todo mundo virou um avatar
Crônicas

Todo mundo virou um avatar

em
7 de outubro de 2020

A minha amiga Amanda é conhecida e reconhecida por uma pinta que ela tem em cima da boca. Sempre que alguém vai falar dela, e por algum motivo esquece o nome, refere-se ao sinal tão particular que ela tem: “aquela tua amiga linda da pinta na boca”. Não tem como errar. A pinta é uma das coisas lindas da Amanda, que, diga-se de passagem, é toda linda. Uma dia, conversando com o ex namorado dela, o elemento sugeriu ela emagrecesse, submetendo-se a uma cirurgia. Eu fiquei tão possuída com o comentário, que me peguei gritando com a Amanda, para que ela jamais voltasse a abrir espaço para alguém tão desconectado da beleza dela. 

Não é nenhuma novidade aqui neste divã, as minhas ressalvas sobre auto-imagem. Já comentei aqui que Não sou geração Pugliesi, já falei sobre as curvas do meu corpo, e em vezes mais doloridas, discuti de forma chorada que O meu irmão gordo não cabia neste mundo. Esse assunto é sempre difícil, não apenas sobre o meu corpo, mas também porque parte da despedida do meu irmão tem a ver com a dor de estar fora dos padrões estéticos. Aliás uma dificuldade dele, minha, e talvez também sua. A gente fala tanto de saúde mental, que por vezes esquece o quanto a pressão do corpo, muitas vezes fode com a nossa cabeça. Com as nossas relações profissionais, sexuais e a forma como nos apresentamos para o mundo.

E eu sempre me pergunto, qual é o preço certo a se pagar para pertencer ao padrãozinho?

Nesta semana, durante o meu trabalho com conteúdo de redes sociais, tive que fazer vários ajustes em perfis de medicina veterinária, em razão de uma normativa que pauta a ética da propaganda, no compartilhamento de procedimentos cirúrgicos em animais. E a tarefa me fez pensar. Isso porque diariamente no meu Instagram, médicos e profissionais da saúde compartilham os novos procedimentos da moda para os humanos, assim, sem nenhuma cerimônia. Um preenchimento de lábios aqui, uma aplicação de botox ali. Litros de silicone pra dentro e de gordura pra fora na ponta de um bisturi. E enquanto eu me ocupava com a ética do Conselho de Medicina Veterinária, eu me perguntava: onde andava o mesmo pulso firme na publicidade da medicina humana?

Eu percebi então que a diferença é hoje, fazer um “antes e depois” de um câncer de mana em uma cadelinha para o #OutubroRosaPet, está mais na berlinda, do que o “antes e depois” do aumento de seios de uma gatona.

Mas afinal, saúde e medicina se vende? 

Sim, se vende. 

Certa vez conversava em um bar com uma cadeirante tetraplégica sobre células tronco (eu sou dessas que discute de tudo em um bar), e ela me contava que muito da medicina humana não evoluir nesta área de pesquisa, era porque ela não era tão lucrativa quando a medicina estética. Claro, gente. Ninguém aqui sobrevive de amor. No mundo capitalista, boleto se paga com dinheiro, e não mudando a vida das pessoas. Basta pensar que enquanto 4% do mundo (percentagem meramente ilustrativa) precisa regenerar uma coluna, possivelmente metade dele quer um silicone mais durável e durinho. No final é tudo dinheiro. A demanda é quem manda. 

Mas por que desta conversa hoje? Por que eu sou contra o silicone e a cirurgia? Claro que não! Entretanto precisamos admitir que parte da ditadura da imagem é celebrada por cada um de nós, todos os dias, com atitudes bem menos dramáticas do que entrar na faca. Seja nos filtros do Instagram, seja com os apps de “correção de fotos”, seja no desejo de “harmonizar” o que Deus nos deu, destacando a mandíbula, ajustando o nariz, construindo uma sociedade onde estamos ficando cada vez mais parecidos. Não é a toa que a gente adora um avatar. É um sentimento bom pertencer a tendência de mercado. Estar na moda. Todo mundo quer se sentir lindo, curtido e compartilhado.

A pergunta sempre é: a que preço?

Eu também quero perder uns 20 quilos da minha carcaça. Eu nem sempre gosto da papada que fico nas fotos. Mas ao mesmo tempo o meu nariz é a coisa mais perfeita que meus pais já fizeram, e eu não troco as taturanas que tenho acima dos olhos por nenhuma reconstrução de sobrancelha. Ou seja, talvez antes de planejar mudanças – onde cada um tem o direito de fazer o que bem entende com a própria cara e corpo – a gente devesse tirar um tempinho para celebrar as nossas individualidades. Tipo a pinta linda da Amanda. Harmonizar não quer dizer virar linha de produção de um bisturi. Harmonizar quer dizer “entrar em harmonia”.  Porque daqui a pouco, a gente já não se reconhece mais. Vai ser tipo Henry Ford dizendo – “você pode escolher qualquer modelo, desde que seja preto”. “Você poder ser quem quiser, contanto que magro, branco, lisa, peituda, bunda na nuca, maxilar definido” – porque seguimos perpetuando a ideia de que apenas isso é bonito. 

Bonito é ser feliz no meio das imperfeições. Ou seguiremos vivendo na cultura da aparência, que como diria Galeno, prefere a embalagem ao conteúdo. 

Fim da sessão. 

Palavras-Chave
SESSÕES RELACIONADAS
1 Comentário
  1. Responder

    Marilda

    11 de outubro de 2020

    Amiga, sempre leio tuas cartas. Hoje resolvi te escrever, pq acho injustiça não falar….sou mais velha que vc, quase o dobro da tua idade ,experiência conta um tiquinho.
    Está embutido no cérebro dos homens especialmente. O que eh sexy ou não, e não todos, mas maioria gostam de mulheres magras. Injusto eu sei, pq … isto só não diz se eh uma pessoa boa, inteligente etc. Mas eh como somos vistas por eles, material pra brincar,
    E outro fator hoje em dia tb importante: idade!
    Estamos na era dos remédios para homens serem mais potentes na cama, então podes olhar a tua volta, a quantidade de homens velhos com meninas mais novas!
    E quantos outros, separaram depois de 20 ou mais anos de casados ,para ir com uma mulher mais jovem!
    Concordo contigo, sigo tua parada, entendo teu grito…. mas eh isto que vivemos hoje em dia.
    Não só jovens como você mas mulheres mais velhas, que gostariam de ter uma companhia para jantar ou viajar, e não aparece ninguém.
    E não sou velha antiga, me acho “ cool”. Adoro dançar, viajo muito, ando de bicicleta aos montes…. e só me acompanha amigas ou primas!
    A verdade eh, sorry about that, quanto mais velhas fica, mais sozinha vaisestar. Amigos mudam se ou morrem, família mesma coisa…
    Não eh fácil, meu amor, desejo a você, tudo de bom…

DEIXE UM COMENTÁRIO

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Aline Mazzocchi
No divã e pelo mundo

De batismo, sim, Aline. Mas eu precisei do codinome Antônia - do latim "de valor inestimável" - para dividir minhas sessões públicas de escrita-terapia. O que divido aqui é o melhor e o pior de mim, tudo que aprendi no divã e botando o pé na estrada. Não para que dizer como você deve ver a vida. Mas para que essa eterna busca pelo auto-conhecimento, não seja uma jornada solitária, ainda que pessoal e intransferível. Então fique a vontade pra dividir o divã e algumas boas histórias comigo. contato@antonianodiva.com.br

PESQUISE AQUI