10 coisas que eu odeio em você

A primeira vez que vi o filme “10 Coisas Que Eu Odeio Em Você”, dei-me conta de que o longa-metragem não era apenas a versão hollywoodiana da obra de Shakespeare de “A Megera Domada”. A obra era também muito de como eu via a minha própria vida fora das telas. Kat, uma das protagonistas, é aquela rebelde bacanona que todo mundo quer ser, com senso de humor sarcástico, eloquência felina e um desinteresse pelo óbvio. Eu me vi nela no primeiro ato/cena. Assim como ela, me enxergava como uma garota com gosto pela escrita, com uma confiança que às vezes era confundida com arrogância, pouquíssima paciência para papo furado, e um coração molenga disfarçado por trás de um nariz empinado. (E minha mestria em dramas shakespearianos, claro!).

Além da semelhança na atitude, Kat e eu dividíamos um fraco por caras marrentos com incontestável talento para a malandragem. Mesmo que contando com certo senso crítico para quase tudo, eu, como Kat, sempre escorreguei na marra alheia, como quem se esborracha numa casca de banana. Mas com o tempo e alguma experiência, aprendi que não era qualquer malandro que me pegava ou qualquer mentira que me enrolava. Bom, isso era o que eu pensava até você chegar.

Não era um Heath Ledger em seus coturnos juvenis, mas arrancava alguns suspiros de menina por onde passava. Eu prometi que não ia me dobrar aos teus discursos de promessas fáceis e teu charme irritantemente irresistível. E quando achei que alguma parte de mim já tinha azedado para o romance, me surpreendi ao ver a megera aqui domada muito mais fácil do que previ. Bastou um saco de pinhão (coisa do sul), meia dúzia de chamegos e algumas manhãs divididas. Pronto! E há quem diga que eu sou difícil de me apegar.

Entre suspiros e pirraças eu me aventurei por onde tinha prometido não ir tão cedo. Acostumei-me com tua presença e provei teu gosto incontáveis vezes, até preferir você à sorvete. E eu adoro sorvete. Escrevi-te mil versos, entre borboletas, banhos, roncos e todas as recaídas entre o “dar certo” e os nossos finais. Guardei tuas e minhas mentiras junto das lágrimas que prometi não derramar na frente de ninguém. Evitei teus caminhos buscando proteção, mas como evitar o algoritmo da vida sempre tão randômico? E foi voltando a te encarar, que assim como a megera Kat do filme, eu fiz a minha lista. A lista das 10 coisas que eu odeio em você.

Eu odeio o jeito como você me deixa vulnerável, caindo por terra toda essa persona confiante que eu demorei meses para construir. Que para você um simples toque no braço, não significa o tremelicar de um corpo inteiro. Que olhares não instiguem pequenas erupções dentro do peito, remexendo em tudo o que já foi, e o que eu não quero mais que seja. É difícil acalmar um vulcão.

Odeio esse teu jeito relaxado de quem está com a vida ganha, de quem sempre dorme bem à noite e de quem não nutre nenhuma paranoia. Eu pareço louca perto de você, sim, porque eu tinha todo um plano pra ficar de boa na tua presença, mas eu não vim com o kit “be cool” de fábrica. Você sim veio com o kit, o teu e o meu provavelmente, porque tenho impressão que cada passo seu tem a leveza de um passeio no parque, enquanto eu sou perita em pisar em ovos.

Odeio que você desafia cada um dos meus argumentos, e me questiona com a precisão de um investigador de sobrenome Holmes. Não se intimida por mais que eu fale grosso, use as minhas doses cavalares de veneno ou desista de tudo e faça beiço. Você segue com seu discurso que tem tudo que eu quero ouvir, e nada do que devia querer lembrar. Minha fala fica completamente limitada, e minhas justificativas são tão profundas quando o balbuciar de um bebê. Nessas horas me pergunto onde fica o meu lado escritora para te reescrever mudo, me ouvindo tendo razão sem você contestar?

