O tombo

Eu sempre tive e admirei gatos por sua capacidade inquestionável de dar conta do improvável. Como enfrentar uma queda não planejada e cair sob suas quatro patas. Lembro-me de ser pequena e desafiá-los a situações adversas só para vê-los superá-las. Caindo sempre sob quatro patas. Na minha vida, por algum tempo, também fui assim. Me desafiava constantemente a superar situações Leia mais… »

Prezado amor platônico

Eu sempre me considerei uma pessoa sortuda no amor. O meu cupido sempre flechou de volta quem havia me flechado.  Por conta disso, eu nunca entendi o conceito de amor platônico. Nunca. Um amor, que segundo a concepção do filósofo Platão, é puro e desprovido de interesse. Focado na virtude do outro, alimentado de uma Leia mais… »

Reticências…

Se você como eu, é do sexo feminino, solteira e tem quase 30, vai me entender. Olá. Meu nome é Antônia, eu tenho quase 30 e ainda não casei. “Olá Antônia!!” – imagino outras solteiras respondendo em uníssono como em um grupo de apoio. O que acontece é que ultimamente qualquer eventual encontro com conhecidos tem Leia mais… »

Eu quero colo

Peguei-me pensando hoje, como em mais vezes do que gosto de admitir, que queria chegar em casa e aterrissar em pouso único no colo de alguém. Sem escalas. Alguém que eu amo. Podia ser a minha mãe, podia ser meu irmão, podia ser aquele “não-tão-mais-estranho” para quem eu abri minha casa e chamei de amor. Leia mais… »

Carona

7h15, o despertador grita. “Merda! Merda! Merda”, são os 3 primeiros pensamentos da minha segunda-feira. Atrasada para um dia que historicamente eu odeio. Afff… Enfio qualquer roupa, boto minha rasteirinha preferida e vou trabalhar. No escritório resmungo algo que parecia “bom dia” para os colegas, reclamo do novo nariz da Anitta, e agonizo lendo um Leia mais… »