A filha de alguém

Quando eu tinha uns 9 anos, o meu primo de 14 me fez sentar no colo dele. Ele me disse que era a nossa brincadeira secreta, um “futebol humano”, jogo em que eu era a bola, e ele me segurava sentada bem em cima da cintura dele, antes de me lançar para frente como um Leia mais… »

O abraço do meu pai

É difícil chegar à vida adulta e não deparar-se com algumas características pessoais herdadas de nossos pais. Depois de anos de terapia dei-me conta que a maioria das discussões que explodiam entre meu pai e eu, eram acionadas pelas falhas que dividíamos.  Passado um tempo me analisando, comecei a entender que as nossas farpas, eram Leia mais… »

A cultura é importante? | Coisa de Antônia

Hoje o papo do ATL Girls da Rede Atlântida é cultura. Clica nesta carinha linda e vai lá fazer arte!

Wish you were here

Acordei inquieta. Não sabia o motivo. Abri gavetas procurando contas para pagar que estivessem vencidas. Procurei na minha cartela alguma pílula que tivesse esquecido. Revisei emails e mensagens que poderia não ter respondido. Nada. Sentei na minha ilha de escritório, aquela tão isolada do que eu realmente gostaria de estar fazendo, e decidi tocar meu Leia mais… »

Ser Visto Vs Ser Relevante | Coisa de Antônia

Vou sair pelada na rua hoje. E lá no ATL Girls da Rede Atlântida eu te explico porque. Clique na imagem e pula pra lá:

O que eu quero

Depois de um tempo lidando com o passado das nossas relações, é impossível não colecionar uma lista daquilo que a gente quer evitar no futuro. E a tendência é começarmos a ficar com a casca mais grossa e um pouco mais intolerante com os desconfortos naturais causados por novos pretendentes. O que eu não quero Leia mais… »

Minha mãe nunca me deixou andar sozinha | Coisa de Antônia

Há uma semana, em um jogo do campeonato Holandês, a torcida do Go Ahead Eagles prestou uma homenagem ao goleiro Jelle ten Rouwelaar do time adversário NAC Breda. Aos 61 minutos do jogo, a torcida inteira colocou-se de pé e homenageou a mãe do goleiro, que partiu aos 61 anos, cantando a música You’ll Never Leia mais… »

O que aprendi com a maternidade, mesmo sem ser mãe

É impossível adentrar o mês de maio sem pensar nelas. Maternidade, entretanto, é um tema recorrente aqui no divã, uma vez que falo com frequência sobre a minha relação com a minha mãe e suas contribuições na edificação da minha personalidade. O meu pai sempre colaborou muito, é claro – mas a minha mãe é Leia mais… »