Odeio como teu cheio é sempre bom e fica grudado em mim ao menor contato com a minha pele. Fico com raiva do meu perfume que, como eu, se rende facilmente à tua intervenção. Parece que nada que é meu é pareô para o que tu trazes pra mesa. E eu odeio perder. Meu orgulho fica muito magoado.

Odeio a tua intimidade comigo, servindo o meu copo, cutucando a minha cintura ou falando da minha vida como quem já me sacou inteirinha. Eu tenho raiva de como você conhece (ou acha que conhece) o meu enredo. Mas pior ainda, eu odeio a forma como eu fico previsível perto de ti, ainda que tenha ensaiado sacadas diferentes e novos passos para usar nesse nosso tango argentino.

Odeio quando tu olhas nos meus olhos com a petulância de quem entra na minha cabeça sem pedir licença. Eu te evito, encaro os teus pés e conto as voltas dos teus cadarços, as pontas duplas do meu cabelo, ou finjo brincar com o copo de cerveja para não ter que te encarar. Não sei o que pode acontecer se eu te encarar, e nem quero saber. Onde se toma vacina pra essa porra que você me causa?

Odeio tuas conversas fáceis, promessas rasas e alegações duvidosas. E de como tu enfeita a tua fala com doçuras de um passado que eu levei meses para sufocar.  Odeio como eu queria acreditar na tua história, como quem acredita na fada do dente ou no monstro do lago Ness. Odeio como tu te ofendes que eu não acredito em ti, ainda que nenhuma das tuas atitudes combine com as firulas que caem da tua boa.

Odeio a tua boca. Na verdade odeio o conjunto dos teus olhos com a tua boca. Especialmente quando sorriem. Eles formam aquele pacote de sorriso + olhos fechadinhos que eu odeio tanto quanto amo. Mas na tua cara eu odeio. Parece que eles compactuam um complô, isso sim. Um convite como quem diz, “entre neste universo, você vai se ferrar, mas pelo menos o convite é lindo”. Lindo tanto quanto o gelo que eu ei de levar dias depois, quando você mudar de ideia mais uma vez, e cansar de sorrir para mim. Ei garoto, nem comece, você está proibido de sorrir pra mim, ouviu?

Odeio que tu nega que foram falsas promessas, e que a gente deveria se ver mais, conversar mais, enquanto tudo que eu penso é menos, menos deste teu sorriso, das promessas, menos de você. Menos de nós dois, a gente é tão passado neste presente. E ainda assim, cá estou, escrevendo meus versos mais uma vez, para quem eu duvido ter guardado uma sílaba minha. Que dirá um verbo conjugado no futuro com sujeito no plural. Quem sabe você seja apenas estímulo mesmo, tipo uma entidade da mitologia grega, que tem como única intenção inspirar (versos, sentimentos, paranoias, confusões). Talvez você tenha sido/seja o meu “Erato“, ao invés de amor. E fui eu, a artista, que confundiu tudo.

Eu sei que essa história nunca vai acabar com você cantando “Can’t Take My Eyes Off You” na frente de todo mundo, enquanto eu fico corada e assumo que sou tímida. Sei que tu não é do tipo de malandro que se redime (aliás, não se fazem mais malandros como antigamente). Mas algo entre nós acaba como no filme. Essa nossa história termina do mesmo jeito que o poema de redenção da megera domada.

O que eu mais odeio em você, entre todas as coisas e sem sombra de dúvidas, é o fato de não conseguir te odiar. 

Quanto a isso, eu não te perdoo.


Fim da sessão

5 ideias sobre “10 coisas que eu odeio em você”

  1. Antônia….estava com saudades de te ler! Na correia do dia a dia….vou guardando os seus posts em uma pastinha especial, para ler quando sobrar tempo…mas esse eu não resisti…Como sempre…livre, leve e solto….Adoro como vc escreve! Parabéns.

    1. Hahahah. “O que eu mais odeio em você, é o fato de não conseguir te odiar.” Nem é alvo de tanto, viu? E aqui é a único lugar que não tem réplica, é tudo meu e eu posso mentir, aumentar ou comentar o quanto “eu querê”. <3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *