mais dúvida. Celebra a vida que ela criou pra ela mesma lá na terra da rainha, onde eu mesma descobri tanto sobre minha própria realeza. Ironicamente – e também assim como eu – ela aprendeu que é preciso (e vai querer) muitas vezes uma certa distancia do ninho. Aprendeu que nem todo amor arrebatador é amor pra vida inteira. Que os amigos, aqueles de verdade, podem até estar longe, mas nunca distantes. Hoje ela chama o antigo exílio de lar, e adora pegar um avião rumo ao desconhecido. Outras, como eu, e como ela, fizeram o mesmo. Todas entenderam que era preciso ir embora.

É preciso ir embora.

Ir embora é importante para que você entenda que você não é tão importante assim,  que a vida segue, com ou sem você por perto. Pessoas nascem, morrem, casam, separam e resolvem os problemas que antes você acreditava só você resolver. É chocante e libertador – ninguém precisa de você pra seguir vivendo. Nem sua mãe, nem seu pai, nem seu ex-patrão, nem sua pegada, nem ninguém. Parece besteira, mas a maioria de nós tem uma noção bem distorcida da importância do próprio umbigo – novidade para quem sofre deste mal: ninguém é insubstituível ou imprescindível. Lide com isso.

É preciso ir embora.

Ir embora é importante para que você veja que você é muito importante sim! Seja por 2 minutos, seja por 2 anos, quem sente sua falta não sente menos ou mais porque você foi embora – apenas sente por mais tempo! O sentimento não muda. Algumas pessoas nunca vão esquecer do seu aniversario, você estando aqui ou na Austrália. Esse papo de “que saudades de você, vamos nos ver uma hora” é politicagem. Quem sente sua falta vai sempre sentir e agir. E não se preocupe, pois o filtro é natural. Vai ter sempre aquele seleto e especial grupo  que vai terminar a frase “Que saudade de você…” com  “por isso tô te mandando esse áudio”;  ou “porque tá tocando a nossa música” ou “então comprei uma passagem” ou ainda “desce agora que tô passando aí”.

Então vá embora. Vá embora do trabalho que te atormenta. Daquela relação que você sabe não vai dar certo. Vá embora “da galera” que está presente quando convém.  Vá embora da casa dos teus pais. Do teu país. Da sala. Vá embora. Por minutos, por anos ou pra vida. Se ausente, nem que seja pra encontrar com você mesmo. Quanto voltar – e se voltar – vai ver as coisas de outra perspectiva, lá de cima do avião.

As desculpas e pré-ocupações sempre vão existir.  Basta você decidir encarar as mesmas como elas realmente são – do tamanho de formigas.


Fim da sessão.

♥ Leia também: “É preciso deixar ir embora

490 opiniões sobre “É preciso ir embora”

  1. Tô precisando muito ir embora. Me desapegar de coisas e até de pessoas. Toda vez que leio esse texto me vem aquela reflexão, e realmente já não me aguento onde estou. Ótimo texto, beijos!

  2. Hoje, dois dias antes de me mudar, percebi as inúmeras vezes que já li esse texto… E, em cada leitura, lágrimas caem sobre o meu rosto. Sempre tive vontade de ir embora, mas, quando realmente essa decisão deveria ser tomada, vi que não é tão fácil como imaginei… Duplicidade de sentimentos, esperança e medo, estão em conflito dentro de mim… Ao mesmo tempo em que buscar por novos horizontes e anseios é salutar para o humano, deixar coisas e pessoas para trás é devastador.
    Espero, ansiosamente, que daqui 3, 6, 12 meses eu não tenha me arrependido desse “tiro no escuro”, e que esse atual e prematuro luto (por ser preciso ir embora) tenha se tornado uma grande conquista e que tenha valido a pena! Antônia, que texto maravilhoso!!! Parabéns.

  3. Antônia, uma amiga me marcou nesse texto quando fui transferida pela empresa que trabalho de Brasília para o Rio, tinha muitas incertezas e medos, li e reli esse texto muitas vezes, mas não fazia nenhum sentido na época. Me sentia injustiçada, não queria deixar a minha família e amigos pra viver em um lugar que não conhecia nada, nem ninguém. Mudar minha vida, minha rotina, meu lar. Isso não estava nos meus planos, definitivamente. Hoje, depois de 6 meses da minha mudança, li novamente o texto e me impressionei em como as concepções mudam, como a visão que tenho hoje da mudança estão diferentes. Me fez me sentir bem, sentir que tirei um peso das costas e saber que podemos construir a nossa vida onde quisermos e sermos quem quisermos… Obrigada pela linda mensagem!

  4. Antônia, tudo bem?
    Olha só, tenho que agradecer pelo excelente texto que você escreveu. Foi ele que me fez dar um tiro no escuro, que na verdade foi uma das melhores coisas que eu fiz na vida, estava cheio de dúvidas e medo, porém graças a ele, mudei de cidade, sai de Belém do Pará, e estou aqui no Sul, Rio Grande – Passo Fundo, estudando e trabalhando, construindo um ótimo futuro para mim! Estou voando, alto, livre e indo beeem longe! Um super obrigado à você por ter me dado coragem a embarcar nesse vôo que tem sido a melhor coisa que me aconteceu 🙂

  5. Antônia. Chegou minha vez.
    Estou de partida para terminar meu processo da cidadania italiana e em seguida me mudar para a Irlanda.
    Participar dos diversos comentários sobre esse tema, que é tão polêmico para muitos e tranquilo para quem está decidido tomar as atitudes necessárias para que sua vida tome o rumo que melhore seus momentos na vida, é um grande prazer.
    Continuo aqui com você, essa distância não nos permite perder tudo aquilo que gostamos.
    Beijos.

    1. Aiiiiiiiiiii que lindoooooooooooooo!!! Fiquei tão, mas tão feliz com a notícia. Espero que os ventos me levem para a Irlanda, também. Devo a ela uma visita desde meu tempo em Londres. Sê feliz, Evandro. Eu aqui, vou seguir na torcida! Beijocas

  6. Não conheço o blog, achei o post no face de uma amiga e foi algo enviado por Deus.
    Não tenho palavras nem uma reação para descrever o que ele ta fazendo aqui dentro.
    Sempre, SEMPRE quis sair daqui, mas me prendia a meus pais, não por dependia minha deles, mas achando que eles não ficarian bem sem mim (tolice a minha) e tenho ouvido diversas vezes sobre sair, meu pai mesmo já disse q se fosse necessário para o meu melhor era pra eu ir pra longe. Mas na minha mente a necessidade de ambos me parava já antes dd pesquisar.
    Pra vc ter uma ideia essa semana, minha psicologa mesmo disse “vai viaja, vc é livre, vai pra outro país, não se prenda. Você é livre”
    Seu texto achado em uma timeline compartilhado há algum tempo só veio confirmar.
    Continue escrevendo e escrevendo. Seus textos tem impactado vidas.
    Vou fazer uma pasrtinha de favoritos do navegador chamada intercambio e comerçar a pesquisar
    Bjão

  7. Sio daqui 1 hora para viverfora.. nao trata se de um intercambio e sim um projeto de vidaq elaborei por anos. No meio do projeto , perdi meu pai . Minha mae vai ficar sozinha.. eu sempre acreditei q ele viveria mais, porem.. Minha irma, que uamais iria embora, o destino a encaminhou para os US.. enquanto eu .. agora vou viver minha sonhada vida tao planejada naeuropa. Minha mae ehuma pessoa fragil e isso me corta o coracao .. nao paro de pensar nela..se ela precisar de mim .. tenho medo de nao chegar a tempo… estou pronto para abortar minha missao e meu sonho por ela.. Minha esposa participou do nosso planejamento, mesmo eu sendo o elemento q possui a dupla cidadania.. ela me apoiando.. daqui 1h vou para guarukhos sozinho.. buscar nosso novo lar na europa.. no pais dos meus avos .. foi o que tenho certeza q foi escrito pra mim .. mas minha mamae eh mais q tudo e espero que Deus e destino me deixem cumprir ap menos partedo meu plano q eh terminar minha pos graduacao que durara 1 ano e meio. Nao sei como sera minha esposanesse assunto.. afinal a vontade dela e tao grande quanto a minha um dia foi… mas em 1h eu verei o SP de cima .. como ja vi varias vezes que fui morar fora com uma data para voltar.. desta vez o plano era indeterminado .. ter nosso filho la etc.. mas… agora eh torcer mesmo.. paraque minha mae fique com saude.. ate eu poder acabar meu curso .. bjo a todos

  8. Queria te dizer um “muito obrigada”. Foi graças a esse texto que eu finalmente resolvi sair de casa em Belém e vim morar em São Paulo há 9 meses. Eu mandei esse texto pra minha mãe e foi assim que ela entendeu que eu precisava “voar”, então eu só tenho a te agradecer. Muito obrigada <3

  9. Oi, seu texto é muito bom, quase encaixa nos meus anseios, mas somente quase. Minha namorada, aquela que eu olho e digo “vou me casar com você” precisará se mudar. No momento estou “preso” ao meu lugar e não poderei acompanhá-la. Cara, eu a amo demais! Não posso pedir pra que ela fique. Fico triste só de imaginar como o coração dela está apertado, dividido. Este trabalho não é o que ela sonhou, mas é 50% (aqui ela tem uns 10). Já a encorajei a fazer a inscrição e seguir caminho, mas, PQP, é difícil bagarai. Tira até sono. No texto você fala sobre largar uma espécie de ficante, o dela é algo nem mais sério, mais forte. Minha perfunta é: há como este amor sobreviver? Insisto no relacionamento? À liberto do relacionamento? (terminar) Fico pensando no último episódio de Friends (sim, fanzaço) onde Ross pede à Rachel que fique (era o sonho profissional dela) e ela fica.

    1. Tinha um namorado que já estávamos a 2,5 anos juntos, e surgiu uma oportunidade de intercâmbio para o Canadá por um ano, desde o dia que surgiu a ideia eu o apoiei, desse dia até o dia do embarque foram aproximadamente 1 ano, ou seja passei um ano dando força pra ele ir pois era uma oportunidade única já que era Ciência Sem Fronteira então ele não bancaria nada. Nisso 1 mês antes do embarque ele decidiu, por ele mesmo, já que eu estava disposta a esperar por ele, terminar o namoro. Na época sofri sabe, muito mesmo, mas hoje vejo que foi a melhor coisa que fiz, foi deixá-lo ir, já que meses depois encontrei outra pessoa que talvez me complete mais sabe. Quando namorava com o que foi para o intercâmbio, eu sentia que era ele que queria casar e tudo mais, mas percebi depois que ele não sentia o mesmo por mim, gostava de mim lógico, mas não possuía esse sentimento de nossa quero ficar com você pro resto da vida. E agora com esse que surgiu de repente eu sinto que a gente pensa sim em casar e tudo mais pro resto das nossas vidas. Por experiência própria eu diria “Deixa ela ir”, por que se for pra dá certo vai dá, e lhe digo isso por que hoje apaixonadíssima do jeito que estou, se meu namorado tivesse uma oportunidade de algo maneiro em outro lugar eu o deixaria ir do mesmo jeito, não pediria pra ficar, pois eu seria fiel a ele, ele estando aqui comigo ou no Japão que fosse, “deixe ela ir” pois se ela te quiser não vai ser a distância que vai atrapalhar, mas deixe ela ir mantendo o compromisso com ela, não termine por isso, é muito pouco e pode demonstrar uma falta de vontade para com o relacionamento, que eu acho que não é o caso. Boa sorte e depois conta aqui se deu certo (=

    2. Oi Thiago! Difícil te dar um caminho certeiro e te garantir sucesso. Acho que vcs dois vão ter que experimentar, qualquer que seja a decisão tomada. Acredito que se for pra vcs ficarem juntos, a distância vai apenas confirmar. Não costumo dar conselhos a não ser um deles: conversem bastante sobre o assunto. Vou torcer pelo casal! beijocas

    3. Não faça isso com a sua namorada se vc realmente a ama ! Nunca abandone quem ama você ! Esses textos de internet sao escritos por pessoas que tem o coração de pedra e nao amam ninguem ! Ou tem muita inveja de quem tem um amor de verdade ! O pior é que esses textos imbecis acabam com relacionamentos sérios e bons,e enganam muita gente a respeito dessas viagens ! Um exemplo é ser au pair ..” babá” nos EUA , as agencias escrevem os textos e colocam nome de outras pessoas so para iludir as moças ! sendo que ao chegar lá a realidade é outra e se ferram de trabalhar e passam muito mal com o tratamento dos americanos ! Nunca abandone quem te ama , e deus uma hora acerta e voces dois vao juntos ! deus te abençoes e a sua namorada tambem !

      1. Caio, muito me surpreende teu comentário – talvez não tenha lido o meu, cujo o único conselho dado foi “CONVERSE COM SUA NAMORADA”. Até porque eu não estou aqui pra dar conselhos na vida dos outros, e nem acho que tu sejas apto a tal tarefa – ninguém é. “Esses textos de internet” são escrito MUITAS VEZES por quem passou pela experiência e APRENDEU ALGO, e tu generalizar a “autoria” deles é muita miopia. Quanto a “enganar” turistas, minha experiência sempre resultou em muito planejamento e conferência. MUITO. E todo mundo que quis ir embora e me consultou, foi feita a mesma sugestão. Quando me mudei pra Londres a minha faculdade era um lixo. Rodei a baiana, peguei meu dinheiro de volta, e passei em outra faculdade melhor. Não fiquei sentada na calçada chorando com pena de mim mesma. Em tempo: Não é o Thiago que quer viajar, é a namorada dele – e “abandonar” é um termo muito forte… provavelmente essa resposta é de alguém que já ficou pra trás, e se sentiu exatamente assim. O que não é o que esse texto promove, e sim ser dono na própria felicidade.

        ps: Se tiver alguma agencia de viagens me patrocinando, situação da qual não tenha conhecimento e conforme o Caio sugere, favor transferir meus dólares de copywrite pra minha conta. Alternativamente aceito pagamentos em passagens também.

      2. Me desculpe, mas não concordo com o que diz. Tenho uma filha com 24 anos e quando tinha 21 fez intercâmbio como au pair por uma agência e te afirmo que vc está erradissimo na sua oponião. Ela foi muito bem acompanhada pela agência e ficou na casa de uma família maravilhosa, que a receberam com muito carinho e foi tratada como da familia. Hoje ela mora nos EU fazendo estudo de computação e tenho muito orgulho do caminho que ela escolheu pra vida dela. E como diz lá em cima vc não precisa estar grudado a que te ama precisando seguir seu caminho. O amor é o mesmo sim estando perto ou longe. No mesmo país ou não. Quem ama que ver o outro feliz. acho que deveria se informar melho antes de opinar outro comentário.

      3. Muito egoísta esse seu comentário. Ou você nunca ouviu aquele ditado: “deixe ir, se voltar é porque é amor”. Melhor se arrepender de algo que fez e não do que não fez. Esse “amor” pode acabar um dia e ela se arrepender pelo resto da vida. E voce ainda teria esse pensamento? Já parou para pensar em oportunidades que só aparecem uma vez na vida?

  10. Olá, Antonia! Há meses leio esse seu texto religiosamente. Ele me parece ser o mais correto e assertivo que você já escreveu até agora. Já dei esses seu famoso “tiro no escuro” por duas vezes nesse ano passado, e saiba que o primeiro passo de ambos nasceu desse texto seu. Obrigada por ele e por tudo.

    1. Ana, fico muito feliz em saber que o texto te tocou profundamente, e tem motivado atitudes positivas. Isso me incentiva a continuar escrevendo, e quem sabe assim, seguir tocando mais pessoas, e me sentir tocada, como neste seu comentário. Obrigada eu!

  11. Antonia, de mês em mês venho ler teu texto para renovar minha coragem de partir, sei que o texto não se limita a questões geográficas, não sei se eu seria mais feliz aqui ou na China, mas sei que preciso me encontrar, ver as coisas do tamanho de formigas, encara-las desta forma, me importando menos, mas o comodismo sempre fala mais alto, como deixar a familia, como não ter medo de não aproveitar os anos de seus avós? Enfim esse texto sempre me renova e nesse janeiro o vazio bateu grande dentro do peito, a vontade está sufocante, vontade de me encontrar, tanto profissionalmente como pessoa, sinto-me vivendo em apenas um canal de tv, pois tenho a programação inteira para descobrir, errar, acertar. Estou saindo do meu atual emprego esse mês e agora decidi vou arriscar ir para São Paulo, estudar, trabalhar e me conhecer! Espero daqui alguns meses poder dar meu testemunho de que tudo foi melhor que eu esperava! Sou de Campo Grande MS. Um beijão!

    1. Jhonnathan. Estou pra te escrever há muitos dias. Queria te desejar toda a sorte do mundo neste teu novo desafio. Que este passo de coragem te traga experiências e frutos imensuráveis. Estou muito feliz por ti! Sou toda torcida! Quero saber tudo das novidades! Volte em breve por aqui. Beijocas

  12. Bravo!!! Texto incrível!!!!

    Publiquei parcialmente o texto no Jornal Brazilian Tribune onde sou editor, mas sem antes esquecer da a referida citação do autor.

    Caso não concorde com a republicação do material, por favor me contate pelo link fale conosco [www.braziliantribune.com] que removerei imediatamente.

    Continue com seus excelentes textos!!

