Carimbo

5 razões para viajar | Vai para o Mundo

em
16 de março de 2017

A grande maioria das pessoas que viaja por diversão, pouco se dá conta de que o ato de viajar é também um aprendizado intenso sobre o mundo, e o melhor, sobre você. A convite do blog Vai para o Mundo, e também para provar minha teoria, listei abaixo 5 razões para você botar a mochila nas costas, e seguir direto para essa escola chamada mundo:

1) Planejamento de projeto de curto, médio e longo prazo

Viajar exige um planejamento que vai desde destino, acomodações e métodos de deslocamento, até um estudo financeiro otimizado de um projeto que pode durar duas semanas, ou até um ano de volta ao mundo. Esse plano ajuda viajantes a calibrar expectativas, prever riscos e ter planos de contenção de crises. Cria hábitos saudáveis de autoproteção. Desenvolve a comunicação e poder de resolver problemas. Talvez a lição não fique tão óbvia porque você está se divertindo, mas o aprendizado começa antes de você sair de casa.

2) Conhecimento íntimo de novas culturas

Esse ponto é vendido como o bom e velho clichê de conhecer o mundo fora dos livros, mas é de fato uma boa oportunidade de entender questões sócio-políticas do mundo. Em sociedades que a globalização ganha cada vez mais velocidade, entender como novas culturas funcionam, vivenciando-as, pode ajudar você a entender o que acontece e porque acontece além das fronteiras do seu quadrado. Ajuda a formar opiniões com base em experiências, mais do que o que a mídia diz através da sua televisão ou redes sociais.

3) Acesso a novas fontes de inspiração

Viajar sempre fomenta a inquietude existente dentro de todos nós. O fato de sair do nosso lugar seguro, provoca todo tipo de criatividade que estava lá, guardadinho num lugar escuro do nosso inconsciente. Viajar é fonte interminável de inputs criativos, seja através da arte, da arquitetura, da música, e por aí vai. Não é a toa que grandes ideias e projetos surgem depois de uma viagem. Quer inspirar-se? Caia agora no mundo.

4) Renovação da fé

Ok, ok. Mesmo que você não seja religioso(a), entenda que viajar é um ótimo exercício de renovar a fé nas pessoas. Sim, porque ser viajante é constantemente encarar perrengues, e não existe nada mais gratificante que encontrar ajuda em um estranho cheio de boas intenções. Então se não for para renovar a sua fé através de uma visita a uma igreja linda, um templo budista inspirador, ou conhecendo uma curandeira de uma tribo, viajar pode ser uma boa pedida para botar fé na humanidade. Afinal, nestes momentos a gente percebe a divindade do outro que estende a mão. E isso nos torna mais humanos, e mais divinos.

5) Reconexão com você

Não existe verdade mais permanente entre viajantes de que viajar é conhecer o mundo, e talvez a melhor forma de conhecer seus limites pessoais, sua essência. É uma terapia de choque. É você com você mesmo, na alegria da descoberta de uma nova praia, ou na tristeza de ter as malas extraviadas. É a prova viva da sua adaptabilidade, do seu poder de superação. E é sem duvidas, uma gentil oportunidade de se apaixonar por você. E viciar nesse encontro – de você com o mundo, mas também, de você com você mesmo.

Convenceu-se a pegar a estrada? Bom, se estas 5 razões não forem suficientes para encarar a aventura, viaje porque é bom. Porque é divertido. Viaje porque você merece. E porque visitar e viver o mundo lá fora, pode fazer maravilhas com seus limites e as fronteiras de dentro.

Viaje! Vai para o mundo.

Fim da sessão.

  • Essa sessão foi escrita especialmente para o blog Vai para o Mundo, um projeto querido das minhas amigas Gabriela Brunelli, Gabriela Sarturi e Amanda Schenkel que como eu, são viajantes de carteirinha.  Confere lá!
Palavras-Chave

14 de março de 2017

21 de março de 2017

SESSÕES RELACIONADAS
A vida exige faxina

9 de janeiro de 2018

Saudade faz bem

6 de novembro de 2017

Viajar é um estado de constante encardimento

19 de outubro de 2017

DEIXE UM COMENTÁRIO

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Aline Mazzocchi
No divã e pelo mundo

De batismo, sim, Aline. Mas eu precisei do codinome Antônia - do latim "de valor inestimável" - para dividir minhas sessões públicas de escrita-terapia. O que divido aqui é o melhor e o pior de mim, tudo que aprendi no divã e botando o pé na estrada. Não para que dizer como você deve ver a vida. Mas para que essa eterna busca pelo auto-conhecimento, não seja uma jornada solitária, ainda que pessoal e intransferível. Então fique a vontade pra dividir o divã e algumas boas histórias comigo. contato@antonianodiva.com.br

SESSÕES NO SEU E-MAIL
PESQUISE AQUI