O que a gente ganha, quando a gente perde

Ontem à noite eu trabalhei até tarde, e decidi não dormi na cama com meu namorado. Ele tem o sono leve, acorda às 6h da manhã, e fazer minha rotina pré-cama poderia acordá-lo. Na última vez que fiz isso ele perdeu o sono, e não foi legal. Então às 3h da madrugada quando terminei minhas Leia mais… »

Meu tempo não é pra qualquer um

Esse ano uma chave poderosa virou pra mim. Ou seria um ponteiro? Eu passei a perceber o tempo como o único recurso da minha vida que eu não posso mais desperdiçar. Veja, eu posso desperdiçar dinheiro, se assim quiser, caso tenha determinação e meios para fazer mais dinheiro. Eu posso desperdiçar chances, se eu souber Leia mais… »

Sobre luto e luta

Hoje é aniversário do meu irmão. E não importa quanto planejamento emocional e espiritual a gente faça, nunca se está preparado para viver um dia em que a saudade grita tanto. Onde a dor pede passagem. Luto e luta convivem, nunca separadamente. É preciso ter coragem pra encarar o luto. Mais ainda para conseguir seguir Leia mais… »

Mulher pra cacete, opa, mulher pra vagina! 

Eu queria ter escrito uma sessão do dia das mulheres, mas eu me atrasei nas minhas tarefas. Sim, porque meus sogros estão vindo visitar pela primeira vez a nossa casa, e eu queria que tudo estivesse impecável. Meu namorado disse “ai, não se estressa com isso”, mas eu só pensava nos cantos sujos que precisavam Leia mais… »

Relacionamento raiz, não Nutella

  Quem olha as contas de Instagram do seu casal preferido, não imagina o que rola na vida de duas pessoas quando não existe a possibilidade de filtro. Quem olha as minhas fotos com meu namorado, só percebe o tom lindo de verde dos olhos dele somado ao carinho no olhar. Não sabe que ele Leia mais… »

As lágrimas da minha mãe

Pouca coisa me tira do prumo como as lágrimas da minha mãe. Eu poderia lidar com o equivalente de água de um tsunami, mas Deus me proteja de duas gotas que caiam daqueles olhos verdes.   Sempre foi assim. Mesmo quando nossas dores eram menores, e menos definitivas. As lágrimas da minha mãe eram um Leia mais… »

Ser visto ou ser relevante?

A internet realmente empoderou as massas. Sim, ela jogou na mão do mainstream a possibilidade de lançar as suas ideias no mundo, coisa que antes era dominado pura e simplesmente por grandes veículos de comunicação. Hoje somos todos formadores de opinião, aliás, desculpe-me, não somos… isso já é passado, hoje somos todos digital influencers. E a cultura Leia mais… »

Quando nasce uma irmã

Dizem que quando nasce um bebê, nasce também uma mãe e um pai. Pouca gente comenta, entretanto, que quando nasce um bebê também nasce uma irmã ou um irmão. Eu nasci irmã no dia 15 de março, quando o Leonardo estreou neste mundo. Na verdade o nascimento do Léo é a primeira lembrança que tenho Leia mais… »

Das cinzas

Da quarta-feira de cinzas, eis que surge um ano novo. Porque vamos combinar que desde que Brasil é o país do carnaval, a gente precisa ver a Mangueira entrar pra assumir que o ano começou. E eu notei que o ano de fato virou ano, porque tá cheio de gente perguntando como que tira purpurina Leia mais… »

A amiga louca

Eu tenho uma amiga muito louca. Ela é aquela que nunca dispensa uma festa e uma cachaça. Adora falar alto, e ri mais alto ainda. É do tipo de gente que quando chega num ambiente nunca passa desapercebida. Não é nada discreta. Se ela bota purpurina, derrama o pote todo no corpo. Se ela torce Leia mais… »