  13. Antônia no Divã, adorei o texto… fantástico!
    Me identifiquei muito com ele também.
    Tenho 24 anos, venho de uma criação meio “a moda antiga” e, apesar de amar muito a minha família, sinto (sempre senti) viver uma vida que não é minha, seguir princípios que não acredito e estar deixando minha vida passar por entre os dedos.
    A pesar de desenvolver bem o lado profissional, o meu lado pessoal é meio travado. Já tentei me libertar disso mas parece que existe uma trava psicológica, sei lá, uma marca da criação que me sabota nessa busca pela liberdade… é como se eu usasse grilhões invisíveis que eu mesma coloquei por não querer decepcionar meus familiares e, com eles, acabo decepcionando outras pessoas de quem gosto bastante como meu namorado e bons amigos, além de mim mesma é claro.
    Complicado… mas estou em busca de formas de quebrar esses grilhões psicológicos e me libertar, ir embora como você disse.
    Enfim, cada um segue por caminhos diferentes e eu estou tentando encontrar o meu… me deseje sorte hehehe
    Obrigada pelas palavras, me deram uma luz.

  14. Excelente texto! Já fui embora algumas vezes, e pelo meu entendimento o texto não fala apenas de ir embora do Pais..fala de desapegar, deixar pra lá o que não faz bem, ou até mesmo deixar o que te faz bem pra viver ouutras experiências e dar valor ao que ficou pra trás!
    Maravilhoso, parabéns!

  15. Olá, tenho 20 anos e desde os meus 16 anos me sinto “sufocada” onde moro (São Paulo), tenho muita vontade de ir embora daqui, conhecer outros lugares, pessoas, explorar um pouco do Brasil, rsrs, sou filha unica e isso é um pouco complicado pois ninguém a minha volta parece me entender.
    Beijos, achei incrível esse texto.

  16. Excelente texto! estou vivendo isso, a indecisão do ir ou não ir, o que nos prende é o nosso comodismo e a incerteza do futuro que achamos estar certo, quando na verdade não está.

  17. Antonia, não sei quantos anos vc tem. Mas sei de uma coisa: sejam quantos forem, estão sendo bem vividos. E vc aprender a escrever muito bem e expressar suas ideias e sentimentos com uma beleza ímpares. Parabéns!

      1. Oi Antonia no Diva , também achei profundo o que escreveu, mas cada caso tem suas particularidades, o que você faria se tivesse 40 anos cheios de tristezas com duas filhas pra criar, e um sonho adiado a vida inteira pela falta de recursos, origem de família muito pobre , que nunca conseguiu um meio para ir embora do Brasil, o que você faria, …

  18. Oi! Uau, que texto incrível! Estou morrendo de medo de sair de casa porque eu sei que vou sair brigada com os meus pais… Será que podemos conversar em particular? Beijos!

  19. “Vá embora. Por minutos, por anos ou pra vida. Se ausente, nem que seja pra encontrar com você mesmo. Quanto voltar – e se voltar – vai ver as coisas de outra perspectiva, lá de cima.”
    Amei! Show!

  20. Oi boa tarde
    meu nome é mara e gostei muito do texto e me encontro nesse impasse de ir embora mais estou com medo não sei do que mais esse medo me consome sabe preciso acaba com relacionamento que não está dando certo mais preciso ter coragem pra seguir . Bom gostei muito do texto Parabéns
    Bjsss

  21. Esse texto é absolutamente FODÁSTICO!
    Estou de malas prontas para a Europa, prestes a casar, viver lá pra sempre e tal…Mas a gente tem aquele medo interno, aquelas raízes de “ervas-daninhas” que nossas mentes criaram e isso faz pesar, como se carregássemos 64kg de bagagem em nossas mentes e corações… É dificil dar tchau, é difícil desapegar, é difícil entender que TUDO PASSA, inclusive esses medos e crises… É difícil entender também que temos que dar adeus a muitas fases de nossas vidas. Eu, no momento atual, tenho 28 anos e moro com meus pais… Toda a consciência me prende à “fase adolescente”, por isso é horrível sair cortando raízes…
    Sim, é preciso ir embora…

  22. Olá! Bom dia sou de uma cidade so interior de Minas Gerais.
    Adorei o texto, sinto que na minha cidade não tenho oportunidades, penso em morar no litoral, hoje tenho uma lanchonete simples e sonho “ir embora” desde sempre! Preciso tentar isso, preciso me descobri sem medo de errar!!

  23. Achei excelente o texto. Ir embora é tudo o que mais quero nesse momento. Não é nem questão de querer, aliás: eu concluí que preciso ir embora. Pois estou em uma fase muito difícil da minha vida, estou tentando resolvê-la, mas não estou obtendo sucesso. Todas as portas se fecharam para mim, todas, e chega uma hora que simplesmente não adianta ficar dando murro em ponta de faca. “Ah, mas tente de outras formas”, dizem, mas não: a gente sabe quando não há mais nada para nós em um determinado lugar, porém tudo o que fazemos é nos enganar. E eu atingi justamente esse entendimento, o de que não tem mais nada para mim aqui e que nós, pelo menos uma vez na vida, precisamos dar crédito à essa voz que está nos avisando, sem nos deixarmos seduzir pelas contemporizações dos outros, pelos ditados surrados, pelos clichês sobre o quanto “temos de persistir”, enfim, chega uma hora que precisamos admitir para nós mesmos que “o que está ruim vai ficar pior se eu não partir”, pronto e acabou. Eu me enganei durante muito tempo, tempo demais, e precisou eu chegar ao limite do insuportável para eu entender, de uma vez por todas, a necessidade de partir que bateu em minha porta com muita, muita força. Eu não sei quando exatamente nem como, mas tomei a partir deste momento a decisão de ir embora e não vou voltar atrás. Sei que muitos ao meu redor não vão me levar a sério e até pensarão com desdém “ele não vai conseguir” mas, quando menos esperarem, eu estarei bem longe e mostrando que eu o fiz não para provar nada a ninguém, e sim para mim mesmo. Porque eu nunca em minha vida estive tão certo de uma coisa como estou agora: ir embora.

    1. Boa viajem Alan.
      Vai se mudar para o nordeste do Brasil? Legal. Vai se mudar para o nordeste do Canadá? Legal. Vai se mudar para o sul da França. Legal.
      O que importa, é que vai te fazer feliz. Pronto.
      Tomou a atitude necessária e agora já arrumou as malas. Curta bem os novos ares.
      Os que estão ao seu lado vão sentir e reclamar? Vão.
      Vai mudar seus sentimentos depois de tudo que expôs? Não? Legal.
      Abraço.
      Tchau!

  24. É um dos piores e mais egoístas,esse texto é um lixo,e feito para egoístas e gananciosos que querem abandonar muitas vezes pessoas amadas,pessoas que não sabem obter a felicidade verdadeira.
    Ir embora ? Caso seja de pessoas ou lugares aos quais você é mal tratado e humilhado até concordaria de buscar outras coisas outras pessoas,acontece que a maioria só faz isso,só concorda com esse texto porque é um covarde que não tem coragem de mudar para melhorar onde está ou de dar o valor do que tem,aquelas pessoas que nunca estão felizes por muito tempo,esse texto para mim não passa de uma desculpa esfarrapada de um covarde egoísta e fútil.
    Vá embora abandone quem sempre esteve ao teu lado,abandone quem sempre lutou contigo para te ver feliz,vá embora busque felicidade em outros lugares em outras pessoas…e nunca encontrará sabe porque ?,porque um egoista covarde nunca saberá o que realmente tem valor em uma vida tão curta e com poucas pessoas que ralmente estarão ao teu lado.
    Acha que está sendo forte abandonando aqueles que te amam em busca de uma felicidade a qual você nunca soube ou saberá dar valor.
    Pessoas assim podem ter tudo
    Mas nunca sentirão o prazer das de ser feliz com coisas simples.
    Precisam primeiro saber e entender o que é amor de verdade e saber que no amor nao existe egoismo,interesses próprios e tanta ganância errada.
    Eu oro para que um dia pessoas assim possam entender que o maior e melhor amor de todos abdicou d ate da sua vida.
    Amar só é possível quando se compreende o que realmente é o amor
    E com certeza fugir nao te trás felicidade.

    1. Oi Gustavo. Façamos o seguinte, você fica com as tuas concepções e meu respeito por elas. Fique onde está, não mude de perspectiva, de casa, de cidade, mantenha sua vida exatamente como está, é uma escolha tua. Veja, entretanto, que ao invés de discutir ideias, seguirás xingando quem discorda de ti. “Covarde, fútil, egoísta, lixo”. Tu preferes desqualificar o dono da palavra, a qualificar teus argumentos. Amar, esse sentimento lindo que tu defendes, é também entender que nem todo mundo pensa igual. Amor não é amarra, não é corrente, não é algema. Amar é deixar livre, se ficar é porque era seu, se partir, nunca foi. O que pra ti é covardia e fuga, pra muitos aqui foi um ato de coragem e evolução. Mas como eu te falei, é uma escolha muito tua ficar onde e como estás, se isso te faz bem. Vou torcer que faça, pois o mundo tá precisando de gente feliz e bem resolvida. Beijocas

    2. Olá caro Gustavo.
      Talvez você não tenha passado por esse tipo de situação em sua vida, ou talvez já. Mas quem já sofreu numa relação, ou num ambiente de trabalho, ou qualquer que fosse a situação que sentiu estar cansado de bater a cara na parede, entende que chega um momento na vida que precisamos ir embora. Isso não significa egoísmo ou falta de amor, mesmo porque amar também é partir, deixar voar, respeitar. E quando você faz de tudo para conquistar alguém que não te quer e a pessoa está constantemente te machucando.Onde está o seu valor? (isso e apenas um exemplo) Acho que é texto é óbvio, e cada ser sente em seu coração quando é a hora de ir.

  25. Salve, salve, Antônia!! Eu já estava de malas prontas…. só não tinha decidido aonde ir. Depois da leitura deste texto, agora, tenho certeza pra onde devo ir.!!!Bjos!!!

  26. Oi Antonia, parabéns pelo texto lindo!
    Um amigo queridíssimo me incentivou muito ao mestrado este ano e está de mudança para a Espanha daqui uma semana. Vai fazer o doutorado por lá. Eu estava sentindo um vazio absurdo porque ele é daquelas pessoas carinhosas que todos adoram.
    O lado ótimo de tudo é que estou na segunda fase do mestrado em literatura mexicana, ele super feliz pelo resultado e eu vou visitá-lo ano que vem.
    Obrigada pelo texto belíssimo, muito leve e esclarecedor.
    P.S: Sou mochileira e AMO viajar sozinha.
    Coragem é ir e saborear novas culturas.
    Nunca voltamos a ser o que éramos. Bjos
    Vanessa

  27. muito obrigado por descrever perfeitamente o que estou sentindo neste preciso instante! depois de leer o seu post fiquei muito mais tranquila e agora nao vejo a hora de ir embora! 🙂 muchas gracias desde paraguay

  28. Oi Antônia , tenho 17 anos moro em santa Catarina, junto com minha “avó” ela mesma que me criou, me casei com 15 mais hoje meu marido está fora do Brasil a mais ou menos 1 mês, e nosso plano é de que no começo de 2016 eu vá para lá onde ele está também, mais eu ainda estou com muito medo de deixar minha avó aqui, porque ela também só tem a mim, temos parentes mais quem faz a coisas para ela sou eu, ela tem 81 anos, e me criou desde os 3 meses de vida, então eu estou atordoada com essa história toda, porque não sei se devo ir fazer minha vida porque de algum modo nunca vou ter ela a vida enteira para me ajudar, e para isso preciso fazer minha vida, minha faculdade e claro acompanhar meu marido, mais ainda tem algo que cisma na minha cabeça, devo deixar a pessoa que me criou para fazer a minha vida ?

    1. Amábile, olá querida. Obrigada pela tua mensagem. Eu gostaria de poder te ajudar, mas infelizmente/felizmente esse processo de decisão é único, pessoal e intransferível. Terás que olhar pra dentro de ti e procurar as próprias respostas. E se não tiver certeza, te dê tempo para avaliar as opções. Conversa com tua avó/mãe. Tenho certeza que ela também poderá ajudar a tranquilizar teu coração. És nova e tem a vida inteira pela frente, pensa teus passos com carinho, e se tropeçar, levanta e tenta de novo. Desculpa não poder responder tua pergunta, mas ela só pode mesmo ser respondida por ti. Boa sorte! Beijocas, Antônia

  29. Li esse texto antes ir embora do Brasil, e cá estou, há 2 meses nos Estados Unidos. Hoje reli o texto e tive a certeza que fiz a melhor escolha da minha vida! Nunca fui tão certeira. Obrigada.
    Nicolle.

  30. Muito bom o texto, não só esse como muitos do blog, inclusive citei e recomendei no meu blog também. Certamente quem ja viajou se identificou muito. Gostei muito da forma da escrita que nos faz imaginar e fazer parte do momento. Teus textos me fazem viajar para dentro da história. Parabéns!

  31. Texto muito bom, não só esse como vários aqui do blog, inclusive citei e recomendei no meu. Quem ja passou por isso, quem ja viajou, certamente conseguiu se identificar muito, o texto nos faz imaginar e entrar na história. Gostei muito da forma da escrita, consigo viajar nos teus textos.

  32. Voa mesmo, o mais alto que puder, lá de cima ou de longe, você vai ter uma visão mais ampla e melhor de tudo. Tenho filhos que foram e não arrependeram, se onde você está não ta bom, vá…(Tenho sessenta e uns e continuo com a mesma opinião de quarenta anos atrás.

  33. parece burrice minha, mas esta frase tbm pode se referir a mulheres. “Pensei que tudo seria diferente, mais as vezes é preciso mudar de janela pra ver novos horizontes”?

  34. Fui embora há quase 2 anos. Se foi difícil? Dificílimo! Nada nunca é para sempre e por isso eu digo que se precisar um dia voltarei. Amo minha qualidade de vida, segurança, minha casa e as perspectivas que meus futuros filhos terão aqui, mas tb carrego a dor de deixado meus pais em outro país. Espero que um dia eles queiram vir morar aqui comigo!

  35. Quando a gente vai embora, tanto a gente tem a oportunidade de crescimento, quanto os que ficaram. Eles terão que fazer um novo arranjo positivo em suas vidas em que não esteja incluída a nossa presença. Crescerão todos e todos se beneficiarão!

  36. A todo instante leio aqui, ali e acolá, que é preciso se arriscar, vencer o medo, o desconhecido e ir embora. Concordo (com você), mas o risco não se esgota na escolha, na decisão, e sim, nas consequências que virão um dia. A vida existe enquanto possibilidade, que pode se construir ou não num outro tempo! A ‘antecipação’ de certos rumos que se quer tomar na vida é uma preocupação que deve ser levada em conta, e isso não significa ter medo para não se lançar.

  37. Não sei nem como achou minha postagem, mas deixou o comentário…. já coloquei lá a autoria do texto, embora não tivesse visto ele aqui antes, e sim vi em um facebook que não falava que o texto foi extraído daqui.. Isso fez com que eu não soubesse que você tinha escrito. Do mais, obrigada, e espero que agora a autoria esteja correta!!! Um grande abraço e vem visitar: aprendendocuriosamente.blogspot.com.br

  38. Estou passando por este mesmo dilema… Em 2013 estudei fora, vim pras feria de 2014 e conheci uma garota me apaixonei, a amei e acabei abandonando a faculdade sem trancar nem nada… Agora me surgiu a oportunidade outra vez, porem nao sei o que faço se volto pra estudar ou continuo aqui com ela… Se eu nao for estudar vou ficar na empresa do meu pai mas nao sei o que fazer Me ajuda rs

  39. Oi Antônia! Perfeito seu texto! Diz tudo sobre a minha inquietude onde estava, sobre ser sempre substituível e sobre buscar o novo, não viver em mindinhos! Estou há 30 dias na Inglaterra… e muito feliz por ter lutado e conquistado esta mudança! Ja compartilhei seu texto no Facebook e vou passar a seguir sua página! Abraços.

  40. Assim como muitos comentaram, também acredito que é uma questão de perspectiva. Cada um sabe aquilo que está sentindo, o que está faltando e se tem ou não vontade de experimentar o “ir embora”. Só é PRECISO ir embora quando você tem essa vontade de verdade. Moro fora do Brasil há alguns anos e de uma coisa eu tenho certeza, a frase “ninguém é insubstituível” é totalmente errada! Este é talvez o único ponto do texto que não concordo de forma alguma.

  41. Podia escrever um texto de oposição, mar vamo la:

    1. Custos de estudar fora: Os custos de Estudar Fora são superiores ao que estamos acostumados a pagar em universidades particulares no Brasil. Um ano de Administração em Harvard, por exemplo, custa entre R$ 115 e 125 mil/ano. O mesmo curso na Fundação Getúlio Vargas, um das mais renomadas no Brasil nesta área, é de R$ 32 mil ao ano.

    2. Dificuldades na adaptação cultural: A adaptação cultural em outro país pode representar muitos desafios. Para Tábata do Amaral, estudante de graduação em Harvard, foi muito difícil acostumar-se à alimentação de lá. “Fiquei quase duas semanas sem tomar a água daqui, porque eu não gostava. Também não suporto o frio”, conta. Comida, hábitos da nova cultura, clima e saudade da família e dos amigos são pontos que devem ser levados em conta.

    3. Estar fora do mercado brasileiro: Estágios, participação em eventos e em cursos de aprimoramento profissional são atividades importantes para construção de currículo e principalmente networking, o que aumenta as chances de conseguir um emprego após a graduação. O risco do aluno brasileiro perder laços com o Brasil, e isso impactar em seguida sua trajetória profissional, existe – exigindo atenção especial para reverter a situação.

    4. Validação do diploma: Para ser válido no Brasil, o diploma de graduação de uma universidade fora precisa ser validado. O processo se dá por meio das universidades federais do país, sendo que cada instituição possui um procedimento próprio. Esse processo costuma ser burocrático e pode exigir a realização de testes adicionais. Carreiras como Direito e Medicina são especialmente complicadas de se cursar no exterior, pois a diferença nos sistemas educacionais torna o processo de validação delas praticamente impossível. Conheça mais sobre esse processo AQUI.

    5. Atrasar seis meses na graduação: O calendário de graduação nos outros países, principalmente do hemisfério norte, é diferente do calendário acadêmico do Brasil. Aqui, o ano letivo da faculdade tem início entre fevereiro e março. Já nos EUA e na Europa, por exemplo, as aulas do ano letivo na faculdade iniciam em agosto ou setembro.

    1. Jackson, entendo todos os teus argumentos, uma vez que tive que analisa-los antes de decidir ir. Nunca almejei estudar em Harvard, dificilmente seria aceita, ao passo que meu orçamento não permitia – como também não permite aos valores de FGV. Escolhi uma universidade bem rankiada e mais acessível, vendi meu carro e fui. Algo obviamente normal tanto cá quanto lá. Adaptações serão necessárias cá e lá. O mercado brasileiro já está deixando muito gente de fora aqui mesmo, uma graduação poderia melhorar as chances de melhores empregos. Atraso pra mim é deixar uma oportunidade passar por desculpa (atrasar uma graduação, atrasar uma vida, escolhas…). Mas voltamos ao ponto fundamental, escrito de forma menos elaborada na minha resposta anterior. Se pra mim ir embora é fundamental no ponto de vista de perspectiva, tu podes e deves muito bem permanecer aqui com a tua perspectiva. Quanto a oposição, ela pouco mudará a opinião de quem quer ir. Como a minha não vai mudar a de quem quer ficar. Novamente, a recíproca é verdade.

      1. Elementar minha cara Antônia. Cada um deve seguir seus sonhos no momento que estiver disposto e achar devido. Apenas é excludente o “É preciso”, nem sempre as coisas são realmente precisas. Cada um possui uma balança mental para decidir se é necessário partir. Obrigado pela argumentação! Até a próxima!

  42. Parabéns, concordo 100%. É preciso ir embora….
    Quando cliquei no texto achei que era sobre viagem. E eu amo viajar inclusive tenho um blog sobre viagem que se chama Protetorsolarnamochila. No entanto, quando comecei a ler percebi que era muito mais profundo que isso. Somos muitas vezes levados pela inércia da vida. Muitas vezes nós mesmos apertamos o piloto automático da nossa vida, seguindo um fluxo, reproduzindo conceitos e comportamentos que não necessariamente são “nossos”. Nunca é tarde para retomar a direção e mudar de rumo, mesmo que ouça o GPS interno falando várias vezes “recalculando itinerário”. Só assim podemos nos conhecer ou reconhecer. Acredito realmente que é preciso ir embora e ver a vida de outro ângulo.
    Gostei muito! Abraços

  43. SINTO MUITO POR DISCORDAR, POIS AS COISAS SEMPRE PODE SER VISTAS DE OUTROS ÂNGULOS E PERSPECTIVAS.
    SEGUE O TEXTO REFORMULADO:

    “Eu preciso ir embora! Ir embora pode ser importante para que você entenda o quão significante alguém é para você e para descobrir que a vida que se segue não é mais vida. Pessoas nascem, morrem, casam, separam e pensam que estão solucionando problemas. É inebriante e libertador descobrir que alguém precisa de você pra seguir vivendo.
    Pode ser sua mãe, seu pai, seu ex-patrão, sua namorada, ou apenas alguém.

    Parece besteira, mas a maioria de nós tem uma noção bem distorcida da importância do próprio umbigo – novidade para quem sofre deste mal: Existem pessoas insubstituíveis ou imprescindíveis. Acredite nisso.

    É preciso ir embora.Ir embora é importante para que você veja que não é apenas você que é muito importante!

    Seja por 2 minutos, seja por 2 anos, aqueles de quem você sente falta talvez sintam menos ou mais porque você foi embora – você apenas sente por mais tempo!

    Quem diz que o sentimento não muda?

    Algumas pessoas sempre irão esquecer do seu aniversario, você estando aqui ou na Austrália.
    Nem sempre quem sente sua falta vai sempre sentir e agir. Há na vida aqueles que têm iniciativas e aqueles que aguardam as iniciativas dos outros. E nenhum dos dois deve ser julgado ou condenado. São apenas estereótipos.

    Não é um filtro é natural. É apenas o seu ego que quer julgar.

    Vai ter sempre aquele seleto e especial grupo que vai terminar a frase “Que saudade de você…” com “por isso tô te mandando esse áudio”; ou “porque tá tocando a nossa música” ou “então comprei uma passagem” ou ainda “desce agora que tô passando aí”.
    Fique e procure descobrir porque o seu trabalho te atormenta. Procure fazer com que a relação que você tem dê certo. Fique com a sua galera, sem se importar se estão presentes apenas quando lhes convém.

    Ame seus pais. Ame os seus irmãos e amigos. E se desejar ir embora por minutos, por anos ou pra vida pra encontrar-se com você mesmo, vai ver quando voltar – e se voltar – não sei se vai ver as coisas de outra perspectiva.
    As desculpas e pré-ocupações sempre vão existir. Basta você decidir encarar as mesmas como elas realmente são – do tamanho de formigas.”

    1. Porque discorda, já que apresenta uma outra visão por outros ângulos e perspectivas? Não concordo com sua discordância. Todas estão certas.

      Simplesmente a vida é também mais do que somente tudo que você disse.
      Imagina só, o porque você nasceu aí no seu lugar? (No religion)
      É um habitante de um planeta, chamado por nós de Terra. Está aí, por todos os motivos cabíveis naturais.

      Você pode, poderia, talvez irá, talvez iria a algum desses pontos habitáveis que construimos.

      A cultura, inserida por nós mesmos para diferenciar posicionamentos, que não é de hoje, já faz parte de nossa existência. Vamos conhecer muitas delas.

      Então, como tenho o prazer de andar por essa superfície, “teoricamente”, por todos os cantos que quiser. Todos temos essa outra visão para decidirmos se vamos ter, estar, viver, etc., em qualquer lugar e com ou sem os “alguens”…. imprescindíveis ou não.

      Isso vai depender de muitos fatores que foram descritos aqui nessa longa página, que estou curtindo demais.

      Cada um deles tem sua visão particular em relação ao tamanho ocupado na superfície, onde irá ocupar, e sua importância.

      E vejo que sua visão também é compartilhada por muitos do meu convívio.

      Abraço.

    2. Oi José. Não precisa se desculpar por discordar, no fundo o foco central do texto não é limitado a ir embora, mas o tema da perspectiva. E essa cada um tem a sua. Gostei da versão reformulada. Achei que falou bem como tu te sentes, e eu respeito isso. Obrigada por (re)escreve-lo! beijocas

  44. Incrível e libertador a sensação de apenas ir. Saí de casa muito cedo, pois passei em uma Escola Residencia de excelência, abandonei tudo e, sem nunca ter entrado em um avião, parti rumo ao desconhecido. Tinha apenas 14 anos, hoje não muito distante dessa idade (17 anos agora) tenho a plena certeza de foi a melhor escolha que fiz… até porque “é preciso ir embora”.

  45. Gente será que só eu “Não” entendi o texto?! rsrsrs A escritora falou em ir embora de uma forma muito maior e abrangente ou eu tô delirando com este texto perfeito??? O pessoal aqui só postando sobre ir embora da cidade; país…. afff.
    Parabéns Antônia

    1. Léla, concordo plenamente com você. O significado de mudança (o “É preciso ir embora”), realmente quer dizer “a change”. E se todos estivessem em sua sintonia, sim, estariam mais abertos para conseguir enxergar as possíveis pequenas mudanças que podem surgir em suas vidas.
      Para algumas pessoas que eu passei este texto, elas nem se manifestaram (responderam) em relação ao conteúdo e pude observar que elas tem uma forma de lidar com as situações em suas vidas com maior facilidade.
      Sem desmerecer todos os que se pronunciaram aqui. Foi só uma observação minha que está na minha frente. Veja nas mensagens, que em tudo que anda ocorrendo em nosso país, refletindo na vida de todos os brasileiros, (Muitos dizem que os que saem não são brasileiros. Absurdo isso.) acaba finalizando uma etapa em que é encarada como uma “nova vida” e não como mais uma etapa em sua vida.
      Essa mudança de país faz parte de um processo que ocorre em muitos lugares e sempre ocorreu em todos os tempos. Infelizmente, em alguns lugares hoje em dia, estão acontecendo barbaridades e como resultado, um êxodo de uma boa parte de sua população.
      Em fim, esta mudança de país, também faz parte dessa abrangência. Assim como pretendo fazer minha mudança, espero que todos os que estão se programando para tal investida, façam com uma programação bem detalhada para não se decepcionar com as surpresas que podem encontrar em suas aventuras.
      Boas mudanças para todos. Abraço.

  46. Antonia,
    Parece ate que a gente se conheceu em outras vidas, pq nao. Esse texto foi escrito para mim? e tudo o que eu preciso e vou fazer tao logo me aposentar en so alguns anos.
    “Ir embora é importante para que eu entenda que não sou importante assim, que a vida segue, com ou sem mim por perto. Pessoas nascem, morrem, casam, separam e resolvem os problemas que antes eu acreditava só eu podia resolver. É chocante e libertador – ninguém precisa de mim pra seguir vivendo. Nem a minha mãe, o meu pai, Deus levou a 33 anos, muito,menos meu ex-patrão, nem a minha pegada, nem ninguém. Parece besteira, mas a maioria de nós tem uma noção bem distorcida da importância do próprio umbigo – novidade para quem sofre deste mal: ninguém é insubstituível ou imprescindível. Lide com isso”. Uma casinha de frente para o mar me aguarda para morarmos somente eu e Deus. Meu filho (24) esta quase com a vida formada mais se decidir vir sera mais do que bem vindo. Tem coisa melhor? Ja sofri muito nessa vida, a primeira foi com a morte do meu pai e 12 anos depois como se nao fosse muito o sofrimento que ja vinha passando meu irmao foi assasinado. Obrigada por escrever tantas verdades.

    1. Oi Marian. Talvez a gente tenha se conhecido em outras vidas, por que não?! 🙂 O que te desejo nesta vida são inúmeros momentos de felicidade onde você está agora e na sua casinha na praia. Talvez um dia lá na sua casinha a gente tome um café juntas, e descubra de que vida a gente se conhece. 😉 Beijocas

  47. Olá Antônia,
    Eu estou bastante admirada pelo seu texto, sério.
    Mas uma pergunta… Mesmo com medo, tenho que ir, né? Medo faz parte? Eu sinto que preciso ir.
    Obrigada!

    1. Medo? Vá. E aprenda que o medo foi só uma força para a tomada da sua decisão. Aproveite, viva, “aculture-se”, ame, curta, vá sempre. E volte quando quiser ao “seu” país.

    2. Laura, que bom te ter por aqui. Vou me apoiar em gente que sabe muito mais do que eu, tá? Nelson Mandela uma vez disse a coragem não é a ausência do medo, mas o triunfo sobre ele. Ninguém que foi ao mundo foi sem medo. Mas APESAR do medo. Medo é bom. Te faz cautelosa e te obriga a planejar melhor teus passos. Medo é ruim quando te paralisa. Do contrário e como tu já falou, medo faz parte sim. Aí. há de ter fé e vontade, e isso acho que tu tens! Beijocas

  48. Eu achei seu texto incrível, não é fácil ir embora, pessoas são insubstituíveis, mas ir embora é necessário, nos faz crescer, ter responsabilidades, criar suas próprias raízes, aprender a sobreviver, quando tudo apertar, sem correr pra saia da sua mãe. Amei o texto, já compartilhei no facebook!!
    Adorei seu blog, tu já ganhou uma leitora, curti sua fanpage para não perder nenhuma novidade!
    Beijos.
    http://donamini.blogspot.com.br

  49. Olá Antonia, conhece seu blog através do seu perfil no Instagram, mais precisamente por o trecho desse texto. Quando li me vir profundamente tocada, acho que pela minha vida hoje, a sensação de que nem sou feliz, e nem infeliz. Tenho um relacionamento serio, gosto muito do meu namorado, ele fala em casar mais sinceramente não acredito que possamos fazer bem um ao outro, por isso hj penso que não darar certo. é claro que a resposta seria então termine. Não por covardia mais acho que a coisa mais difícil antes de fazer uma escolha e abrir o olhos reconhecer, por mais amor que exista, mais fato é que hj eu sei que preciso ir embora, ir embora da minha cidadizinha pacata, da casa de minha mãe, da vida do meu namorado, do meu emprego sagrado. Como já dito não é fácil da um tiro tão no escuro, mais viver na monotonia seja bem pior, talves seja melhor da esse tiro no escuro, já dei tiros no escuro antes por os outros, mais agora darei por mim, unicamente por mim. Preciso ir embora para ver se me encontro. Bendido os recomeços que a vida nos permite ter! Obrigado Antonia seu texto me fez pensar mais ainda sobre que tipo de vida tenho hoje, é alarmante e esclarecedor. Sou fã do seu trabalho!!

    1. Maria, obrigada você por me escrever. Vejo que muitas das tuas perguntas tu mesmo é capaz de responder. Creio que agora é uma questão de organizar a ideia e medir os próximos passos… um de cada vez! ok? Vou ficar torcendo por ti! beijocas

  50. Muito bom. Vou embora todos os anos há 30 anos. Vivendo em dois países, vou embora mas, nada é como o gosto de voltar para a minha terra, para a minha gente, aguardando que a velhice decida onde fixarei a morada eterna. Os amigos, aprendi a selecionar. Faço o que posso para expressar minha energia enquanto posso. Sou feliz nesse atravessar de fronteiras na Europa e no Brasil. Aos 63 anos, sou ciclista e cada dia é um desafio e, junto com meu marido enfrentamos a selva amazônica nos meses que estamos no Brasil, administrando e trabalhando em nossa fazendola, lidando com animais selvagens e bestas humanas de vez em quando, rsrs. Realizo-me. Felicitações pelas criações literárias.

  51. Li o texto e os comentários.
    Entendo que a verdadeira felicidade está dentro de nós e nunca deveremos criar um personagem que represente a nossa outra metade, pois, se perder vem o desespero e a vontade desesperada de encontrar o outro pedaço no local distante que aparentemente ficou perdida.
    Quando alguém toma essa decisão, encontra sempre pessoas novas com culturas diferentes que as vezes se identificam e ficam as vezes felizes e as vezes não.
    E a outra metade?
    O relato deixa pra mim a clareza de pessoas frágeis, dependentes financeiramente e tb emocionalmente, inconstante que busca na aventura a sua verdadeira felicidade que pode da certo ou não.
    Conheci fora do Brasil vários aventureiros ainda infelizes por está ainda sem rumo, sem profissão sem marido e sem emprego, muitas prostituidas pela circunstâncias na esperança de sobreviver no busca da tão falada outra metadae muitos outros desesperados.
    Minha sugestão para que pretende esses vôos desesperados.
    Confie em vc se profissionalise e seja bom naquilo que gosta, faça na profissão um exercício que te dê prazer, e faça tua vida ser interessante, pratique o bem, ame as pessoas que estão em volta de vc e não tenha pressa pois o único lugar que o sucesso vem primeiro que o trabalho é no dicionário.
    A melhor porção do universo chama-se Brasil, o melhor povo do mundo estão aqui, solidários, humanos. O que falta no Brasil é um gestão responsável, com pessoas preparadas para coordenar esse pais.
    Falta exigências legais para ser políticos.
    1º curso de Administração com Gestão pública.
    – carreira como veriador, prefeito, deputado e governador para a partir dai poder pleitear candidatar-se a presidência da república.
    Íamos ter mais opções de escolha, pessoas competentes para poder fazer desse país uma nação encantadora.
    O verdadeiro avião da Diva deve está dentro de nós para avaliar o motivo que nos leva a essa aventura que pode dar certo ou não.
    Fique aqui se prepare profissionalmente e seja dono do verdadeiro avião que te levará para qualquer parte do planeta de uma forma responsável e segura.
    Walter

    1. Oi Walter. Primeiramente obrigada por tua contribuição. Mesmo não concordando com o texto, ela é bem vinda. Acho que os pontos expostos são muito válidos, principalmente no que diz respeito a considerar uma viagem uma fuga (eu abordo um pouco mais no detalhe das “razões” no texto “A Viralização do Bybye” – http://antonianodiva.com.br/carimbo/a-viralizacao-do-byebye/ – se tiver interesse). Entretanto, volto a ressaltar que mais profunda do que a viagem, é o aprendizado de partir (ou voltar) de uma zona de conhecimento para uma de desconhecimento/desconforto. Acredito no potencial do meu país, tanto que voltei. Como também acredito que também exista muita gente que só entende isso, depois que se afasta. Existem inúmeros aventureiros de todo tipo, inclusive sem sair de casa, assim como o maior índice de prostituição segue sendo dentro das nossas fronteiras. O que reforço é a necessidade de perspectiva, sendo a saída da zona de conforto UMA das ferramentas para tal. E isso pode ser feito de inúmeras formas – com uma passagem na mão ou não. Eu – Antônia – acredito que pra mim foi preciso partir. Pro Walter talvez não. Ta aí a beleza da perspectiva, não é? Abraços, Antônia.

  52. Olá! Só passando para agradecer. O seu texto me deu um choque de realidade que estava precisando. E, tinha que ser de uma pessoa que não fazia parte da minha vida. E, principalmente, de alguém que entendia o que eu sinto. E, todas as vezes que eu cogito desistir do intercambio, abro esse link que fica nos meus favoritos e leio. Leio e releio quantas vezes que precisar, pois tenho que me lembrar que “preciso ir embora”.

