Valores opostos

Eu escrevo esse texto a poucas badaladas de mais um aniversário, e não sei vocês, mas eu adoro fazer aniversário. Gosto do aniversário porque é um dia para ser lembrada pelas pessoas que amo, dia de receber abraços gostosos e de ver como as pessoas reconhecem, que caso você não tivesse nascido, talvez suas vidas Leia mais… »

Alô, é do céu?

mediunidadeA comunicação sempre foi uma necessidade intrínseca a raça humana. Não importa se através de barulho de tambores ou áudios de whatsapp. Somos seres sociais, e nos expressamos através da comunicação. É com ela que expomos nossas ideias, verbalizamos nossas angústias, demonstramos nosso afeto. Não existe nada mais reconfortante do que uma ligação para a Leia mais… »

Saudade faz bem

Eu aprendi a diferença que a saudade faz nas relações através de uma comparação bem simples. Eu como irmã mais velha de três garotos, sempre fui muito dedicada ao tempo com a família. Ainda mais tratando dos dois irmãos pequenos, que na idade de 4 aninhos já cultivavam alguma memória. Por conta do registro que Leia mais… »

Adeus, tchau e até logo

Escrevo essa sessão de um lugar que gosto mais que um bom divã. Um aeroporto. O dia não amanheceu ainda, mas o meu pânico de perder um voo por conta do trânsito, me trouxe ao aeroporto Internacional de Guarulhos um pouco depois das 4h da manhã. Munida de um café hiperinflacionado, eu observo a movimentação Leia mais… »

Irmão é…

Ouvi dizer em algum lugar que a nossa construção é formada pela média das cinco pessoas com quem nos relacionamos. Lembro que o estudo provava por A+B que a nossa personalidade era a massa liquidificada dos nossos pais, irmãos, amigos, amores, na mesma proporção. Apesar de ser um estudo bem fundamentado, eu tive certeza que Leia mais… »

A vida perfeita

Ontem me peguei chorando pela rua. O vento bagunçava meus cabelos, as folhas das arvores chacoalhavam como percussão musicando o meu caminho. E como em raras oportunidades (e que sem CNH, futuramente nem tão raras) voltava a pé do trem, e passei pela cobertura dourada – palco de tantas das nossas estripulias – de onde Leia mais… »

Meu primeiro amor

Nesta semana em que celebramos o dia da criança, me doeu ver a infância lá de casa ser ameaçada pelas decepções envolvidas com a dura arte de crescer. O Murilo foi encontrado às lágrimas pela minha mãe na volta da escola. O motivo era dos mais nobres: ele tivera o coração partido. Após o que Leia mais… »

A garota do lenço na cabeça | Coisa de Antônia

Talvez porque nos últimos dias eu esteja mais sensível, ou mesmo por uma coincidência improvável, esta semana também me fez relembrar de outra história de amor e despedida. Promovida pela saudade ou mesmo pelo início do Outubro Rosa, lembramos na Rede Atlântida através do ATL Girls a história da Duda, uma guerreira de carne, osso Leia mais… »

365 dias sem você

Eu prometi para mim que não contaria os dias da tua ausência. Mas essa foi mais uma das vezes que me enganei para poder sobreviver a nossa separação. Como uma dependente química em recuperação. “Hoje eu sobrevivi mais um dia sem meu irmão”. Fato é que eu contei cada um dos dias desde a tua Leia mais… »

Vai ficar tudo bem, pai.

É engraçado que quando somos crianças nós não percebemos que as nossas brincadeiras e joguinhos, instintivamente nos preparam para sobreviver à vida adulta. Brincar de casinha, nos dá pequenas noções de sermos responsáveis por um espaço, ou quando brincamos de carrinho, imaginamos como manusear um veículo com cuidado, assim como bonecas e bonecos nos fazem Leia mais… »