Crônicas

Festa da firma

em
16 de dezembro de 2016

Mais certo que a enxurrada de amigos secreto na nossa agenda de final de ano, é a pragmática festa da firma. Sim, dia de fazer festa ao lado do chefe, fingindo plenitude no meio da manguaça paga pela empresa. Me diz, por que o mundo corporativo achou produtivo promover um evento que exige ao mesmo tempo tanto descontração quanto formalidade?

Não importa se sua empresa é uma séria corporação do ramo petrolífero ou uma startup descoladinha que quer mudar o mundo. Festa da firma sempre dá o que falar, e talvez por isso ela seja agendada pré-recesso. Precisamos de tempo para assentar algumas novidades promovidas por doses de vodka com o CEO, os beijos furtivos do TI com a garota do financeiro, ou o ragatanga sem camisa do gerente de vendas. Ahhh, nada como uma meta que envolva copos de tequila para incentivar uma equipe.

Festa da firma é dia de maldade. Dia de lavar roupa suja sobre aquele e-mail esquentadinho que a gente engoliu durante o ano, mas que com três champanhotas na cabeça vira motivo para queda de braço com o colega de ilha. Dia de dar com a língua nos dentes sobre as fofocas da festa da firma do ano passado. De contar o apelido do chefe para o chefe.

Festa da firma é suprassumo das temáticas. Dia de vestir a fantasia, realizar uma, dia de travestir o ego. Festa da firma é dia de pintar o rosto, pintar o sete. De sair do armário do pré-julgamento. De reparar como o cara do jurídico fica lindo fora do terno e usando All Star, ou como a sua coordenadora fica sexy de cabelos soltos.

Festa da firma é dia de dar moral para o gato do RH, de tomar coragem de dizer pro mina de projetos que você gosta mais dela do que dos post-its que vive pedindo emprestado. Dia de lembrar que onde se faz o pão não se come a carne, e de esquecer da regra depois de dançar Wando juntinho.

De rebolar a bunda como se não houvesse amanhã ao som de Anitta, e cantar 50 Reais no alto dos pulmões como se fosse a dona da história, e de promover a histeria coletiva tocando Evidências. “E nesta louuuuucura, de dizer que não te queeeeero…”. Dia de fazer trenzinho segurando na cintura do coleguinha. Dia de cair tombo no salão, ora quem nunca?

Festa da firma é momento de fazer discurso dizendo o que pensa, mas que talvez não devesse falar. “Chupaaaaa departamento X!”. Dia de roubar o microfone e cantar desafinado. De tirar fotos que vai se arrepender depois, de mandar nude sem querer para  o grupo de trabalho e de acordar com uma tremenda ressaca física, e uma descomunal ressaca moral. Festa da firma é o M da merda, ainda que todo mundo se diga profissional. É o mal necessário do encerramento de ciclo. E pauta para o resto do ano, ou pelo menos assunto até a próxima festa da firma.

Aliás, haja segunda-feira para tanta festa da firma.


Fim da sessão.

PS: queria aproveitar e pedir desculpas para os meus colegas que receberam o nude que mandei ontem. Era para ser só para o Paulinho da TI, foi mal!

Palavras-Chave

14 de dezembro de 2016

20 de dezembro de 2016

SESSÕES RELACIONADAS
Querida decepção, obrigada

18 de agosto de 2019

Respeita meus cabelos brancos

12 de agosto de 2019

Memória seletiva

11 de junho de 2019

2 Comments
  1. Responder

    valentinamc

    16 de dezembro de 2016

    hahahahaha muito bom!

  2. Responder

    Veruska

    16 de dezembro de 2016

    Adorei!

DEIXE UM COMENTÁRIO

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Aline Mazzocchi
No divã e pelo mundo

De batismo, sim, Aline. Mas eu precisei do codinome Antônia - do latim "de valor inestimável" - para dividir minhas sessões públicas de escrita-terapia. O que divido aqui é o melhor e o pior de mim, tudo que aprendi no divã e botando o pé na estrada. Não para que dizer como você deve ver a vida. Mas para que essa eterna busca pelo auto-conhecimento, não seja uma jornada solitária, ainda que pessoal e intransferível. Então fique a vontade pra dividir o divã e algumas boas histórias comigo. contato@antonianodiva.com.br

SESSÕES NO SEU E-MAIL
PESQUISE AQUI