  53. Encontrei por acaso esse texto impresso na impressora do trabalho, por incrível que pareça há 3 dias não encontro a pessoa que imprimiu, de certa forma é um mistério, mas o texto é impressionantemente escrito pra mim, e uma palavra define, “FODA” … to apaixonado pelo blog, viciado.

    1. Uiiiiii mistérios da impressora! Adoro! Já imaginou se a impressão te junta com uma pessoa e além de apaixonado pelo blog, dessa impressão surge uma outra paixão?! – A loca das histórias improváveis. hahahha, Ta… #antoniei Beijos, volta sempre Henrique!

  54. Faz 30 anos que fui embora! nunca me arrependi,mas tudo tem dois lados ,crei meu filho sozinha sem amor de avos ,tios e primos por perto ,mas fiz novos amigos que escolhi como familia ,conheci outro mundo outra lingua outra cultura ,fui e sou feliz,mas dentro do coraçao é sempre aquela impressao que nunca serei realmente daqui e que nao sou mais dai,estranha sençao que so um imigrante conhece.

  55. Um texto muito lúcido e realista…!!
    A melhor coisa que fiz da minha vida foi casar e depois de uma semana mudar de estado…!! O coisa boa !!!
    Quem vive na mesmice, permanece sempre o mesmo !!
    O mais interessante de quem viaja e se abre para novas oportunidades é achar que nunca será capaz de se adaptar !!
    Quando você sabe o que quer e tem um propósito a mudança será sempre uma janela para o crescimento pessoal, para o amadurecimento.
    E quem disse que você precisa se afastar das pessoas que gosta- hoje em dia existe Internet, passagens de avião !!
    Tudo desculpas para não se arriscar !!
    A vida é feita de desafios, e isso que a torna simplesmente especial !

  56. Adorei seu texto Antônia! A interpretação que fiz (eu sou boa nisso! rsrsrs) foi que ir embora aqui não é só sair do país e ficar longe da família como a maioria está falando, é também “seguir seu caminho distante do ninho”… Esse ninho pode ficar a apenas um bairro ou dois de distância do seu destino novo, mas isso também significa ir embora, cortar o cordão umbilical, criar novos horizontes e raízes… Mudar é importante e ir embora não precisa necessariamente sair do país, mas se distanciar um pouco do que você vive para descobrir coisas novas… Seu texto é ótimo! Parabéns!

  57. Oi! Gostei do texto! Fui embora a 8 anos atrás. Comecei um novo capítulo com novos amigos e um novo amor ( que durou 5 anos). Mas depois de tanto tempo ainda tenho duvidas se fiz a coisa certa. È tanta saudade, aqui fora é fácil de se adaptar, mas nunca o coração sempre sente pelo Brasil. Agora me falta coragem pra ir embora….

  58. O texto é excelente! nunca me vi tão retratada em palavras! Parabéns! Após concluir a faculdade de Direito voltei pra casa do meus pais no interior, nossa…foi um retrocesso! Amo demais meus pais, estou lá sempre que posso, mas voltar não me ajudou muito. Sou concurseira e meus estudos ficaram comprometidos…vivia resolvendo os problemas alheios…me vi envolvida por brigas no casamento de meus pais e sugada emocionalmente…ficava lá porque meu namorado estava morando na mesma cidade. Resultado: meu namorado, que hoje é noivo, passou em um concurso e foi morar bem longe de mim…estamos felizes, mesmo a distância, nos viramos e temos muitos planos,,,ele precisava ir…quanto a mim, voltei pra capital, aqui estou focada nos meus estudos e meus pais…perceberam, assim sozinhos, o qto um precisa do outro! Estão mais unidos e felizes do que nunca!

  59. LINDO!!!!!! Eu tive tanto medo, mas eu sabia no fundo de mim que eu estava dando tchau para meu quarto para nunca mais voltar ao ninho, parece dramático mesmo, mas sair do ninho e dramático, no entanto libertador para os filhotes e para os pais! Meus pais são maravilhosos, mas era preciso eu crescer sozinha…. Muito lindo e certo o seu texto!

  60. É muito bom descobrir que tem gente com o mesmo pensamento que o meu, as vezes abro meu coração para algumas pessoas e sou chamada de louca por querer largar tudo, faculdade e trabalho. Mas essa sou eu, não sou nem um pouco apegada. Quando eu abrir minhas asas e partir para esse mundão, irei sentir muita falta da minha família com certeza, principalmente do meu irmão, mas a saudade vai diminuindo de intensidade, afinal de contas o Skype está ai pra isso 🙂 e quem sabe eles não podem vir logo depois?! obrigada pelas suas palavras :*

    O que me falta mesmo para partir é conversar com alguém que já foi, queria saber como a pessoa se virou nos primeiros dias, como é a vida de um imigrante. Quem sabe alguém poderá me ajudar…

  61. Eu ja li, reli este texto mil x…., se vc soubesse o quanto me ajudou a decidir…a me desapegar de algumas coisas ,nao totalmente mas ja é inicio…amei, este texto tanto que copiei e salvei no meu computador para quando estiver querendo ficar novamente…rele-lo e seguir em frente…dando primeiro passo…Obrigado…

  62. Interessante o texto, também já fui, mas o coração fica apertadinho quando mamãe e papai pedem para voltar. Sei que são decisões difíceis de se tomar, que sempre vai ficar alguma pontinha do que ficar incomodando, mas é assim que a vida é. Cada qual buscando suas necessidades.

    Para quem disse que vai machucar quem fica, e a pessoa que vai não tem o direito de ser feliz? De buscar o próprio caminho? Que egoísmo de quem fica se colocar na posição de vítima, afinal, pudesses fazer as tuas escolhas, permita ao próximo o mesmo.

    Beijo galera!

  63. Para mim isso é desculpa de gente hipócrita que vive fugindo dos problemas e não os enfrenta. Quando voltar os problemas estarão lá e vc mais velho apenas.

  64. Este texto me fez olhar n para baixo mais em volta de mim preciso muito ir embora de tudo q me afasta de mim MSM . mais nada faço trave na porta do avião da minha vida. Perdi o controle o rumo a direção. Preciso de um empurrão p entrar na nave e ir embora. Antes q seja tarde d mais…

  65. Estou nesse ano querendo de ir embora,fui até comprar uma casa e ficava pensando em várias coisas, e esse post me disse muitas coisas que ficavam me amargurando, agora não mais!!
    Obrigada pelo post e pela “ajuda” !!
    Beijos

  66. A viagem mais dificil, é a que se faz, para dentro de si mesmo.
    Tirar os espinhos, do coração, sacudir todas as poeiras, guardadas nos olhos, seguir em frente. Curar as feridas, fingir que não doeu.
    O que há por detrás dos sorrisos e dos abraços?
    Quando se vai, algo se reparte, uma parte, que fica, é á que se perde.
    A outra, vai, e se perde, nas lembranças de quem fica..
    Ninguém parte, para sempre. Ninguém será, totalmente, para sempre, esquecido.
    O mundo é tao pequeno, e tao distante.
    Não é uma vida que se leva,
    Sao varias vidas, já vividas, simplesmente.
    Aerorportos, são estaçoes, no tempo.
    Nós, nao somos passageiros,
    Somos sómente, testemunhas.

  67. Muito bom!belissimo texto.Vc é muito corajosa,porque eu,não tenho.Sou apegada,a familia,para mim é tudo,os amigos,o amor que perdi,amo meu País…

  68. Sem dúvida um dos melhores textos que li nos últimos tempos! Na hora certa…com certeza pra muitas pessoas além de mim…Libertador! Continue, por favor.

  69. sinto q preciso dar um tempo de tudo sabe, fazer algo novo, mas ao msm tempo q tenho o sonho de partir tenho medo do incerto. Sei q preciso sair da minha zona de conforto e viajar sozinha para me encontrar seria o melhor, deixar tudo pra trás as vezes é preciso. mas e a decisão de ir? é complicado!

  70. Já fui, já voltei e estou indo novamente, agora com marido e filha, a sensação de viver tudo novo, novas metas e sonhos, é realmente maravilhoso; Porém me pego pensando as vezes e até meio triste, em ficar longe da família, mais precisamente Mãe… Embora a vida continue pra ela, sempre será triste ficar longe da sua filha e neta, e sei q jamais seremos substituídas, vejo por minha tia, minha prima foi e não voltou ainda e msm ela com mais 5 filhos por perto, carrega essa dor da saudade, vive num misto de alegria e dor, como se nada nunca estive completo…Enfim sinto isso qnd estou longe e sei q minha mãe tbm, e agora mais madura penso muito sobre as coisas que irei levar dessa jornada, na minha mala quero bastante bagagem, e pra mim o volume mais importante ainda é o amor da família , as lembranças, as ceias de Natal todos reunidos. Eu vou mais volto…

  71. Eu ja li e reli esse texto umas 5x! Ele é o maximo e é exatamente o que está acontecendo comigo! Dentro de 60 dias estou indo embora para o Japão! Sozinha dando um tiro no escuro e deixando tudo e todos para trás para me encontrar, para me conhecer melhor, e saindo da minha zona de conforto!!! So tem um problema, no meio dessa correria toda que fiz para ir embora, apareceu uma pessoa… e estou apaixonada, amando e agora com duvidas! E se ele for “o” cara? Estou numa duvida cruel… ir e realizar meu sonho, continuar com meus planos ou ficar continuar nessa vidinha q eu odeio para ficar com ele? Ah ele sabe q estou indo embora, diz q devo seguir meus sonhos mas ao mesmo tempo me pede para ficar ou ao menos adiar para ficarmos juntos. Sei q vc n tem nada com isso mas me ajuda!?! Uma luzinha por favor! Surtando por aqui! Obrigada!

    1. Oi Débora. Coisa linda estar com a viagem marcada. Coisa linda estar apaixonada. Infelizmente não existe resposta certa para este seu momento, vais ter que decidir e deixar o tempo responder. Jamais te diria o que fazer – então terás que buscar respostas em ti mesma. E não é essa a beleza de tudo? Apenas lembre-se que melhor do que estar em dúvida entre duas escolhas, é não ter escolha alguma a fazer. Boa sorte! beijão, Antônia.

      1. Pois é… é bem complicado, mas estou deixando o tempo me dizer e ainda deixando tudo nas mãos de Deus! Mas obrigada pelas palavras! Beijos

    2. Débora, é complicado. Acho q acima de tudo vc deve seguir o seu coração e ter plena conciencias das coisas q serão deixadas para trás caso vc decida partir ou ficar. Boa sorte.

    3. Oii Debora! eu já havia comentado aqui,de como foi libertador ler esse texto,em um momento de grandes dúvidas, e posso dizer que entendo o que está passando pois aconteceu o mesmo comigo. Porém, decidi por mim,pelo meu sonho,e se ele for mesmo “a pessoa certa” nos encontraremos em outro momento. A decisão não é fácil,sei bem,até pqe já me desliguei dele mesmo ainda estando aqui,para eu sofrer menos – no meu mundo particular acredito que assim seja melhor- Mas por vezes temos que optar pela razão,não estou dizendo o que fazer,longe de mim RSRSRS,aliás eis aqui alguém que sempre deixou a emoção escolher por tudo,é apenas um relato de como foi a minha decisão,e posso falar a vdd? As duas vão doer,mas pense no que for melhor pra você,e nas consequências que a escolha lhe trará.
      Beijão , e espero ter te ajudado pelo menos um pouquinho.

  72. Falar é facil, mas n é bem assim. Toda experiencia é valida, mas ir embora tb doi e doi muito. Vivo na europa fazem 5 anos, vou sempre visitar minha familia no Brasil, no momento nao vejo a hora de voltar para junto dos meus…Comcordo que sair da sua zona de comforto seja muito valido com experiancia, mas nao para sempre. é muito dolorido e triste deixar sua familia para viver em outro mundo. vc em outro pais, so vai mais um estran geiro e ponto, ninguém, mas ninguem mesmo vai te da calor humano…. Pode ter certeza q vai chegar dias terriveis de solidao e ate depressao . E a vontade que da, é arrumar tudo e fazer o caminho de volta. Nunca deixe sua familia durante muito tempo, n vale a pena….

  73. A minha hora eu já estou vivendo! É sofrido e ao mesmo tempo a melhor sensação do mundo! 7 meses atrás eu sai, pela segunda vez do Brasil, e pela terceira vez de casa, pra fazer mestrado no EUA. Sem data de volta, um dia de cada vez… quando a saudades aperta? Eu deixo a música mais alta que ela! E quando eu penso no próximo passo? Nenum é voltar pro que era, e sim continuar indo embora! Eu chorei, e fiquei muito contente lendo o texto! Nunca será fácil, mas ninguém falou que seria! E a mágica da vida é isso, aprender a lidar com o desconhecido em situações desconhecidas, até então! Obrigada!!!!!!!!!

  74. Oi Antonia! Essa semana vc bombou na timeline do meu face, e gostaria de te dizer que já li umas 300 vezes, e cada vez mais me identifico com o que você escreveu.

    Também tenho um blog, só pra mim e meus amigos mesmo, e no meu próximo post gostaria de colocar o link desse texto e alguns trechos, você autorizaria?

    Se quiser dar uma olhada, é http://www.stheriorizando.wordpress.com.

    Beijos!

  75. Faz uns tres dias qe li esse depoimento e precisava comentar, sincerente estava pensando no que dizer. E espero sinceramente qe leia.. Eu estou pensando em fazer um intercambio e conseguou descrever exatamente como me sinto, essa duvida de ir e fazer disso meu exilio. Porem ando com a sensaçao de solidao msm com tanta gente por perto e acho qe seria a minha chance de ver qe meus problemaa sao simples formigas como disse.. Qdo comecei ler senti como se tivesse falando comigo, tinha duvida mas agora eu sei o que devo fazer.. Foi um choque de realidade pra mim, nao sei qual foi a intençao ao escrever isso mas de verdade tocou em mim e agradeço era o que eu precisava.. tornei essa historia como incentivo leio sempre qe a duvida retorna. Dificil realmente é mas sei qe é necessario sair do ninhoo.. valeew

  76. Faz 6 meses que sai de São Paulo para morar na em Salvador-BA. Não deixa de ser outro país rs!
    Não tive coragem de fazer festa de despedida porque estava sendo muito sofrido o processo. Eu passei no vestibular para medicina depois de anos de cursinho, então, o ir embora era uma decisão minha, mas nem por isso foi menos dolorido.
    Acho que o momento mais difícil é aquele no aeroporto, quando estamos em frente ao portão de embarque e precisamos nos despedir e seguir. A dor de deixar as pessoas que eu amava paradas ali, enquanto eu ia embora, parece imensurável, o coração aperta tanto porque é o tchau necessário com recheio de culpa.
    Deixei familia, amigos e um grande amor- talvez o maior, mesmo que não tenha sobrevivido à distancia.
    E foi assim: uma escolha! A maior escolha que já fiz por mim, para ser dona do meu caminho, responsável por cada parte da minha vida: seja pela forma quem alimento ou pela existência ou não de roupa limpa na gaveta. Foram-se embora os culpados! Minha vida é só minha!
    A saudade maltratou na primeira semana mais do que nos meses que se seguiram, engraçado como o peso dela não está relacionado diretamente com o tempo em que se ausenta.
    Hoje, estou em paz com minha escolha. Percebo que meu maior medo- o de perder as pessoas que eu amo- é bobagem, porque amor não se perde, só não existe estagnação quando se trata de vida!
    Obrigada pelo texto, Antonia! Quando alguém compartilha da mesma vivência, parece que torna autêntico aquilo que já se sentia! Gratidão! 😉

  77. Perfeito!!! Eu fui embora ha 7 anos atras e nao me arrependo. Deixei tudo pra traz pra encontrar meu grande amor. Hoje estou pronta pra ir embora outra vez, o grande amor acabou, fiz muitos amigos, ganhei uma neta linda de presente e quero dar a volta ao mundo!!! Ja olhei a passagem e ela vai durar 8 meses. Quero me encontar comigo mesma!!! Uhuuuu

  78. Esse texto reflete minha vida no momento:
    PRECISO IR EMBORA! E vou…
    Não cabem aqui as razões (são inúmeras), mas o sentimento é esse…
    Obrigada pelo lindo texto!
    Virei fã! 🙂
    Bjs, Daniele

  79. Um turbilhão de sentimentos tomou conta de mim lendo esse texto. E só posso te dizer uma coisa: obrigada!

    Este post veio até mim por intermédio de uma amiga.. E foi simplesmente o que faltava para me livrar de todos os fantasmas e incertezas.

    Eu vou embora 🙂

    E quantas vezes forem necessárias eu vou te dizer: obrigada ♡

  80. Antônia, no momento nao vou nem comentar….

    Estou observando a lua q tá lindaaa e tomando um Suco Detox!
    Logo mais me aconchego, e tomo um drink no seu divã!”

    Deu vontade de IR EMBORA pra lua, de tao sedutora que ela está.
    =)

    E alguns comentários sao dispensáveis pra agora.
    bjs

  81. Texto, totalmente individualista, egoísta e como se nada valesse a pena… “Isso aí, vamos largar tudo e tentar a vida do país estrangeiro.” Ah ! Pelo amor de Deus… por um lado concordo e por outro lado discordo… incentivo a fazer uma viagem de férias ou a estudos sim… mas sair do seu país de origem para tentar a vida ? ! Discordo completamente se esse for o objetivo do texto. Principalmente para as mulheres, saem do Brasil sem perspectiva de vida nenhuma, para um país que é super preconceituoso em vários sentidos. Na maioria da vezes saem do Brasil, para fazer trabalhos domésticos, muitas fazem “contratos” os famosos casamentos falsos ande se pagam 15mil Dolares para obter um visto de permanência definitiva. Agora me diz, vale a pena mesmo abandonar família. Para tentar uma vida melhor “lá fora”. Faz um favor, quer melhorar de vida estude ! Que conseguirá um bom emprego, sendo assim tendo uma vida confortável e uma linda família. Ou vá para a Europa ou EUA e engravide de um gringo e vire dona de casa.

  82. Toda pessoa é insubstituível sim!! Minha mãe é uma delas. Seu texto é muito bacana pra quem quer ir embora sem culpa. Acho que todo mundo deve ter uma experiência por um periodo para, até mesmo, sentir o quanto é amado e o quanto é grato.
    Parte concordo e parte achei exagerado e radical. A vida é bem flexível e a gente pode ir estar entre dois mundos (aqui e lá) sem sofre ou trazer sofrimentos. Todas as pessoas que conheço e que moram em outro país, não são completas. Existe um vazio que só o amor da raiz completa….

  83. Muito bom a forma como abordado o tema… Há sempre este momento em que todos passamos na vida, a necessidade decisória de partir.
    No meu caso, também de país .. Não foi fácil! Porém necessário para a busca do que me faria feliz ..
    Seis anos depois, estou retornando as origens .. Pois assim como cada escolha, cada opção e entendimento do que realmente nos faz feliz … Percebi que estou perdendo qualidade de vida ao lado daqueles que realmente amo, deixando de presenciar, participar de momentos únicos e que não há volta.. Tanto em minha vida e na das pessoas que me amam e eu amo!!

    É preciso ir sim .. No momento oportuno!
    E melhor, voltar na hora certa!!
    Lembrando que a hora certa é totalmente pessoal e intransferível …

  84. Sabe o que eu mais acho curioso?! A chamada do Post já é atraente por si só: “ É PRECISO IR EMBORA”!
    Quem nao se identifica, nao clica. Correto?!
    Caso contrário não teria lido a matéria por mera curiosidade…Ou teria?

    Enfim…
    Eu particularmente, não tenho hábito de ler sobre assuntos que não me interessam. Mas caso isso ocorra, seja lá o pq,…
    tomara que meu cometário seja de um jeito “expansivo”, ao invés de “ofensivo”.

    Eu que nao tenho costume de acompanhar blog, me senti bem a vontade aqui… tanto que me sinto tomando um drink ou até um café, batendo um papo com a Antônia em seu divã. =)

    Todos que viveram tais experiências, e que de alguma forma já precisaram, ou ainda precisam “ir”. Entenderam bem esse texto., e souberam “filtrar” o necessário.

    Aos demais , penso que poderiam discordar sim, e comentar sobre suas diferentes e convictas opiniões.
    “Sem julgar, criticar, ou diagnosticar qualquer tipo de recomendação prescrita. ”

    Tendo como base as “minhas próprias experiências pessoais” e Observando o texto como “mera leitora”, “mera aprendiz” e também como uma “mera escritora”. Acredito que o conselho foi sim, adoçado na medida exata.
    Penso que, Antônia aconselhou de uma forma docilmente amarga, e tenho certeza que era tudo que ela, “sua amiga”, precisava ouvir naquele momento .Sem vitimização ou chorumelas..
    Pq no fundo, vc já sabia que ela poderia ter belas surpresas pelo caminho, e que no meio da jornada, descobriria coisas incríveis sobre si mesma.

    Engraçado como alguns se expressam…
    Como se Antônia fosse uma manipuladora!!
    Eu a vejo como boa escritora.

    1. Concordo com vc! A falta de humildade das pessoas está atingindo níveis inimagináveis por aqui. Dá muita vontade de escrever assim : Oi, sua arrogância e falta de educação não desmerecem esse texto!
      Porém sempre lembro que preciso ser humilde também rsrsrs.

  85. É meio louco como esse treco me chocou: “você não é tão importante assim, que a vida segue, com ou sem você por perto.” é a mais pura verdade. A gente se ilude, achando que tem muito ou pouca importância, sempre vamos fazer diferença na vida de todos, mas nunca seremos infinitos.
    Você escreve de uma maneira perfeita, adorei o texto, o jeito, a visão, causou efeito em mim.
    obrigada por isso!

  86. Delicia de texto Antonia! Me identificado bastante…saí do Brasil ja fazem 15 anos. As pessoas falavam que eu era corajosa, nao sei, talvez eu tive sim um pouco de coragem, mas tambem medo, insegurança, porem venceu a vontade de descobrir o mundo, e por descobrir o mundo descobri a mim mesma. Bjos

  87. Antônia, você desvendou minha alma rs Tudo que vocês escreveu , foi tudo que eu já passei, fui embora a 3 anos, não me arrependo, fui muito feliz neste período. Mas minha vida mudou de novo, ela virou de cabeça pra baixo pois perdi alguém muito especial e vejo que novamente esta na hora de ir embora! Parabéns!!!

  88. Um texto que induz a fuga para qualquer pessoa que esteja em uma situação de vida corrente que não é desejada. Cada um tem sua vida, então antes de tomar esta tal ‘coragem’ (i.e. chutar o balde, estou de saco cheio, não quero nem pensar) é interessante uma reflexão profunda para saber do que será esta mudança. Quem vai e não se arrepende com certeza é porque aqui só havia problemas: não havia planos sendo realizados ou em andamento, não havia uma família com laços fortes e unida, um amor pra vida toda verdadeiro…
    O problema que aparece neste ‘divã’ então é que muitos leitores em fases mais frágeis da vida podem se sentir impulsionados a esta fuga tão romântica já qie a visão das coisas boas da vida está deturpada. No verdadeiro divã o que é colocado é uma auto reflexão de pesos e medidas para se tomar a atitude chamada “mudança de rumo de vida”, avaliando sempre o bem e o mal.
    Enfrente de frente seus problemas! Porque seja aqui ou seja do outro lado do oceano eles existirão. Ou você os confronta ou viverá viajando sem rumo, numa busca impossível pela felicidade, e verá que no fundo viajar é só uma forma mais covarde simplesmente fugir.

      1. Irresponsável a sua atitude que se passa por psicologo sem ser e incentivando pessoas frágeis a tomar decisões muitas vezes equivocada na vida. Muito bem colocado Rafael, as pessoas que vem nesse blog e levam a sério, são pessoas fragilizadas e quando deparam com um texto irresponsável como este podem tomar decisões erradas que terão problemas futuros.
        Como voc~e fala para uma pessoa dar tiro no escuro??
        Sair de emprego que te atormenta???
        Pelo amor de deus, bota a mão na consciência e para com esse mania de querer resolver os problemas das pessoas com um blog virtual.

        1. Zerina, vou responder mais uma vez e depois concordaremos em discordar.
          1) Eu não sou psicologa – eu sou aquela no MEU divã = ANTÔNIA NO DIVÃ = fazendo as minhas análises e interpretações – LEIA o disclaimer do site.
          2) Eu não incentivo a tomar decisões equivocadas. Cada qual sabe de suas verdades e limitações. Os meus aprendizados são baseados nas MINHAS experiencias, e isto está muito claro.
          3) Eu não escrevo para resolver problemas de ninguém, este é um blog de crônicas. Nada mais, nada menos. Associa-se aos textos quem quer com base nas suas próprias verdades. E quem não quer, tem o mesmo direito, basta – novamente – escolher não voltar aqui.
          Obrigada por tuas contribuições.

    1. Pertinente…

      Ir embora como fuga, é tapar um buraco com outro …
      A vida fora do país por exemplo, não é doce e nem um mar de rosas ..
      Mas é uma escola .. Você aprende muito.. A se conhecer e discernir quais são seus reais valores e o que realmente te faz feliz!!

      Uma decisão desta não pode ser um ” chutar um balde” mas algo a somar .. A descobrir .. Bem analisado e pesado na balança dos pós e contras !!

  89. Não são os outros que nos prendem, definitivamente não. Quando também decidi ir tinha em mente tudo e todos que iria deixar por um tempo. O dolorido não é saber que as pessoas continuam vivendo sem você, mas ter a consciência de que você escolheu não estar lá. Mas é muito certo que o que é seu, sempre será e que depois você terá a vida inteira pra matar a saudade.

  90. Parabéns! Traduziu o sentimento em palavras. Eh um caminho para sermos melhores. E para assumirmos nossa responsabilidade. Acredito que você sinta isto também. Trata se de coragem. No fundo sabemos claramente a missão que nos eh dada nesta vida não eh mesmo!?

  91. Quando eu mudei de Recife pra São Paulo, há quase 4 anos, confessei para um amigo que estava feliz mas com medo. Medo porque me parecia assustador largar minha família, meus amigos, minha cidade e o novo me deixava insegura. Então ele me falou que a sensação de segurança era ilusão, uma invenção para nos acalmar, mas se parássemos para pensar, nada era seguro. Não temos controle sobre absolutamente nada e justamente por isso precisamos seguir, mesmo com medo, mesmo com uma lista de incertezas. Foi uma das melhores coisas que aprendi na vida. Vim insegura e feliz. Sempre tento lembrar disso quando resolvo ficar e encontro um medo para me manter segura.
    Obrigada por me lembrar que é preciso ir. =)

  92. Nossa, uma das coisas mais lindas que já li. Eu nunca fui fã de ir embora. Não porque eu sinta que faço muita falta, mas sim porque os outros me fazem muita falta. Só que dessa vez eu fiz exatamente o que o texto aconselha: eu diminuí a minha saudade para que desse certo. E deu.

  93. Ioooops! Com mais calma amiga! Texto contraditorio… em uma frase, ir embora e bom para vc ver que n e tao importante assim. Alguns paragrafos abaixo, ir embora e muito importante p q vc veja que vc e muito importante sim. Tem coisas bem mal resolvidinhas por ai amiga? Porque na verdade, quando elas estao de verdade RESOLVIDAS, nao faz a menor diferenca ir ou ficar. O afeto e saudavel, nao oprime ninguem, todos seguem sua vida e tudo flui. Espero que suas emocoes se aclarem pq esta precisando…

    1. Dulce, pra mim a beleza de partir reina justamente na dualidade do sentimento de ser importante e nem tão importante a ponto de ficar paralisado. Aqui conta mesmo a experiência (e um pouquinho de interpretação de texto). Mas respeito tua opinião. Até porque estar resolvido é entender que nem todo mundo precisa pensar igual. Amiga.

  94. Oi Antônia!
    Cheguei aqui através de um compartilhamento no face. Esse texto falou muito comigo. Tem 40 dias que meu relacionamento terminou, o amo demais, sinto muita falta dele, mas percebi que preciso seguir em frente. Eu não tenho a mesma importância para ele, para minha tristeza. Ele ta seguindo, pouco se importando com o que to sentindo e daí o que você falou, revela uma verdade que não queremos enxergar, ” Ir embora é importante para que você entenda que você não é tão importante assim, que a vida segue, com ou sem você por perto. Pessoas nascem, morrem, casam, separam e resolvem os problemas que antes você acreditava só você resolver. É chocante e libertador – ninguém precisa de você pra seguir vivendo. “. A vida é injusta e infelizmente, nem todos lhe darão o seu verdadeiro valor. Então devemos aceitar, sofrer o que tiver que sofrer e seguir em frente, porque é preciso continuar.
    Adorei sua escrita, vou acompanhar sempre.

    Beijo

    http://www.blogandolinhas.com.br

    1. Você descobriu que não era tão importante assim para ele? Ou você demonstrou através dos seus egoismos que ele não era tão imporyante assim para você? Afinal viajens podem acontecer em qualquer momento e qualquer dia,achar alguém que te ame e esteja disposto a construir uma vida com você e muito raro principalmente nos dias de hoje em que o egoísmo e o egocentrimos e sempre maior do que o “amor” que dizem sentir.
      Aposto que ele se sentiu um nada percebendo que aquela a quem tanto amou simplesmente não o tinha como prioridade em sua vida,
      Porque precisava ir nao e mesmo ?
      Vamos parar de por desculpas nas nossas decisões erroneamente tomadas e por a culpa nas pessoas que diziamos amar
      Mas abandonamos pq um textk idiota diz que depois ainda estaram la sentindo sua falta
      Porque obviamente estarão mais também se lembrarão de que você os abandonara.

  95. Na minha festa de despedida tinha 50 pessoas. Estava feliz. Tinha 18 anos mas sabia que era a decisao certa. Quando um dos convidados, um amigo, me perguntou porque estava tao contente em ir eu disse que foi porque tinha percebido que na verdade, nao preciso de ninguem para viver e sobreviver. Disse o porque realmente sentia que foi um momento CLICK em que percebi que a vida vai continuar sem mim e que a minha vida pode continuar sem eles e seremos todos felizes na mesma.
    Esse “amigo” nao percebeu. Sentiu que eu achave que os amigos eram descartaveis e ficou magoado. Nao falamos mais desde entao.
    Quem me dera que ele percebesse a dor e a alegria que sinto ao mesmo tempo em saber que o mundo nao revovle em torno de mim, e quao libertador isso e’. Saber que a minha familia tem saudades minhas mas que vive tao bem como quando estou perto deles.

    Quando voltei a Portugal a primeira vez tinha na mesma 50 pessoas na festa de regresso. Depois, de cada vez que ia, o numero diminuia…

    Depois de 3 anos fui para Franca. Ja nao houve festa.
    Depois vim para a Nova Zelandia. Nao houve festa.
    O mundo gira, esteja eu onde estiver. “And that’s ok”.

    Tenho amigos pelo mundo, uma familia em cada parte do mundo.
    Ha quem tenha um grande coracao.
    Eu tenho o meu em pedacos.
    Um pouquinho em Portugal, outro bocadinho em Inglaterra, outro em Franca, outro na Nova Zelandia…
    Decidir ir e’ estar preparado para que isto aconteca. E saber que apesar de o coracao estar espalhado por todo o lado, e’ muito maior, muito mais cheio e rico do que se estivesse todo junto.

    Nao sei porque preciso ir embora. PReciso ir por mim, mas volto sempre por eles. Pela minha familia. Pelos meus irmaos. Pelos que amo. Hoje e’ assim. Talvez um dia escolha nao ir embora. Mas hoje escolho ir.

  96. júlia: raízes são nascidas e crescidas durante toda uma viva. É a FAMÍLIA quem planta e constroi tudo isso. São esses operários, que faltam em muitas empresas. Muitos de nós não tiveram a felicidade desse operários. Não conhecem esses valores. Isso é uma lacuna inestimável em nossa formação! Fará falta o resto da vida! Só sentiremos essa lacuna lá na frente! Aí o trabalho é redobrado para suprir sua falta. Se conseguir!!!!

    1. Algumas pessoas pensam que encontrar um amor verdadeiro é encontrar uma pessoa perfeita, que saiu dos seus sonhos e encaixa perfeitamente em todas as áreas da sua vida. Esse é um grande erro e a principal explicação para o fim da maior parte dos relacionamentos.
      Um amor verdadeiro é aquele que resiste ao teste do tempo. É ter ao lado uma pessoa que conhece todas as nossas imperfeições e continua nos amando do mesmo jeito.
      É verificar que existem algumas incompatibilidades e alguns gostos completamente diferentes, mas estar disposto a fazer alguns sacrifícios para agradar a outra pessoa.
      É enfrentar os desafios e as dificuldades de mãos dadas, porque quem ama de verdade sabe que os dois juntos são muito mais fortes do que se estiverem separados.

  97. “É chocante e libertador – ninguém precisa de você pra seguir vivendo. Nem sua mãe, nem seu pai, nem seu ex-patrão, nem sua pegada, nem ninguém”
    meu filho de um ano e meio precisa …como ir embora????

  98. Olá,
    Só queria dizer-lhe que acho o seu texto brutal.
    Que me revejo nas palavras e nas forças que dele emanam.
    Neste momento encontro-me a fazer pesquisas incessantes sobre a Austrália e dei de caras com texto.
    Parabéns
    Júlia

  99. “Felizes os que nunca saíram do Brasil”. 
    Morar fora eh bom. Tem segurança, tem justiça e muitas oportunidades. Mas tudo tem seu preço. A distância dos familiares, amigos VERDADEIROS, enfim, tudo o que amamos, nos faz repensar se vale mesmo a pena. Um grande amigo que se casa, um sobrinho que nasce, um avô que falece, um irmão que chora e não tem seu abraço… Esses são alguns dos cenários que marcam nossas vidas aqui. O que mais importa? Uma vida mais equilibrada (financeira e segura), ou a possibilidade de dividir momentos com quem amamos, mesmo que seja passando “perrengues”? Quanto tempo mais temos aqui? Quantos tempo mais têm as pessoas que amamos? Acho graça quando vejo no facebook pessoas achando que a solução dos problemas é sair do Brasil. O Canadá me deu muito, mas me tirou muito também, e após dez anos vivendo fora, posso com toda segurança dizer que morar fora NÃO é a solução dos problemas. Ao contrário, talvez lhe traga um maior: a indecisão. Saia do Brasil, se aventure, arrisque, prove de tudo isso, mas não perca suas raízes. Não perca sua essência. Não deixe de passar os dias que te restam perto de pessoas que te amam. A vida passa, e com ela, a oportunidade de dizer “eu te amo”.

  100. Que texto maravilhoso de se ler numa manhã cheia de duvidas.
    Um tapa na cara e merecido HAHA! Precisava mesmo ler algo que me motivasse,e mostrasse minha insignificância,e que tudo vai continuar como é ,eu estando aqui ou lá. Estou indo embora daqui 42 dias,e sim estava sofrendo com antecedência! Foi libertador,ganhou uma seguidora sem dúvida.

    1. Olá Jhenifer, tudo bem?

      Se me permite….Gostaria de lhe dar um conselho. =)
      Viva esses 42 dias intensamente!! Tente nao sofrer. Pq isso nos tira do foco, e nos dispersa de tudo que está acontecendo ao nosso redor.
      Aproveite o máximo que puder! Momentos, amigos, família, lugares..etc e tal..
      “digo por experiência própria”.

      Ah, e concordo c vc! esse texto é sim… Um tapa na cara! rs….
      de uma forma bem sutil e objetiva.
      Estou muito feliz por ter encontrado esse texto, ou melhor, ele que me encontrou.

      Enjoy!

          1. Sabe o que eu mais acho curioso?! A chamada do Post já é atraente por si só: “ É PRECISO IR EMBORA”!
            Quem nao se identifica, nao clica. Correto?!
            Caso contrário não teria lido a matéria por mera curiosidade…Ou teria?

            Enfim…
            Eu particularmente, não tenho hábito de ler sobre assuntos que não me interessam. Mas caso isso ocorra, seja lá o pq,…
            tomara que meu cometário seja de um jeito “expansivo”, ao invés de “ofensivo”.

            Eu que nao tenho costume de acompanhar blog, me senti bem a vontade aqui… tanto que me sinto tomando um drink ou até um café, batendo um papo com a Antônia em seu divã. =)

            Todos que viveram tais experiências, e que de alguma forma já precisaram, ou ainda precisam “ir”. Entenderam bem esse texto., e souberam “filtrar” o necessário.

            Aos demais , penso que poderiam discordar sim, e comentar sobre suas diferentes e convictas opiniões.
            “Sem julgar, criticar, ou diagnosticar qualquer tipo de recomendação prescrita. ”

            Tendo como base as “minhas próprias experiências pessoais” e Observando o texto como “mera leitora”, “mera aprendiz” e também como uma “mera escritora”. Acredito que o conselho foi sim, adoçado na medida exata.
            Penso que, Antônia aconselhou de uma forma docilmente amarga, e tenho certeza que era tudo que ela, “sua amiga”, precisava ouvir naquele momento .Sem vitimização ou chorumelas..
            Pq no fundo, vc já sabia que ela poderia ter belas surpresas pelo caminho, e que no meio da jornada, descobriria coisas incríveis sobre si mesma.

            Engraçado como alguns se expressam…
            Como se Antônia fosse uma manipuladora!!
            Eu a vejo como boa escritora.

  101. Faltando falar do que decide a felicidade : visto, ganhar bem e amigos novos. Ir e voltar pro Brasil é so pegar um aviso, nao vejo porque haver preocupações com o coraçao, familia e amigos antigos. Aventura mesmo é emigrar :
    1) sem visto,
    2)sem ter definido onde trabalhar e
    ganhar bem e
    3)sem falar a lingua com fluencia para fazer novos amigos.
    Nao é o coração que decide a felicidade da pessoa e sim o preparo de cada um para sair do Brasil com a certeza de que vai dar tudo certo no aspecto pratico de emigrar. A maioria dos brasileiros se frustam por achar que irão dar “o jeitinho brasileiro” e resolver tudo de improviso qdo chegar no novo país…. Aí é pedir pra sofrer mesmo !

  102. Acho que no fundo, a gente sente quando é a hora de partir!”
    Ler esse texto me trouxe um sentimento de: “UFA!”
    tem mais pessoas do que eu imaginava que, assim como eu, vivem um “Drama Romântico” entre o “ficar” e “partir”.

    “Deus que me Perdoe e me abençoe! Deus que nos Acuda! A intenção é ser Feliz… sem culpa ou desculpas!”

    Acho que é isso!!
    Desde a última vez que voltei, pousei e repousei. Me encantei por coisas bem simples, me contentei com cotidiano, descansei os pés cansados da longa caminhada. Até achei que assim seria, mas depois de um longo tempo, a vontade de “ir embora” bateu!!!
    Quem vive isso, sabe como é!!!
    Mas bateu nao como fuga, mas sim como um novo encontro.

    Good Vibes e Boa Sorte a todos!

  103. Que maravilha de texto! Sabe que vivenciei a experiência de ver e ajudar a dois dos meus três filhos “irem” uma foi , amou e esta casada hoje, o mais novo foi para o intercâmbio de um ano. Tenho 48 anos, divorciada e venho sentindo uma vontade danada de como eles ” Ir embora” no meu caso sair da zona de conforto e pensar mais em mim, aprender mais uma lingua, fazer um curso interessante, conhecer novas culturas, e se tiver que ficar….estou precisando de novos desafios.,.adorei o texto Antonia!

  104. Antonia, uma grande amiga me encaminhou esse texto que amei! Quero fazer um intercambio, mas gastarei toda grana q tenho para isso. Se eu for daqui ha uns 2 meses e passar 6 meses, chegarei no final do ano quase, estarei sem grana e emprego!! E a economia do jeito que ta, ja viu o pavor q isso causa ne?! Por isso estou com medo de ir embora!! Importante: atualmente estou muiito infeliz profissionalmente!
    Amei o texto, espero q ele me ajude ainda mais!

    1. Oie Mel,
      Como vai?

      Entendo perfeitamente oq escreveu.
      Já passei por situações bem parecidas…
      Deixei tudo e fui aprender um novo idioma em outro país. Quando retornei, também nao tinha emprego e nem dinheiro. “rs… =/
      Mas voltei com uma bagagem rica de conhecimento, cultura, e vivências. “E isso, é algo que têm um valor imensurável”

      Novamente aqui estou eu,.. Deixando um emprego no qual nao me sinto “feliz e satisfeita financeiramente” e tentando mais uma vez a possibilidade de voltar, e continuar o estudo da língua.

      Por muito tempo, convivi com a mesma dúvida que vc.
      Hoje, tenho pensando muito em aproveitar a chance “enquanto ainda há tempo”. Tantas coisas lindas, diferentes, e novas podem acontecer ao longo do caminho, e mudar tudo.
      E o mais importante…. lá na frente vai perceber o quanto vc também mudou. E vai estar grata por ter se dado a chance de ter vivido essa experiência.

      Se dedique em aprender!! Quando vc voltar, vai ter o diferencial de um segundo idioma. E isso com certeza, pode agregar muitas coisas boas…Tanto no lado profissional, como pessoal também.

      Boa Sorte e que tudo dê certo! Seja lá onde FLOR!”
      😉

  105. O que a Antônia retratou foi um conselho de alguém que REALMENTE já tinha passado por isso, chamá-la de bipolar é um completo equívoco, já que seu conselho se baseou na sua própria experiência!

    Com uma habilidade incrível sintetizou tudo aqui que realmente é, porém só sabe isso quem já passou….

    Não é atoa que este texto viralizou de uma forma incrível, onde o blog saiu de meras 20 visitas diárias para mais de 100mil em 2 dias! (montei o site junto com ela)

    Parabéns Antônia por escrever de uma forma tão incrível algo tão assustador para muitos, gerando fé para tomarem coragem de ir em frente ao desconhecido!

    Eu também saí de casa com 19 anos e assino embaixo tudo o que dissestes, vim para o RS do RJ e aqui conquistei tudo o que um homem mais pode desejar, uma linda esposa (gaúcha), uma filha linda (gaúcha) e muuuuitos amigos (gaúchos) !!!

    Aos que chamaram ela de bipolar, só gostaria de uma resposta: Você já saiu do bairro que nasceu ?

  106. Já fui embora uma vez, não foi fácil, mas não me arrependo nem um pouco, foi a melhor coisa que fiz. Estou querendo ir novamente já deixei emprego(não estava feliz), e quero ir em busca de uma nova vida, novos desafios. Hoje mesmo estava falando com um amigo sobre ir embora, e quando li esse texto não tive dúvida, preciso ir embora.

  107. parabens peo texto tão lúcido! Pra mim o mais importante é ter a consciência do qto somos insignificantes perantnte a natureza. Tendo essa noção, seguiremos sempre em frente, com ou sem medo, e encontraremos sempre pessoas em nosso caminho, legais ou não, mas sempre encontramos.

  108. em Abril de 2014 fui embora do ninho em Portugal De abril a novembro trabalhei em Omã com colegas da faculdade. Em Dezembro comecei nova aventura no Brasil sozinha em busca do meu amor. Não tenho vontade de voltar mas se tiver de voltar para Portugal quero construir o meu ninho junto do meu amor. Adoro a experiência de viajar, conhecer novos lugare e novas culturas

  109. Namastê!
    “Me senti em estado de meditação enquanto lia esse texto”!

    “E Quando eu estiver dentro daquele avião, vou olhar pra baixo e ver todas as dúvidas e desculpas do tamanho de formigas, ” 😉

    Gratidão

  110. Há um ano e meio decidir ir embora em busca de conhecimento na minha área. Doei tudo que tinha deixei a casa vazia. Hoje estou retornado com uma especialização e pós-graduação. Não me arrependo de nada faria tudo outra vez.

  111. Encontrei esse texto por acaso e eu estava precisando ler. Faz um dia que moro em porto alegre para estudar e minha familia em Minas Gerais,a saudade aperta mas nâo abaixo a cabeca,vai dar tudo certo..

  112. Parabéns, Antonia. Precisamos mais e mais dessa sensibilidade e desse olhar que nos coloca em outras perspectivas para as nossas questões. Excelente texto! Conte com minha divulgação! Beijos, Fabiano

  113. Bravissimo pelo texto !
    Também li algumas respostas e a da Telma me reteve porque eu também perdi filha… cujo luto nao farei nunca porque nao enterrei !
    Mas FUI EMBORA ha 37 anos atras, foi umaz luta constante porque emigrar nao é facil, mas a conquista de um novo horizonte sem as correntes que nos atavam nos da uma enorme coragem e acabamos por ficar contentes de nos mesmos.
    Hoje sou naturalizada, algumas vezes tentei voltar pensando que devia alguma coisa a alguém…. nao deu certo, o meu lugar é aqui e o essencial é que foi MINHA ESCOLHA.
    Algum dia espero ler no divã da Antonia alguma coisa sobre saber estar e ficar sozinho…. outra experiencia interessantissima, nada a ver com o estar cercada ou isolada.
    Abraços franceses a todos

  114. A tanto tempo busco algo claro e objetivo a respeito disso, fiquei até atordoada quando li. Tive a certeza de que tudo o que fiz e vivi é “aceito” e definitivamente “entendido” por mais pessoas que não só eu. Parabéns pelo texto bem escrito e pelo site, que agora passa a fazer parte dos meus “favoritos” rsrs. =)

  115. Na minha opinião, na é preciso ir embora. É preciso ser feliz. E se ser feliz pra você, a leva ir embora, vá.

    Pra outras pessoas, “ficar” pode ser o que as faz feliz. E isso não é bolha, nem zona de conforto. é uma escolha. Algumas pessoas tem desafios tão imensos em seus lugares de origem, que se dão por completas lá. Ir, viajar é um mero mimo. Outras, sentem a necessidade de partir, se aventurar para se autocompletar.

    Por isso que na minha visão, não é preciso partir para descobrir quem te ama, que sentirá sua falta e o quanto. Uma que, partir deve ser um desafio pra quem vai, e não pra quem fica.

    Minha visão é seja feliz. Se ficar te faz feliz, fique. Se ir te faz feliz, vá. Se não sabe o que te faz feliz, melhor ainda pois tudo pode te fazer feliz, e a possibilidade de testar tudo é muito interessante e revigorante.

  116. Que belo texto! Você retratou exatamente como me sinto… E me senti, desde a primeira vez que fui embora em 1998 para fazer um intercâmbio na Inglaterra. Por medo de ficar longe, levei na minha bagagem tudo o que pude, de bíblia a minha coleção de CDs… E pra que? Para nada! Só peso… Pois na hora que pisei lá… Tudo mudou!!! Depois dessa experiência, muita coisa mudou… E sem volta! Graças a Deus! Dois anos atrás, vim de mala e cuia para Orlando… Trouxe marido e 2 cachorras… E a vida segue… Como deve ser…

  117. Adorei o texto!! É bem isso mesmo… Super me identifiquei com isso de “ver as coisas de outra perspectiva, lá de cima do avião”. Eu já pensava isso a algum tempo. Lembro que a primeira vez que viajei de avião pensei justamente isso, em como lá de cima tudo de ruim, todos os problemas do mundo parecem nem existirem de tão pequeno que fica tudo. É incrível. Uma sensação muito boa!

  118. Encorajador esse texto, sinceramente parece tudo o que estou passando, preciso ir embora e meu subconsciente fica colocando medos em mim. Ando com um medo absurdo de avião e fico adiando minha viagem o quanto posso 🙁

  119. ir embora quantas vezes for preciso, essa é a coisa certa. E não é só pegar um avião para o outro lado do mundo, não. É ir embora daquilo ( ou daqueles) que não te satisfaz mais, daquilo que te prende, te amarra…já fiz isso várias vezes, e o resultado é sempre melhor do que ficar parado, e reclamando. Porque a vida é mudança. Compreender isso é fundamental.

  120. Eu me sinto plenamente de acordo com o texto. Me sinto confiante em ir embora, mas compreendo as dúvidas que surgem em toda e qualquer decisão. O que não entendo é a agressividade de algumas pessoas em seus posts. Certamente, devem estar em um profundo momento de dor.

  121. Passei a noite toda, pensando se realmente estava fazendo a coisa certa em ir embora agora no próximo fim de semana, pedi a Deus pra me dar coragem e me mostrar o caminho certo, ao abrir meu facebook, o primeiro texto que vejo foi esse. Realmente é hora de ir embora! Obrigado pelo texto maravilhoso e encorajador!

  122. Acho um absurdo essa psicologia barata de internet. VocÊ com esse tido de pensamento muitas vezes faz com que as pessoas não encarem seus problemas de frente arrumem suas vidas. Esse egoismo estampado nesse texto reflete toda a covardia de uma pessoa que olha para seu proprio umbigo sem querer saber quem magoará ou não
    Fique com seus pensamentos bipolares para você antonia e não atrapalhe a vida de quem está passando por um momento dificil.

    1. Zenira, vamos a alguns pontos que merecem esclarecimento – note que quem está no divã é a Antônia, ou seja, não estou distribuindo psicologia barata, uma vez que não sou psicologa, – se bipolar ou não, creio que não cabe a você me diagnosticar, pois isso sim, caracterizaria como psicologia barata. Os pensamentos são meus, e sucessíveis a discussão, afinal opinião é um direito de todos, e eu distribuo as minhas onde me bem convir. Quando decidi partir foi buscando uma melhora pessoal, porque achei inclusive que minha família merecia uma pessoa melhor do que eu era, logo, o que pra você foi egoismo, pra mim foi investimento, em mim e em quem eu amo – tanto que voltei por eles. E reforço. As vezes é preciso ir embora sim, nem que seja de um blog cuja opinião veementemente discordamos, visando que NÓS MESMOS não nos atrapalhamos quando estamos passando por um momento difícil. De novo, a escolha é sua.

      1. Realmente era o que eu temia. Não é psicologo e se passando por tal. Alerto as pessoas do perigo das redes sociais. Procurem um profissional, peguem informações a respeito e não entrem nessa furada.

        1. Zenira querida! Quem precisa de um psico… alias, pisiquiatra é voce. Procure logo um porque a coisa esta feia para o teu lado hein. Siga o conselho inteligente e delicado e saia da pagina!!! Hahaha

  123. Nossa o texto não poderia ser mais preciso. Morei 17 anos fora do Brasil. Tenho dupla cidadania. Em 2010 apos um divorcio voltei com dois filhos. Esses anos me serviram para ver que nao ha nada mais valioso que IR EMBORA! Deixo meus fantasmas, minhas frustaçoes, minhas alegrias e muita saudade da minha familia especialmente da minha irmã que é meu pilar. Fiz poucos amigos mas são os melhores que ja tive. Tenho estado triste pois me lembro da saudade que fez meu coraçao doer por muito tempo quando fui embora pela primeira vez. Tenho estado feliz pela oportunidade de um recomeço. Mas sempre da tudo certo! Mas o melhor é saber que tenho para onde voltar! Obrigada!

  124. “As pessoas precisam ir para poderem voltar ou não”
    “O tempo não para e quem fica parado é poste”
    “Menor que meus não posso ser” etc etc e etc e tal. Quem um dia ou na calada da noite não ouviu ou leu essas frases?
    Com certeza questões que só o tempo poderá responder. Vou me arrepender? ou
    Não deveria pelo menos ter tentado?

    ” O Ontem já passou……
    O amanhã talvez nem chegue….
    Hoje é o que realmente importa”.

    Seja para ir ou para ficar!

  125. Este texto abriu minha mente Antônia.
    Tenho 48 anos e cheguei num ponto da vida Onde preciso mudar tudo, ir embora.
    Ainda não vou para outro país, mas para outro estado longe do meu.
    Perdi um filho de 19 anos na época e hoje vivo com minha filha de 22.
    Mas vívo só.
    E chegou a hora da mudança, de cortar o cordão umbilical. Será o primeiro passo.
    É preciso ir embora, para que possamos dar valor ao que está sempre ao nosso lado.
    Este texto veio me fortalecer.
    E o amanhã a Deus pertence.
    Entregar nosso caminho ao Senhor e tudo mais Ele fará!
    Não sei se irei aguentar esta separação, mas será melhor para o nosso crescimento.Quem

  126. Muita verdade em um texto só! É tão bom ler isso! Parece que da mais animo e folego pra alma! Sabemos que eh possivel e só depende de nós! Ir embora é a certeza de que somos capazes. Excelente texto!!

