Respira, não pira.

No começo de tudo, eu não escolhi deitar num divã. Não mesmo. Eu me vi obrigada a deitar nele. Sim, obrigada. Até porque ninguém acorda no auge dos 20 anos e decide “quero me analisar”– sendo esta a idade em que acreditamos saber basicamente de tudo. Pois eu só virei Antônia no Divã porque precisei muito. Leia mais… »

Vá tomar banho

Não sei o que acontece. Qual o poder mágico das gotículas de água nos seus ombros.  Sei que banho foi resignificado desde o dia que você entrou no meu box. Banho sabe? Aquela coisa cotidiana, básica e quase que automática que eu faço a minha vida inteira. A ideia era entrar e sair, com o Leia mais… »

Intolerante a borboletas

Sabe aquele momento que você se dá conta que começou a gostar de alguém novo e sua barriga se enche de borboletas? Aquela sensação de não pertencer completamente a você mesmo? De tremelicar quando o telefone toca? Ou ter uma mini-taquicardia com o interfone? Sabe aquela fase de se pegar constantemente relembrando momentos fofos? Pois então. Leia mais… »

Minha mãe para presidente

Dentre as pessoas que conheci no meu mochilão pela Europa, uma mexeu profundamente comigo. O nome dela era Alisson, e entre uma cerveja e outra em um hostel em Roma, ela me contou que estava de férias do trabalho voluntário. A causa do trabalho voluntário dela foi o que me surpreendeu. A Alisson era parte Leia mais… »

A ditadura da prole perfeita – uma ode às mães

Há mais ou menos quatro anos atrás, um dos grandes motivos que me fez retornar das longínquas terras da Rainha para o Brasil foi a notícia de que minha mãe ia virar mãe. De novo. E de dois. Eu, que não concebia a ideia de acompanhar a vida dos gêmeos pelo Skype, não pensei duas vezes Leia mais… »