  127. OMG, esse texto caiu em cima de mim exatamente no momento mais indeciso da minha vida… queria ir, mas morro de medo de não dar certo. Dinheiro infelizmente ainda é algo que pesa muito nessas decisões 🙁

  128. Olá, nossa li seu texto no momento certo!!!Estou para sair do País e me encontro o mesmo dilema que sua amiga!!! Sempre tive a vontade de me aventurar, mas agora que faltam poucos meses, estou com medo do desconhecido e convivo com um frio na barriga que parece que vai me consumir, e antes o que parecia tão seguro sobre a minha escolha, está me atormentando!! Muito obrigada pelas palavras, me fizeram refletir bastante!!! Bjs…:)

  129. Decisões às vezes tem que ser tomadas, mas será que é o momento? Se precipitar pode ser certo ou errado, a depender das circunstancias.

  130. Acho que as coisas são mais complicadas do que simplesmente partir. Principaente no Brasil.
    Porque se a gente vai e quer voltar, na volta pode não ter onde morar, onde trabalhar, ou o que fazer.
    O medo de quem tem vontade, mas tem medo , é mais esse. Ou é o medo de que a solidão sufoque demais? Do desemprego, do aperto? De acontecer algo com as pessoas que a gente ama enquanto estamos longe? Ou pior: de não conseguir voltar?

    E ainda tem uma outra reflexão: quão saudável é pra sociedade se a gente simplesmente “ir embora” dos desafios, em vez de continuar perseguindo-os? Se todo mundo pensa que o Brasil é terra pra quem “não tem como sair”?

    Não tenho nenhuma certeza, só quis largar mais algumas reflexões de fim de domingo. Parabéns pelo texto ótimo, pela coragem e pela inspiração a todos!

  131. Fato! Como e bom ir embora sem a sensação de vitimizacao. Ir embora com a sensação de fiz o meu melhor, nos da a liberdade de ser feliz onde estivermos, livre para viver o melhor de Deus!

  132. Adorei o texto,é bem o que sentimos qd vamos rumo ao desconhecido, sãos da nossa zona de conforto,mas acaba sendo incrível nos descobrimos,notamos o tamanho da nossa força do nosso potencial,um BJ pra tds bye

  133. Eu amei seu blog! Super inspirador. Tenho um blog também, mas estou começando. Temos pensamentos e histórias parecidas! Vou te acompanhar por aqui. As vezes é preciso ir embora. as vezes virar a página não é suficiente, é preciso trocar o livro! bjs

  134. Que texto incrivel!! Eu fui embora ja fazem 25 anos. Deixei meu Rio de Janeiro, que eu amava tanto. Deixei familia, amigos …..e vim pra NY. Não poderia ter tomado melhor decisão.

  135. Ohhhhh era tudo que precisava lê …
    São tantas dúvida, medos e outros sentimentos mas no fundo sempre tem uma voz dizer para ir fundo…
    ñ tenho nem palavras para dizer o quanto seu texto me ajudou!

    1. Laina, tenho 2 textos que podem te inspirar também. Acessa sonhosedevaneios.com.br e procura pelos textos Onde não puderes amar não te demores e Se não tiver coragem, não adianta ter vontade.
      boa sorte! bjs

  136. Texto excelente! Parabéns!
    Admiro muito quem tem a coragem de dar adeus, e sair de mala e cuia para o desconhecido. Eu nunca tive vontade, pois para mim, a família é essencial, é a alegria da minha vida. Mas tenho sobrinhos que se aventuraram e que acredito, só voltam nas férias e depois vão novamente. O importante é ficar onde o corpo e o coração ficam juntos, pois se cada um ficar em um lugar, acaba virando tortura.
    Aos vão, sigam inteiros e sejam felizes.

  137. Texto emocionante, saí de casa há 1 ano e nossa… Como sinto saudade da minha vida, família, amigos, e tudo mais. Mas aprendi muito desde que estou só, criamos uma nova perspectiva mesmo e não me arrependo de ter tomado essa atitude… Continuo feliz e continuo no caminho que sempre sonhei, o resto… Nós encontra com tempo!

  138. Muito bom o texto!

    Daqui à 2 meses estou indo rumo ao desconhecido. Rumo à algo que nunca fiz, ficar 1 ano fora de casa, fora do “ninho”. Família e amigos me perguntam se eu não tenho medo, pois vou sozinho, eu comigo mesmo. E também, muitas discussões sobre algo que pode dar errado, mas procuro não pensar nisso.. desde o começo do planejamento, sempre pensei que daria certo, e vai dar! New Zealand, here i go!

  139. Olá,
    adorei o blog!!
    Super concordo com tudo que foi dito nesse post… e estou passando pela mesma situação na vdd rsrsrs

    Estou morando na Alemanha… e hoje completou uma semana. No começo tive muito medo da decisão, mas, agora que estou aqui e vivenciando tudo isso… estou amando!!

    Muita sorte por ai!
    Beijos

  140. É difícil não se preocupar com aqueles q amamos e deixamos para trás pq tivemos q ir embora… Ainda mais com seus pais que vc acaba pensando: “não quero “abandonar” eles, que cuidaram tanto de mim. ” obrigado por compartilhar este relato, ajudou muito a lidar com essas questões que muitas vezes pegamos nos torturando com essa ideia de ingratidão.

  141. Ótimo texto e reflexão! Nos libertar é algo valioso e preciso. Ando viajando, as vz sozinha, acho q estou fazendo estágio para algo maior. Tomar uma decisão, fazer escolhas…. Enfim, é preciso seguir. Abraço a todos(as) corajosos(as).

  142. Excelente!!!!

    Todos nós temos esse “eles precisam de mim” quando, na verdade, por melhor que realmente sejamos, eles, na verdade, são melhores sem nós.

    Eles, muito possivelmente, se desenvolverão melhor, como pessoa, como cidadãos, como filhos, como pais, como amigos, etc, sem nós por perto.

    O que é “perto” ou “distante”, hoje, em um mundo em que a distância se mede em segundos e não em kilômetros? A única verdadeira falta possível, é daquele abraço, pessoal, gostoso!

  143. Acho q vou ler este texto todos os dias, como doses de um remédio controlado pela tarja preta… Reflexão perfeita para quem está vivendo exatamente o q leu. Obrigada por me fazer ver minha história “de cima” 🙂
    Já podes fazer a minha carteirinha de fã, ok?!
    😉

  144. Olá Antonia….

    eu quero dizer que também compartilho deste sentimento atualmente, após realizar meu primeiro intercambio para os EUA onde so pude ficar 3 semanas por conta das férias, sempre fiquei com um sentimento de “querer ir embora”, e com a sensação que algo na minha vida nao se encaixava mais, é meio difícil explicar em palavras, pois, acredito que cada um tem suas próprias convicções e valores, mas o fato que depois de 2 anos, sai do meu atual trabalho, (aquele que te atormentava) e estou indo para a Nova Zelândia daqui a 3 meses para morar la por 7 meses estudando e trabalhando e realmente tentar algo novo na minha vida.

  145. Amei o texto. Sempre achei que não somos plantas. Não nascemos com raízes. Sinto necessidade de estar sempre em lugares diferentes. Difícil é fazer com que as pessoas a nossa volta entendam isso. Realmente a vida segue para todos sem a nossa presença. E isso para mim basta.

  146. Já fui “embora” muitas vezes e a volta as vezes foi boa, outras não… agora, mais amadurecida, mais vivida, com a experiência de quem sabe que “fuga” não é “aventura” e não resolve problemas, estou querendo voltar em definitivo para o Brasil, amigos, família… e, desta vez, vou viver sozinha no meu cantinho e ele será preparado com todo amor para receber quem eu amo. Viver no exterior é bom (já vivi em Dallas e hoje vivo em Londres), adquirimos muita vivência, experiência. A parte ruim são as saudades mas, saudade é algo com que precisamos nos acostumar para não sofremos muito e entendermos quando chegar a hora da grande saudade, essa sim, para quem não acredita no Eterno, dificil de suportar… Amei o texto!!!!

  147. “…desculpas do tamanho de formigas…” é o melhor trecho. Posso falar por existência que tens toda razão quando implicitamente afirmas que depois que voltas (ou não), vais querer “ir embora” novamente.

  148. Excelente texto! Você descreveu muito bem as preocupações e as descobertas de quem vai. Achava que sem mim muita coisa não iria funcionar, mas funciona. Surpreendente e libertador, vc traduz perfeitamente!
    Obrigada pela linda reflexão!
    Beijinhos!

  149. Que maravilha de texto!!!!! Hoje tá fazendo 1 mês que fomos (eu e meu marino), para re-começar,rsrs! Tá sendo maravilhoso e cada dia é uma nova descoberta! Que continue assim por muito tempo e que Deus nós abençoe!

  150. Tenho apenas 67 anos, e essa vontade de bater asas tive lá atrás, aos 23 anos! Sempre fui muito a frente do meu tempo, e não me faltaria coragem, mas financeiramente era inviavel, e o caminho mesmo foi casar e ter filhos. Tive dois meninos e uma menina e, sempre fui incentivadora pra que eles voassem, o mais alto e o mais longe que pudessem, e os três fizeram e continuam fazendo seus voos e, cada vez que batem asas meu coração voa junto. Morro de saudade, mas o que me importa é que eles sejam felizes. Onde estiverem!! Sem contar que de vez em quando vou onde estão, fico um tempo e volto. Não é bom???

  151. Descreveu todo o meu sentimento quando fui embora pela 1a vez. Como eu queria ter lido isso antes, seria uma dose de coragem a mais. Excelente texto.
    Desde quando fui morar em NY pela primeira vez com 18 anos nunca mais parei de “Querer ir embora”. Hoje mais uma vez me encontro em uma aventura, escrevendo a minha própria história longe da minha zona de conforto.
    Digo para todos que estão em dúvida: Vá! E se der medo? Vai com medo mesmo.

  152. Nossa… Tenho cada vez mais vontade disso tudo aí. Mas falta-me coragem. E a maior coragem de de todas; enfrentar meus pais. Antonia, lindo seu texto e muito bem escrito. Eu tenho um probleminha de saude, mas tratado e tudo certinho a 6 anos, graças a Deus. Maaaaas, óbvio, é um problemão para minha família. E este tem sido o bloqueio. Eu nao me preocupo com nada, nem mesmo se acontecer algo estando fora. Ja até “briguei” em casa, dizendo que se eu morrer, pelo menos morro feliz…rs Deus me perdoe…. Mas nem assim consigo a bênçao. Entro tb no empecilho financeiro…. Como vc…vcs fizeram? Foi tudo planejado antes? Ou escolheram um lugar e foram?

  153. Vontade eu tenho..não pra fora do Brasil,mas sair da minha cidade,conhecer pessoas novas,mas como estou desempregada,não dá inda,estou em tratamento de depressão tbem..Mas quem sabe um dia..adorei sua materia..Bjos

  154. Adorei o texto….tudo é uma questão de perspectiva….eu quero muito ir embora.. Meu trabalho vai onde eu vou ..mas preciso planejar , tal qual uma viagem …que começa. na verdade , quando você começa a planejar pra onde ir , onde ficar, que passeios vai fazer . Gostaria de ir pra NY e la montar meu atelier ….sonhandoooo

  155. Cara, que texto lindo e verdadeiro!
    Eu mesmo já fui embora algumas vezes e cada vez que vou, me torno uma pessoa diferente e aprendo a ver o mundo (e os problemas) como da janela do avião…
    Logo logo vou precisar ir embora novamente!

  156. Que texto mais verdadeiro e bonito! Parabens! Vi que não só eu penso dessa maneira! A vida nos surpreender com pessoas que pensam e tem gostos parecidos com os seus.

  157. Olá Antonia,
    Adorei seu texto, principalmente porque já fiz uma opção dessas aos 44 anos com dois filhos adolescentes e para China! hehehe
    Também escrevi sobre sentimentos assim no meu blog e acredito que se você muda de país ou de cidade tantos faz… sair da zona de conforto é sempre um desafio.
    Se tiver um tempo, dá uma olhada nesse texto:
    http://chinanaminhavida.com/2014/10/02/se-adaptar-as-mudancas-o-grande-desafio/
    Abraço e muito sucesso!

  158. Por pensarem assim como vc , essa coisa libertadora sem freios é que o mundo está desse jeito, essa desunião , essa coisa de sentimentos descartáveis…… Todos somos insubstituíveis sim , mas abrimos espaços para novos horizontes , mas o seu lugar na vida de quem te ama realmente vai estar sempre lá reservado no coração dessa pessoa. O discurso que vc fez é um discurso individualista, egoísta , extremista como se nada valesse a pena….. apenas a sua liberdade. Na vida não é bem assim que tudo funciona, as pessoas que nos rodeiam tem sentimentos, não é simplesmente virar de costas e ir rumo a nossa liberdade, não é chegar do alto de um avião e achar que o sentimento é do tamanho de uma formiguinha, não é achar olhando para baixo que o lixo vc deixou para trás e esta indo rumo a um novo ser humano que até então estava adormecido dentro de vc. Devemos sim, ter nossa liberdade, chorarmos muito porque deixamos para trás laços até então apertados entre as pessoas. Devemos sim olhar para trás e dizer ” Meus amores me esperem, eu vou e vcs todos estarão comigo no meu coração onde quer que eu vá, vcs não são apenas uma etapa da minha vida ….. Vcs são a minha VIDA !!!!!

    1. Bianca, realmente adorei o que você disse.
      E concordo que esse texto é “individualista, egoísta , extremista como se nada valesse a pena”.

      1. Bianca e Tarsis; respeito a opinião de vocês. Na minha humilde opinião algumas etapas do crescimento merecem reflexões individualistas. Pra mim você se torna boa companhia para os outros quando aprende a ser companhia de si próprio. Muitas pessoas não precisam partir, outras precisam. Isso não faz delas egoístas. Como quem decide ficar não se torna acomodado por essa escolha. Eu recebi muito apoio da minha família quando decidi dar este passo. Também não pensei duas vezes em voltar pra perto deles. Tive a sorte de não precisar pedir pra ninguém me esperar. Eles estiveram comigo o tempo todo – e isso, distância geográfica nenhuma desfaz, apenas fortalece. Beijão, Antônia

  159. Antonia!! Muito bom o texto!! Obrigado querida amiga Martha, pela indicação.
    Realmente! Ir embora, sempre acresce e enriquece a nossa vida.
    É muito importante também, ter o entusiasmo no corpo e na alma, para que essa viagem , seja lá o destino que tiver, possa construir um lar, em cada estação, cheio de boas e verdadeiras relações. Que a boa verdade prevaleça sempre.
    Adorei seu olhar Antônia!

  160. Muitas coisas são certas concordo,temos que ser independente, mas nunca deixar as nossas origens ,nossos país sim , nossos pais nunca,será que deixariamos nossos filhos ,eles apesar de nos deixar ,não vão nunca nos esquecer porém nós nunca vamos deixa losnem esquecê los.Isso é a lei da vida

  161. Oi Antônia! Bom dia!
    Resolvi escrever só pra dizer: Meus parabéns! Você escreve muito bem. Coisa difícil de se ver na internet. A organização das ideias, a forma como você vai “desenrolando” a história…dá impressão que você está conversando com a gente aqui na sala da casa.
    Muito bacana!
    Agora vou embora, mas não vou ficar distante da tua página.
    Abração.

  162. Querida Antônia, acabei de conhecer o seu blog, através desse artigo, e eu, simplesmente, me apaixonei por vc (ou melhor, pelo seu blog! hehehe)!!! Parabéns menina!

  163. Sim! É preciso ir embora, e c for necessário, mais de uma vez! Já c passaram 23 anos q decidi ir embora deixando “para trás” uma Mãe, um irmão e um filhote q só tinha 4 anos. Mas foi justamente por ele q eu fui, foi por ele q aceitei a incerteza, a dor, o frio, o medo, e foi por ele q venci. Venci o medo, venci a solidão, venci a saudade, as dúvidas e venci tudo o q me era desconhecido. Neste novo mundo (Alemanha), não só conheci a Deus, como também ao meu Esposo, q junto com ele, “voltei” para buscar meu filhote para “também ir embora” comigo, e na nova Terra, ele ganhou mais 2 irmãos. Depois de já estar ali vivendo 18 anos, mas com um Esposo q sempre já tinha também um desejo de “ir embora”, lá fui eu mais uma vez embora para a Espanha( Mallorca), aonde agora vivemos hoje com nossos filhos, gato, e a certeza de que agora chegamos… “no nosso aconchego “. PS.: ajudei a meu irmão um dia também a “ir embora”, e ele ainda está por aqui até hoje, Feliz. Sim! Navegar é preciso…

  164. Sim! É preciso ir embora, e c for necessário, mais de uma vez! Já c passaram 23 anos q decidi ir embora deixando “para trás” uma Mãe, um irmão e um filhote q só tinha 4 anos. Mas foi justamente por ele q eu fui, foi por ele q aceitei a incerteza, a dor, o frio, o medo, e foi por ele q venci. Venci o medo, venci a solidão, venci a saudade, as dúvidas e venci tudo o q me era desconhecido. Neste novo mundo (Alemanha), conheci meu Esposo e “voltei” para buscar meu filhote para “também ir embora” comigo, e na nova Terra, ele ganhou mais 2 irmãos. Depois de já estar ali vivendo 18 anos, mas com um Esposo q sempre já tinha também um desejo de “ir embora”, lá fui eu mais uma vez embora para a Espanha( Mallorca), aonde agora vivemos hoje com nossos filhos, gato, e a certeza de que agora chegamos… “no nosso aconchego “. PS.: ajudei a meu irmão um dia também a “ir embora”, e ele ainda está por aqui até hoje, Feliz. Sim! Navegar é preciso…

  165. Olá Antônia, seu texto está incrível. Obrigada pelo empurrãozinho rsrs. Já estamos com tudo pronto para o nosso embarque agora em abril. Eu, marido e filha vamos nos aventurar na Austrália. Estamos com esse sentimento de saudades apertando o coração. Mas estamos partindo em busca de algo melhor pra nossa vida. Não é fácil, pois eu sai de casa bem cedo, com apenas 16 anos, e estou longe da família a 18 anos e sei bem como é isso. Mas meu marido terá a primeira experiência de viver longe da família. Deus está na frente de todos os nosso planos e isso nos dá mais força pra prosseguir.
    Muitos me dizem que queriam ter a coragem que estamos tendo. Daí eu falo, coragem é igual a uma planta, vc semeia e vai regando. E a corangem vai aumentando e crescendo. Estamos fazendo tudo bem planejado, ir com família tem que ser assim. Com filhos não dá pra arriscar sem planos bem traçados.
    Mas todos devem sim ir atrás de seus sonhos. Mais uma dica : Coloquem Deus no início de seus planos, que Ele se encarregará do fim.
    Grande bj a todos.

    1. Nao irao se arrepender. 6 anos de Australia e me lembro como se fosse hj quando pisei nessa terra e falei pra mim mesmo: “esse país eh meu lugar”. Vcs vao se apaixonar bem rapido.. Cuidado..lol.
      Abracos e sucesso!

  166. Você já foi amado ?tem família? laços familiares, amor sentimento, lagrima, angustia , noites de frio e lamentos ou alegria pura genuína sem saber o porque ? Ir embora não é tão simples assim!

  167. Disse tudo… Otimo texto.
    E ainda digo, a coragem nao está em partir, pois partir é a parte “gostosa”, da busca de coisas novas e de um sonho… A coragem está em persistir e ficar em tantas adversidades, barreiras, dificuldades e o mais dolorido: a apertada saudade de quem amamos.

  168. Gostaria que rescrevessem estes comentários qdo tiverem por volta dos seus 50 anos e depois aos 70 anos, para uma reflexão do que realmente importa … Aos 20 e 30 e poucos tudo é muito divertido ainda mais longe de casa e com a falsa sensação de estar aproveitando a vida, mesmo longe dos familiares … Pois sabem que qdo quiserem voltar terão um porto seguro e quando este se for será que terá valido a pena ter lutado por esta falsa sensação liberdade?

    1. Como foi falado, eh tudo uma questao de perspectiva. Tem gente que nao tem familiares para ter apoio, por mais que morem a 1 km de distancia de vc.
      Morar longe do pa’is de origem nao eh para qualquer um….vc precisa ser diferente….
      Eh preciso encontrar uma cidade, um pa’is onde vc se sinta em casa. Ponto!

    2. Felipe, e o porto seguro que essas pessoas oferecem aos próprios descendentes não conta? Entendo que ficar longe de nossos pais/avós/primos/tios seja difícil, mas e quando se pensa no futuro de uma criança? De um filho que terá outra visão de mundo, não apenas limitada ao convívio desses parentes, mas novos parentes que se formarão em uma nova/diferente vida, é tão enriquecedor quanto.

      Não vejo apenas como “falsa sensação de liberdade” mas como conseguir dar uma condição melhor a meus filhos (ou futuros filhos, dependendo da pessoa), pretendo passar sempre a meus filhos os valores que aprendi na vida, o que é saudade da família, mas também mostrando as escolhas que fiz pensando em mim e também no que “achei” que seria o melhor para eles.

      Abraço,
      Kika

  169. Adorei o texto! Uma amiga leu e me mandou Pq disse que lembrou muito de mim. Eu moro fora do Brasil ha 12 anos. Morei 11 anos nos EUA e agora moro no Canadá. Também gosto de escrever e ano passado quando me mudei dos EUA para o Canadá, eu escrevi um texto de “despedida”. Gostaria de compartilhar com você. Espero que goste! 🙂
    To everyone that I’ve met since I’ve moved from Brazil to USA:
    It’s time to move on and start a new chapter in my life.
    It’s sad, but moving on with the rest of your life usually starts with a goodbye…
    When I first moved to US, I don’t think I really knew the meaning of “good bye”… but after many years of being alway from people that I love, and after many good byes, I’ve learned that good bye is seldom a real good bye…
    I’ve learned that good byes are not forever, good byes are never the end. I’ve learned that even though I can verbally say good bye, my heart will never mean it… I’ve learned that good bye only means I will miss you, until we meet again!
    Thank you all for your friendship and the great memories we’ve made together as friends. I will always remember the good times, the smiles, the fun and the occasional tears… I will miss you all…and even though I’ve spent more time with some of you than others, each and every one of you have changed my life in a very unique way.
    Until we meet again…

  170. Interessante a visão libertadora e o foco no emocional, Antônia. Concordo com você e acho que o que mais nos limita é mesmo a nossa mente e nossa crença de que tudo vai dar errado. Passei por um processo difícil para conseguir soltar as amarras que eu mesmo havia colocado, mas descobri que a recompensa para isso tudo é impagável. Hoje vou compartilhando cada vez minhas experiências para que outras pessoas consigam enxergam essas mesmas correntes, e que consigam se libertar o quanto antes elas. 🙂

    1. É exatamente o q preciso fazer. Ir embora não necessariamente da minha terra, mas de uma relação que não progride, de um trabalho que me atormenta. Estou tomando coragem pra ir embora. Texto perfeito.

  171. Na caminhada da vida sempre temos que estar preparado para ir embora. Ir embora do momento, ir embora do mesmo, ir embora de todos que nos cercam, ir para o novo que vai ficar, ira para experiencia do ainda vivido, emfim, sair do viver sem sentido de viver para viver o novo sentido de viver! “Consulty’s”

  172. Não canso de ler esse texto. Há 17 anos dei o meu salto no desconhecido. Conheci o amor da minha vida no antigo mIRC, e depois de 17 dias juntos, decidimos casar. Larguei família, trabalho, amigos e mudei de país. Atravessei o oceano e, foi do outro lado do Atlântico que me conheci. Fiz novos amigos, não esqueci os antigos, mudei em muitas coisas, mas fiquei com a essência do meu ser. O que dizer? Esse texto é perfeito…

  173. Nossa todos nós temos que agarrar está oportunidade de ir embora, pois muitas nos achamos desta forma. Fui embora 2008 e foi a melhor coisa de fiz na vida, me encontrando e a uma nova Família que é minha

  174. texto perfeito! Fui embora ha 10anos pra New York e hj sou a pessoa mais realizada possivel! Casei com uma pessoa incrivel, o homem da minha vida e New York me deu oportunidades que eu agarrei com tudo! Alias, desde o minuto que pisei na cidade e fiquei parada na frente eo Empire State com minha bagagem e olhando tudo ao meu redor, sabia que meu lugar era ali! Foi a melhor coisa que podia ter acontecido na minha vida foi ter ido embora!

    1. Oi Carolina! Difícil deve ser resistir ao Empire State, ou mesmo a um amor em New York. Pelo visto foi um risco que valeu muito a pena, e começou com um simples passo de fé e coragem. Que New York siga sendo tudo que tu buscou! Volte sempre – se não ao Brasil, pelo menos ao blog. hihihihi. Beijos, Antônia.

    2. Parabéns! Eu depois de 13 anos de Europa me preparando pra ir também pra cidade que nunca dorme,medo? Fica guardadinho na mala! Feliz continuação de viagem!

  175. Verdade, como é difícil ir embora ou deixar pessoas que amamos ir embora, doce consolo quando vemos quem partiu feliz e realizado, seja por trabalho ou outro motivo qualquer… Quando deixamos partir ou ir embora sabemos que chegou o momento exato para novas oportunidades… Difícil é deixar ir embora aqueles que amamos e saber que não tem retorno… Mas faz parte do aprendizado de cada um de nós

    1. Ponto justo, Waldermar. Partir não pode ser uma fuga, mas é bem-vindo como um final e um início. A pessoa pode até ser feliz, mas foi porque em um determinado momento da vida, tomou coragem. De novo, é tudo uma questão de perspectiva. 😉 Beijos, Antônia

    2. Pode ser uma fuga, mas não vejo que a pessoa se acorvadou. Precisamos de mais coragem pra mudar do que continuar do jeito que tá…. E como Antonia disse sobre ver do avião, as vezes precisamos ver a nossa antiga vida de longe para aprender com os erros nessa nova caminhada e que voltar também faz parte.

  176. Perfeito texto. Só quando vamos embora adquirimos essa consciência. O melhor de tudo é ir embora de si mesmo, perceber que mudamos, aprendemos e vivemos experiências que melhoraram a nossa essência e com isso evoluímos.

    1. Sim, sair de seus empregos sem a preocupação, simplesmente sair, porque? Muitas vezes ficamos insatisfeito. Sentimos medo, sentir-se confortável naquilo que se está fazendo é a melhor forma. Trocar de curso quando perceber que o mesmo talvez não será legal e não concluir por concluir, coragem, tenta outro. Vai se sentir bem melhor.

      1. Ir embora e deixar ir embora. Desafios inversamente proporcionais. E gostar de ter deixado ir mesmo que sinta falta. Estou aprendendo a ter minha própria companhia em um lugar que já não sabia mais onde ficava:dentro de mim mesma. Fácil não é.

  177. Que texto perfeito! Queria eu ter lido isto antes de me entregar ao desconhecido. Sim, eu estava com muitas dúvidas, em minha festa de despedida sofri muito. Acho que no fundo eu não queria experimentar o novo. Mas graças a Deus entrei no avião e hoje completam 30 dias que estou vivendo o desconhecido. Posso afirmar com toda certeza, os melhores 30 días da minha vida. Se ver sozinha não é fácil, mas a recompensa de fazer um intercâmbio é maravilhosa. Quero que não acabe. Quero ter meus amigos que vivem em diversos países sempre comigo, todos os dias. Mas sei que logo terei que dizer adeus. Parabéns pelo texto!

    1. Oi Mariana! Que bom que estás vivendo uma aventura! Perdas e ganhos fazem parte do processo, afinal, você abriria mão dos ganhos, pra não perder nada? Claro que não! E já que gostou do texto, volte sempre! (www.facebook.com/antonianodiva) Beijão, Antônia

  178. Obrigada a minha AMIGA Clarissa Taniguchi por me apresentar esse texto!! Obrigada, Antônia por dividir esse texto maravilhoso!!! Libertador!!! Nossa, o texto vem num momento tão importante!!! Acabei de chegar em Montréal para tentar uma vida nova. Buscar me encontrar e ser feliz!!!

    1. Oi Cris! Nossa, Montréal! Apprendre le français? Or learn English? De qualquer forma, de viajante para viajante te desejo uma boa jornada. Nada como uma chance novinha de começar tudo de novo, não é? Boa sorte e volte sempre! Beijos, Antônia

  179. Adorei o texto, me vi escrevendo, vivendo e assistindo alguem viver isso. E eh isso ai, uma vez q a gnt sai fo ninho, a vida nunca mais eh a mesma, a riqueza que adiquirimos de cultura, sabedoria, lugares, pessoas, vivencias eh incrivel e unica. Quem nao tem medo de viver e mudar tem VIDA. Parabens, adorei

    1. Giselle, tranquilize-se, tudo depende do primeiro passo, e você nunca poderá dar um maior que a perna. Se a coragem que falta é de uma viagem, faça uma viagem curta antes de enfiar de vez o pé no mundo. Depois do primeiro passo, vai ser difícil é ficar parada. Bom ter você por aqui. Beijão, Antônia.

  180. É incrível tomar consciência de que ninguém precisa mesmo da gente pra seguir suas vidas , e que ficar parado dentro da bolha não vai tornar a vida dos que estão ao nosso redor, nem melhor nem pior!
    É preciso ir embora, e eu preciso ir embora, minha hora está chegando! Ufa
    Texto perfeito, disse TUDO eu sempre pensei!
    Parabéns!

    Beijoos
    http://www.camilanoparaiso.com.br

      1. Bom dia !!!!, esses comentários não são bem vindos, nem esses textos, isso acaba influenciando um ante querido ir embora, essa decisão deve ser tomada sem intervenção nenhuma, por favor retire isso da net, porque vc está colaborando para talves um sofrimento de alguem……………

        1. Orcivan,
          Você leu o texto? Nestes casos, recomenda-se a leitura novamente. E outras vezes. E outras. Uma hora deve entender seu sentido. Torço por isso…

        2. Talvez Orcivam se tivesses ido “embora”, no sentido de ter viajado mais, não tivesse uma visão tão limitada do quão importante é expandir suas barreiras e visão de mundo. E isso meu querido só se consegue abrindo as asas e voando!

          1. sou uma avó e sempre viajei e viajo muito e ensinei meus netos tbem a fazer isso para ter e ver outras culturas e concordo plenamente que as vezes tem-se que ir embora para entender a vida e seus fantasmas . concordo plenamente com vc giovani

        3. Como você é egoista cara. Estamos pronto para tomar as atitudes necessárias para o nosso bem e com responsabilidade. Se se pode ir, boa viajem.

        4. Penso que esta pessoa acima, está sendo a “cadeia” de alguém. Liberte-se amigo e assim libertarás o seu ente querido tbm. Vc só está com medo da sentir saudade…faz parte do aprendizado…

        5. Concordo pienamente con voce. Essa moda de mudança é’ completamente errada. Algumas pessoas não sabem que estão bem onde estão. Nem sempre é’ necessário ir embora para ter uma vida feliz, a felicidade está perto mas nós não a vemos, coloquemos os óculos certos para vê-la. Tão simples.

          1. Ninni, entendo teu ponto de vista. Mudança em si não é obrigatório, é claro. Lidar com elas (ou até promovê-las) entretanto, é ótima receita para crescimento e perspectiva. Mas só faz quem quer, com certeza.

        6. fica quieto, não fala merda, por favor…
          se a pessoa decidir mudar a vida apenas por um texto de internet, ela deve estar realmente com algum problema…
          fora isso, este texto apenas encoraja as pessoas que estão angustiadas com a partida…

        7. Disse tudo!!!! ontem tivemos um amigo que se matou, jogou do seu prédio, e adivinhem ele tinha postado esse texto dois dias antes da sua morte….triste! por favor tire esse texto

          1. Bruna e demais. É com muito pesar de tomo conhecimento desta tragédia. Minhas sinceras condolências a família e amigos desta pessoa querida. Lamento muito em saber que o amigo de vcs estava passando por dificuldades, e veja, aqui o texto entrou como consequência desta condição, e não a causa. Respeitosamente sugiro direcionar a energia em dar apoio a família da vítima desta fatalidade, já que não existem culpados em uma situação como esta. Mais uma vez, meus pêsames. Antônia Macchi

          2. Bom dia.
            Vou propor a todos os responsáveis que produzem qualquer texto na internet a nunca mais interferir no emocional das pessoas. Que eles pensem um pouco mais antes de afetar a cabeça de quem precisa ir embora.
            E sugiro a todos os que procuram qualquer texto que contenha algo que possa proporcionar alguma mudança na sua vida, mesmo que caiam sem querer em textos que não entendam, procurar aprender a interpretar textos e também um divã físico urgentemente.
            Assim poderá ter algum suporte, apoio de alguém que te ajude a tomar a melhor decisão em sua vida.
            Agora, não vender mais facas porque elas pode matar!?!?!?!?!?
            Meus sentimentos.

        8. Orcivan tem problemas…
          Portanto, vc acha que um ente querido nao tem que ir embora porque tem que ficar perto de… vc?
          E a vida propria do ente querido? nao?
          Esse texto é fundamental pra que “entes queridos” consigam ouvir a voz interior mais alto que as dos outros parentes que ficam fazendo drama para cortar as asas alheias.
          Ainda bem que não sou sua parente. Mas se fosse, ia simplesmente ignorar a sua opiniao.

      2. O ruim é que um amigo já se sentia triste sozinho, o seu testo o encorajou a não estar mais aqui, ele tirou a própria vida, mencionou seu testo e disse que era necessário ir embora!

        1. O teu amigo sofria de depressão, e ele interpretou ir embora com um desejo dele. O texto não encoraja a nenhum mal a si próprio, encoraja o contrário, ser feliz consigo mesmo. Viajar, se aventurar, se entregar ao mundo e aproveitar o melhor dele. Aproveitar a própria companhia. Ninguém é responsável pelo que aconteceu com seu amigo, que é muito triste. Direcionar a culpa a alguém não vai diminuir a dor da perda. Vou rezar que todos os envolvidos encontrem paz neste momento.

          1. Antônia, você é autora do texto?
            Bem independente disso adorei o texto e nele vejo o sentido de mudança. Tipo Va embora de tudo que nao te faz bem. No mais não vejo tanta coisa para essa ladainha toda que alguns estão comentando por aqui.
            Bjs. Adorei o texto e ja até compartilhei

    1. Nossa!!! Parabens pelo o texto! Eu fui embora a 7 anos! Deixei tudo. Sinto muita falta da minha familia e amigos. Hoje tem duas filhas Ariel e Sofia, casei aqui em San Diego, ir embora nao e facil o coracao parece que ficou uma parti no Brasil, nao me arrependo de ter vindo! Sim, sim precisamos ir embora!!!

      Ediane Crawford

      1. Eu tambem fui embora e ja se vao 5 anos… Deixei tudo, sinto saudades, mas nao quero voltar. Essa Nacao passou a ser a minha terra: aprendi a amar e respeitar. Amei esse texto!

    2. Já parti diversas vezes, de vários lugares. Mas hoje penso diferente. Penso que mãe é insubstituível e sinto que deveria ter ficado mais perto dela por mais tempo.
      Entendo o que você quis dizer e concordo em parte com suas palavras racionais e práticas.
      Um abraço.

      1. Entendo vc Ana, pois já morei fora 10 anos, aprendi muita coisa, conheci lugares e pessoas diferentes. Mas descobri que devemos colocar na balança o que realmente importa na vida. E para mim pensar que meus pais estavam envelhecendo e eu não estava por perto para compartilhar de bons momentos juntos, decidi retornar!

Comentários, anseios e carinhos: