Arquivo da tag: carinho

Socorro: tem alguém dormindo na minha cama

Dividir a cama com alguém, sempre foi tabu pra mim. Ok deixe-me reformular esta frase. Dividir a cama para dormir com alguém, sempre foi tabu pra mim. Eu não tenho tantos problemas em dividir a cama para ficar acordada (ui, adoro!). Mas perceba que sexo – por vezes – pode ser pura e simplesmente um ato de prazer. Dormir junto, no entanto, é um ato de intimidade. E é aí que eu me atrapalho.

Eu simplesmente odeio dividir a cama. Pergunte as minhas amigas sobre nossos inúmeros verões na praia. Eu sou a primeira a me atirar num colchão no chão, contanto que não tenha que dividi-lo com ninguém. Note, eu me mexo pra caralho, fico horas futricando no celular antes de dormir, sou fumante e sensível ao cheiro (que sei que não agrada ninguém) e ronco. Jesus amado, como ronco. Botaram uma britadeira no lugar do meu sistema respiratório, só pode. Além disso, acordar perto de mim é uma atividade de alto risco. Sou daquelas que acha que deveria ser ilegal conversar com as pessoas antes do primeiro café.

Sendo assim, e considerando os meus anos de solteira, confesso que já virei muita noite em claro, pela simples inabilidade de relaxar e adormecer do lado de alguém.

Acontece que há algumas semanas, socorro, tem alguém dormindo na minha cama. Ok, pretensão a minha dizer isso. Mais sinceramente, tem alguém dormindo na cama dele. Ou não dormindo, no caso. Eu. Nas primeiras noites, o desconforto bem conhecido. A busca eterna por uma posição de conforto, horas encarando o teto, o malabarismo a lá Cirque Du Solei para tirar um cotovelo enorme de cima da minha teta e a tentativa ridícula de parecer linda ao acordar. Que gastura!

Mas lá fui eu, tentar entender a mágica da tal da conchinha, tendo quase certeza que sou mesmo é um ouriço de pijama. Eu não sei onde enfiar meus braços. Fico desconfortável pra ir ao banheiro /tomar água/ir no banheiro de novo. Tenho medo que meus cabelos sufoquem meu companheiro de travesseiro. E sofro com nossos fusos incompatíveis.

Dormir acompanhado é muito cansativo pra mim. Até a bela noite em que eu – exausta – relaxei e dormi por algumas horas, apenas para despertar no meio de um peido, furtivo e sonoro, que me acordou num susto. Eu quis morrer. Espiei com um olho aberto e outro fechado por trás do meu travesseiro se a outra parte da cama reconheceria a intimidade inadequada do meu intestino grosso. Nada – ou dormia solenemente, ou me fez a cortesia de ignorar a minha vergonhosa sonoridade. Como se o ambiente não fosse turbulento sem a minha flatulência… Enfiei a cara no travesseiro e fingi dormir até o outro dia. O peido só podia ser o meu castigo por adormecer.

Acontece, no entanto, que a privação de sono também pode enlouquecer (e ninguém aqui precisa ficar mais louca né). Depois de uma semana inteira tentando controlar o incontrolável, eu cedi à trama intricada de dois pares de pernas disputando harmoniosamente o mesmo edredom. Eu continuei com a minha rotina maluca, e indisciplinada de nunca ter hora pra dormir, mas aprendi a me deitar mais cedo pelo genuíno prazer de me aquecer ao toque da pele de alguém que me abraça com carinho. Na contrapartida, ele – que é de rotina matinal pré-cantar-do-galo – passou a vestir-se no escuro para não me acordar e a me enrolar como um temaki no edredom sempre que não podia me entregar mais “cinco minutinhos” de carinho por conta do trabalho.

Eu larguei o cigarro (ainda que em análise) e passei a celebrar beijos matutinos antes de escovar os dentes – realidade que eu achava que existia somente nos filmes. Abri mão de tentar ficar bonita ao acordar, porque ele tem mania de tirar fotos minhas dormindo e manda-las no meio da manhã, com a legenda “linda” logo abaixo – e por Jeová, como não ficar feliz quando alguém enxerga beleza no meio de uma macega de cabelos embaraçados e remelas? Gosto quando preciso de um espaço e ele negocia “um pezinho pelo menos” que eu tenho que deixar a disposição para que ele se encoste. Ou de como entende que por vezes eu preciso testar o outro lado da cama, porque ainda não entendo muito bem essa coisa de “lado da cama”.

Adoro buscar a luz dos olhos dele antes de sair catando a luz da tela do celular. Ou de como eu me sinto uma idiota sorrindo ao vê-lo dormir, ainda que com o maldito cotovelo em cima da minha teta – mas perto o suficiente para que eu possa sentir o cheiro da sua respiração. Eu que me condenava uma rebelde da conchinha, entendi que nos lençóis certos vale a pena pegar num sono. E cultivar sonhos de horas mais longas na cama – fazendo não muito mais do que dormir agarrado, feito um coala.

Por falar em coala, aqui na Austrália já é hora de dormir. Que felicidade.


Fim da sessão.
ps: tenho certeza que ele ouviu o meu peido

Preciso de um amor pra velhice

Preciso de um amor pra velhice

Eu nunca me vi tendo a necessidade de um relacionamento. Sabe, eu gosto de enrolar meus pés em alguém querido embaixo das cobertas. Amo beijos estalados. E adoro sexo com sentimento. Mas eu nunca pensei comigo “meu Deus, preciso de um relacionamento”. Eu preciso de dinheiro na minha conta. Preciso baixar meus triglicerídeos. Preciso trocar o óleo do meu carro. Ou seja, eu não preciiiiiso de amor. Amor me parece muito mais uma escolha do que uma necessidade, concordam?

OK, talvez eu esteja sendo um pouquinho infame quanto a “não precisar” de um amor porque a minha idade ainda me permite algum desdém (ou certa infantilidade). Veja, eu ainda olho pra minha bunda no espelho e consigo me achar um tesão. Cuido da maioria dos meus perrengues com um pé nas costas. Adoro a minha companhia, e dificilmente me sinto sozinha. Minha família me quer (na maioria das vezes) por perto. E eu tenho uma pá de amigos que largariam tudo para tomar uma gelada comigo. E isso é muito legal, mas é também uma condição associada à juventude. Foi aí que pensei que amor e necessidade poderiam sim, estar relacionados, quando colocarmos o fator idade na equação.

Hoje me peguei catando conchinhas na beira da praia. Fui de manhã cedo quando o sol não estava tão forte. E porque segundo um amigo-aspirante-a-companheiro me disse, eu tinha que “movimentar a minha carcaça preguiçosa” para viver mais anos. E ele não podia estar mais certo. Enquanto eu escolhia as conchas de cores lindas com cautela, o rapaz de corpo atlético e olhos da cor do mar, caminhava alguns passos a frente, dando soquinhos no ar, simulando uma luta – como os garotos fazem, sabe? Ele aguardou com paciência eu pegar uma a uma das conchas que queria. E quando finalmente o alcancei no fim da praia, beijou a ponta do meu nariz e disse como eu ficava linda sob a luz do sol.

Foi ali que eu me dei conta de que em algum momento, eu vou sim precisar do amor de alguém. E não estou dizendo aqui que todo mundo precise. Mas eu vou precisar. Quando a minha bunda não for mais motivo de orgulho, eu quero que alguém ainda olhe pra ela com interesse – me convencendo de que a beleza da minha retaguarda, será por onde ela já sentou para olhar o nascer ou pousar do sol. Quero que alguém beije as minhas marcas de sorriso – aquelas injustamente chamadas de “pés de galinha” – e as aprecie por serem marcas da alegria de uma vida inteira. Quero alguém preocupado com meus triglicerídeos e com o óleo do meu carro, quando a minha memória tirar o melhor de mim.

Alguém que faça questão da minha companhia, quanto eu já não for mais tão independe, e meus filhos já não tiverem mais paciência para a minha rabugentice. Ou quando a maioria dos meus amigos já tiver partido para festa no andar de cima. Alguém que me ajude a achar meus óculos, quando os mesmos estiverem na cabeça.

Preciso de um amor pra velhice porque em algum momento da vida a gente precisa ser lembrada que valor não tem validade, que a beleza está além do colágeno e também porque já não serei tão jovem a ponto de achar que sei de tudo. Preciso de um amor pra velhice, pra fazer dela a melhor idade. Aliás, preciso e quero um amor pra velhice.

Nem que seja pra ver aquele belo sorriso e a aquela careca refletindo o sol, aguardando pacientemente, enquanto eu pego conchinhas na beira da praia.

Fim da sessão.

Ele é de câncer

Não sei o quanto a influência do cosmos interfere na relação das pessoas, mas nunca neguei a forte presença de aquário na maneira como eu levo a vida.

Já tive virginianos que ferraram com a minha estrutura, em compensação três das mulheres que mais amo e me toleram são do mesmo signo. O meu irmão e também melhor amigo era de peixes, o que fazia sentido já que ele – de peixes- e eu – de Aquário- nos completávamos. Ao contrário, é claro, de muito pisciano que eu já quis matar por viverem no mundo da lua. Ou seja, o horóscopo acerta e erra comigo o suficiente para que eu tenha as minhas dúvidas.

Mas ele é de câncer e acredita no poder das estrelas. Emotivo e intenso, disse que a culpa é do elemento água que rege sua personalidade. Ele me explica que eu sou elemento ar, mesmo sendo de Aquário, o que pra mim não faz sentido. Pouco de câncer faz sentido pra mim. Ele não disputa com a minha liderança como alguém de Leão faria, pois vaidade não é o negócio dele. Tem tantas perguntas sobre a vida quanto Libra, e a energia por metas e novidades como um Ariano. Ele é fiel como Touro, entretanto não gosta de ciúmes. Ele é de câncer, o que é uma incógnita pra mim.

Eu tento ler seus olhos claros, que ele jura que são verdes, mas que eu juro que ficam azuis quando ele está feliz. Talvez seja uma coisa de câncer ser camaleão, em que nem uma coisa óbvia como a descrição dos olhos é simples com ele. Gosta de atenção, e nisso eu culpo o signo – carma também dos meus irmãos gêmeos e de uma amiga manhosa que Londres me deu, todos cancerianos. Ele é de câncer e tem o coração brincalhão. Faz carinho numa hora, e na outra coloca um dedo lambido na sua orelha provando que quem é de câncer não envelhece. Finge retirar a pinta que eu tenho embaixo do lábio e coloca em algum ponto do próprio rosto, em meio à gargalhadas. Ele tem a inocência que alguém de Escorpião consideraria tolice, mas ele é de câncer, so he doesn’t care.

Ele é de câncer, e como todo canceriano, é caseiro e gosta de família. Mas ele admira a minha habilidade social e meu interesse constante pela muvuca, ainda que ele esteja longe de ser um ermitão. O caranguejo dele não apresenta riscos de me machucar, e eu não sei porque isso me atrai, já que eu sempre tive o dedo podre de escolher quem apresentasse a maior probabilidade de me magoar. É observador, e diz que eu sou linda assim que eu acordo, com o rímel que eu insisto em não tirar e que pela manhã me borra até a altura da minha bochecha. Diz que meu cabelo é sensacional, mesmo quando tenho a franja grudada na testa pelo suor provocado pelo calor do sol do meio-dia ou daquele que ele provoca a meia-noite. Ele é de câncer, e parece ser meio louco quando gosta das coisas que eu mais abomino em mim. Mas confesso que “linda” é um estado de espírito que me desperta sempre que o adjetivo cai da boca dele, seguido de um beijo demorado.

Ele é de câncer e sua sensibilidade por vezes beira o descontrole, por isso ele diz que eu sou racional. Logo eu, racional. A dona do divã. Mas eu invejo a sapequice dele e a crença que ele tem de que tudo sempre vai dar certo. Ou do encantamento de como ele olha o mundo. Prova a maturidade emocional dele quando respeita a minha rebeldia aquariana (leia “tolice aquariana”), quando ajo daquela forma de quem diz “eu não sou obrigada a nada”, e concorda que de fato eu não sou mesmo, e assim me ganha mais ainda. Exige meu tempo sem parecer vulnerável ou piegas (até porque o contrário me embrulharia o estômago).

Ele é de câncer e faz pensar que minha tão estimada liberdade é um artigo de luxo dispensável perto do que ele me entrega quando eu me jogo no seu abraço. Perigoso esse signo de câncer.

Já me peguei suspirando alto, ou sorrindo abobada quando ele me explica a força dos quatro elementos nos signos. Acho graça de como acredita que saca completamente as pessoas toda vez que descobre qual é o ascendente delas, ou de como a lua tem efeito sobre as marés e sobre o meu humor. Ele é de câncer e o efeito dele em mim me inspira. Como outros musos inspiradores que já passaram por minhas histórias. Mas ele é diferente, ele é de câncer.

E ainda que eu tenha dúvidas sobre a real influência do seu signo, se ele combina com o meu, ou até mesmo qual a verdadeira cor dos seus olhos, uma certeza fica: eu adoro o jeito como ele olha pra mim. Com seus olhos verdes ou azuis. Mas também, pudera: Ele é de câncer.

Fim da sessão.

7 segundos

Eu tenho uma obsessão por momentos que desafiam as métricas do relógio. Sabe, aqueles instantes cujas emoções são tão intensas, as expectativas tão palpáveis, que o tempo parece desacelerar? Eu vivo por momentos assim. Guardo-os todos em caixinhas estofadas do meu coração, como recordações das mais queridas. Adoro quando as borboletas na minha barriga alçam voo e me fazem levitar por alguns segundos nesses recortes da vida real. Eu corro o tempo todo, mas em raros momentos da vida, eu tomo o meu tempo vendo ele se arrastar, deliciosamente. Dentre os meus preferidos… aqueles preciosos 7 segundos antes de beijar alguém pela primeira vez.

A principio 7 segundos não parecem nada. Presumo que nada de relevante possa ser efetivado em tão pouco tempo. Mas aqueles 7 segundos efervescentes entre uma boca e outra, esses sim, podem ter a magnitude de 7 horas, 7 dias. É neste pequeno intervalo de tempo que o rosto chega tão perto de outro rosto, que é possível sentir o cheiro da pessoa pela primeira vez. E aqui não estou falando sobre perfume, desodorante, ou pós-barba. É o cheio do beijo da pessoa. Uma mistura que pode variar um bocado, entre um chiclete furtivamente adicionado, prevendo o encontro dos hálitos. Ou o gosto de cerveja, de vinho, de café, de chocolate, o gosto de alguém. É a química do beijo sem beijar. Um perfume quente e intenso que vem da boca, e aquece o momento antes mesmo dele começar.

Durante estes rápidos e longínquos movimentos dos ponteiros, é quando acontece o posicionamento das mãos, prevendo a moldura do beijo. Moldura que normalmente é feita através de um abraço, um entrelaço. É claro que essa dança começa muito antes dos 7 segundos, com toques suaves aqui e ali, sorrisos convidativos, um caminho a ser sutilmente tateado.  Uma mão nas costas, ou na cintura. Talvez um joelho tímido encostado no outro, testando a permissão, aproximação, o aconchego. Não gosto do “chegar-chegando” de supetão. Gosto de toques que pouco a pouco se constroem, se permitem, se enroscam. Adoro lugares com música alta que possibilitam cochichos no ouvido, completamente justificáveis. Musica alta é a desculpa perfeita para chegar mais perto da orelha, aquela que fica tão perto do pescoço. E o pescoço é um ótimo lugar para iniciar a jornada dos 7 segundos.

Nesta fração de tempo, os olhares ficam perdidos, entre boca e outro par de olhos. É tempo suficiente para não ser uma intimada, mas longo o bastante para confirmar o interesse. Gosto quando os olhos avisam gentilmente que o melhor está por vir. Carregados de excitação pela novidade, e a confiança de que beijo na boca tende a ser sempre bom. Eu adoro olhares pré-primeiro beijo. São confusos, e atrapalhados, mas ao mesmo tempo seguros do objetivo comum. Gosto do leve ar de embriagados que estes olhos têm, de quem está louco para matar a sede no outro. Piscadelas, olhares 43, cílios tocando no famoso “beijo de borboleta”. São as janelas da alma gritando “vai acontecer” ou pedindo “chega mais perto”. A respiração acelera, o coração sapateia.

Esses 7 segundos são o mais puro estado de graça. Talvez porque ali as expectativas estejam intimamente ligadas com o presente. Neste pedacinho de tempo, ninguém está preocupado com os beijos do passado que acabaram em corações partidos, ou tão pouco se o beijo em questão será a última boca a ser beijada antes do “felizes para sempre”. Não. 7 segundos antes de um beijo é o mais próximo de estar presente em um momento. É quase um execício de meditação, de inspiração e expiração, antes de chegar a nirvana, aquele estado transcendente onde você é liberado de todos os efeitos do karma e  do senso de si…

7,

6,

5,

4,

3,

2,

1.

E o melhor está por vir. Fim da contagem. Fim da espera. Fim da expectativa.

Fim da sessão


Ps: Hoje a sessão foi curtinha. Porque alguns momentos da vida não precisam de muito para se eternizarem.

Socorro, eu não tenho um namorado! | Coisa de Antônia

Ontem foi dia de Coisa de Antônia no ATL Girls da Rede Atlântida, e a gente tratou do drama de não ter um namorado neste dia 12 de junho e todos os outros dias.

Convoco você leitor, a entender a pior parte de não ter um namorado, clicando na imagem abaixo. Aliás, convoco você, e aquela tia chata que vive perguntando “dos namoradinhos”.

Untitled design (51)

10 coisas que eu odeio em você

A primeira vez que vi o filme “10 Coisas Que Eu Odeio Em Você”, dei-me conta de que o longa-metragem não era apenas a versão hollywoodiana da obra de Shakespeare de “A Megera Domada”. A obra era também muito de como eu via a minha própria vida fora das telas. Kat, uma das protagonistas, é aquela rebelde bacanona que todo mundo quer ser, com senso de humor sarcástico, eloquência felina e um desinteresse pelo óbvio. Eu me vi nela no primeiro ato/cena. Assim como ela, me enxergava como uma garota com gosto pela escrita, com uma confiança que às vezes era confundida com arrogância, pouquíssima paciência para papo furado, e um coração molenga disfarçado por trás de um nariz empinado. (E minha mestria em dramas shakespearianos, claro!).

Além da semelhança na atitude, Kat e eu dividíamos um fraco por caras marrentos com incontestável talento para a malandragem. Mesmo que contando com certo senso crítico para quase tudo, eu, como Kat, sempre escorreguei na marra alheia, como quem se esborracha numa casca de banana. Mas com o tempo e alguma experiência, aprendi que não era qualquer malandro que me pegava ou qualquer mentira que me enrolava. Bom, isso era o que eu pensava até você chegar.

Não era um Heath Ledger em seus coturnos juvenis, mas arrancava alguns suspiros de menina por onde passava. Eu prometi que não ia me dobrar aos teus discursos de promessas fáceis e teu charme irritantemente irresistível. E quando achei que alguma parte de mim já tinha azedado para o romance, me surpreendi ao ver a megera aqui domada muito mais fácil do que previ. Bastou um saco de pinhão (coisa do sul), meia dúzia de chamegos e algumas manhãs divididas. Pronto! E há quem diga que eu sou difícil de me apegar.

Entre suspiros e pirraças eu me aventurei por onde tinha prometido não ir tão cedo. Acostumei-me com tua presença e provei teu gosto incontáveis vezes, até preferir você à sorvete. E eu adoro sorvete. Escrevi-te mil versos, entre borboletas, banhos, roncos e todas as recaídas entre o “dar certo” e os nossos finais. Guardei tuas e minhas mentiras junto das lágrimas que prometi não derramar na frente de ninguém. Evitei teus caminhos buscando proteção, mas como evitar o algoritmo da vida sempre tão randômico? E foi voltando a te encarar, que assim como a megera Kat do filme, eu fiz a minha lista. A lista das 10 coisas que eu odeio em você.

Eu odeio o jeito como você me deixa vulnerável, caindo por terra toda essa persona confiante que eu demorei meses para construir. Que para você um simples toque no braço, não significa o tremelicar de um corpo inteiro. Que olhares não instiguem pequenas erupções dentro do peito, remexendo em tudo o que já foi, e o que eu não quero mais que seja. É difícil acalmar um vulcão.

Odeio esse teu jeito relaxado de quem está com a vida ganha, de quem sempre dorme bem à noite e de quem não nutre nenhuma paranoia. Eu pareço louca perto de você, sim, porque eu tinha todo um plano pra ficar de boa na tua presença, mas eu não vim com o kit “be cool” de fábrica. Você sim veio com o kit, o teu e o meu provavelmente, porque tenho impressão que cada passo seu tem a leveza de um passeio no parque, enquanto eu sou perita em pisar em ovos.

Odeio que você desafia cada um dos meus argumentos, e me questiona com a precisão de um investigador de sobrenome Holmes. Não se intimida por mais que eu fale grosso, use as minhas doses cavalares de veneno ou desista de tudo e faça beiço. Você segue com seu discurso que tem tudo que eu quero ouvir, e nada do que devia querer lembrar. Minha fala fica completamente limitada, e minhas justificativas são tão profundas quando o balbuciar de um bebê. Nessas horas me pergunto onde fica o meu lado escritora para te reescrever mudo, me ouvindo tendo razão sem você contestar?

Odeio como teu cheio é sempre bom e fica grudado em mim ao menor contato com a minha pele. Fico com raiva do meu perfume que, como eu, se rende facilmente à tua intervenção. Parece que nada que é meu é pareô para o que tu trazes pra mesa. E eu odeio perder. Meu orgulho fica muito magoado.

Odeio a tua intimidade comigo, servindo o meu copo, cutucando a minha cintura ou falando da minha vida como quem já me sacou inteirinha. Eu tenho raiva de como você conhece (ou acha que conhece) o meu enredo. Mas pior ainda, eu odeio a forma como eu fico previsível perto de ti, ainda que tenha ensaiado sacadas diferentes e novos passos para usar nesse nosso tango argentino.

Odeio quando tu olhas nos meus olhos com a petulância de quem entra na minha cabeça sem pedir licença. Eu te evito, encaro os teus pés e conto as voltas dos teus cadarços, as pontas duplas do meu cabelo, ou finjo brincar com o copo de cerveja para não ter que te encarar. Não sei o que pode acontecer se eu te encarar, e nem quero saber. Onde se toma vacina pra essa porra que você me causa?

Odeio tuas conversas fáceis, promessas rasas e alegações duvidosas. E de como tu enfeita a tua fala com doçuras de um passado que eu levei meses para sufocar.  Odeio como eu queria acreditar na tua história, como quem acredita na fada do dente ou no monstro do lago Ness. Odeio como tu te ofendes que eu não acredito em ti, ainda que nenhuma das tuas atitudes combine com as firulas que caem da tua boa.

Odeio a tua boca. Na verdade odeio o conjunto dos teus olhos com a tua boca. Especialmente quando sorriem. Eles formam aquele pacote de sorriso + olhos fechadinhos que eu odeio tanto quanto amo. Mas na tua cara eu odeio. Parece que eles compactuam um complô, isso sim. Um convite como quem diz, “entre neste universo, você vai se ferrar, mas pelo menos o convite é lindo”. Lindo tanto quanto o gelo que eu ei de levar dias depois, quando você mudar de ideia mais uma vez, e cansar de sorrir para mim. Ei garoto, nem comece, você está proibido de sorrir pra mim, ouviu?

Odeio que tu nega que foram falsas promessas, e que a gente deveria se ver mais, conversar mais, enquanto tudo que eu penso é menos, menos deste teu sorriso, das promessas, menos de você. Menos de nós dois, a gente é tão passado neste presente. E ainda assim, cá estou, escrevendo meus versos mais uma vez, para quem eu duvido ter guardado uma sílaba minha. Que dirá um verbo conjugado no futuro com sujeito no plural. Quem sabe você seja apenas estímulo mesmo, tipo uma entidade da mitologia grega, que tem como única intenção inspirar (versos, sentimentos, paranoias, confusões). Talvez você tenha sido/seja o meu “Erato“, ao invés de amor. E fui eu, a artista, que confundiu tudo.

Eu sei que essa história nunca vai acabar com você cantando “Can’t Take My Eyes Off You” na frente de todo mundo, enquanto eu fico corada e assumo que sou tímida. Sei que tu não é do tipo de malandro que se redime (aliás, não se fazem mais malandros como antigamente). Mas algo entre nós acaba como no filme. Essa nossa história termina do mesmo jeito que o poema de redenção da megera domada.

O que eu mais odeio em você, entre todas as coisas e sem sombra de dúvidas, é o fato de não conseguir te odiar. 

Quanto a isso, eu não te perdoo.


Fim da sessão

O que eu quero

Depois de um tempo lidando com o passado das nossas relações, é impossível não colecionar uma lista daquilo que a gente quer evitar no futuro. E a tendência é começarmos a ficar com a casca mais grossa e um pouco mais intolerante com os desconfortos naturais causados por novos pretendentes. O que eu não quero já está super claro para mim, e considero esta lista importante porque representa um compromisso com os aprendizados do passado. É o cinto de segurança na estrada no amor. Entretanto, mais do que segurança, a gente precisa saber pra onde quer ir. A equação é mais ou menos assim: “o que eu quero” X “o que eu não quero” /dividido pela expectativa igual= caia na real. Ou seja, não é uma matemática exata, mas ajuda a balizar prioridades e concessões, sem perder o rumo da jornada.

“O que eu quero?”

Eu quero alguém que minta bem. Sério, eu tenho uma pá de romances nas costas e já tendo a certeza de que todo mundo mente, eu só queria encontrar alguém que me faça o favor de mentir bem. Se a verdade for amarga ou irrelevante, quero uma pessoa que se comprometa com uma história bem contada, para a sanidade dos personagens. Parece pessimismo, mas é de fato realismo e elemento de sobrevivência de uma relação. Se a verdade não vai ser produtiva, ok, eu consigo conviver com a mentira bem contada. Claro, tendo em mente que as intenções devem ser sempre as melhores para ambos.

Quero alguém com vida própria. Inclusive que esta vida seja composta de algumas programações que não me incluam, por favor. Quero um vivente que valorize os espaços e os momentos de saudade. E que me ajude a perceber quando eu estiver grudando, como a boa intensa que sou. Que me lembre de que sentir falta é saudável, e estar sozinho é igualmente importante para as partes. Quero alguém que me lembre de que eu preciso fazer concessões na minha agenda, mesmo que para programações pouco estimulantes, como a festa da firma ou o campeonato de futebol de várzea. E eu não sou muito boa nisso, já aviso. Mas eu adoro aprender.

Eu sonho com alguém que entenda a diferença entre um chilique e uma crise. Aliás, quero alguém que me ajude a diferenciar os dois, pois meu lado dramático tende a me confundir. Quero alguém que faça meia-culpa e que não tenha medo de pedir desculpas. Eu também quero alguém que não entre em pânico quando eu chorar, pois vai entender que a vida às vezes transborda. Alguém que saiba levar uma piada, e fazer outra.

Quero alguém que não vá se importar de escutar os hits dos anos 90 comigo e “Ode To My Family” do The Cranberries no repeat. Alguém que mexa no meu cabelo, e não repare nos fios brancos. Espero muito poder encontrar alguém que goste de praia e de boteco – ou aquela pessoa que vai me apresentar algo mais viciante que essas duas programações. E que não se importe com as minhas calcinhas largas que eu adoro usar para dormir (nem todo amor deveria sobreviver de fio-dental). Prometo tolerância com as zorbas amarelas (porque nem todo amor deveria sobreviver de boxes Calvin-Klein).

Quero alguém que eu não possa resistir, por maior que seja a minha birra. Que eu admire muito mais pelas ações do que pela eloquência.

Uma pessoa que seja gentil com garçons, com motoristas irritados e com a minha mãe. Alguém que não abra mão da serenidade com facilidade. Alguém que se adore, apesar de seus defeitos. E que ache os meus charmosos e administráveis. Que goste das pintas do meu corpo e que me convença que eu não sou nariguda (ou gorda, ou louca, dependendo da neura do momento – mulheres…).

Alguém com quem eu adore conversar. Afinal, quando a gente ficar velhinhos, talvez seja a única coisa importante. Uma pessoa com quem eu consiga discutir, discordar, sem nunca perder o respeito, ou levantar a voz. Eu odeio quando levantam a voz, ou pior, odeio quando me vejo fazendo o mesmo. Quero amar alguém com quem eu consiga ficar confortável em silêncio, superando a minha tagarelice nervosa. Que cale meus argumentos com um sorriso. Alguém que seja o meu “oi” preferido e meu “tchau” mais difícil.

Quero muito alguém que aceite quando eu convido para dançar, mesmo se a pista estiver vazia. Ou que não pensa duas vezes em topar um eventual skinny-dipping. Um indivíduo que não leve a vida tão a sério e saiba valorizar o que de fato é fundamental nela. Alguém que me faça mudar de ideia esteja eu contrariada, desencorajada ou teimosa. E que mudar de ideia não seja o mesmo que mudar o sentimento. Alguém com quem eu troque e me ajude a ser melhor e vice-versa. E que me coloque no meu lugar – que não é acima, nem abaixo, nem à frente, nem atrás. Mas ao lado. Lado a lado nesta estrada linda que é o amor.

O que eu quero? Quero alguém que me faça agradecer por nunca ter dado certo antes. E a lutar com unhas e dentes para não precisar dar certo com mais ninguém.


Fim da sessão.

O primeiro frio

Hoje foi aquele dia do ano em que admitimos que o período de estações mais quentes acabou. Do sudeste ao sul do país, esta terça-feira foi dia de procurar um casaquinho e considerar não apenas a troca de guarda-roupas, mas também a troca de cenários. Ruas mais vazias, programações mais caseiras e vinho. Ora, se tem algo que justifique o frio, é o aquecimento de um coração através da vinhoterapia – afinal, antes só vinho, do que mal acompanhado. Mas o primeiro frio do ano traz muito mais que um cobertorzinho para a nossa cama. Ele tem um quê de nostalgia, de memória. É impossível não sentir todo tipo de arrepio causado pelas temperaturas baixando e os dias se transformando. O primeiro frio sempre mexe com a gente.

O primeiro frio mexe comigo, por exemplo, porque me lembra a infância. Lembro-me com saudade da minha mãe lutando para arrancar-me da cama enquanto me socava roupa, a ponto de eu não conseguir me mexer direito. O primeiro frio recorda o meu pavor infantil quando encarava a serração fantasmagórica das manhãs, no melhor estilo The Walking Dead, a caminho da escola. Lembra-me da minha habilidade de pequena de estar sempre com as mangas ou meias molhadas. O primeiro frio traz de volta a lembrança do meu pai ligando a estufa no banheiro meia hora antes da minha vez de lavar as orelhas, para que eu “não pegasse uma friagem”. Faz-me recordar da minha adolescência, na parada esperando o ônibus, dançando no lugar para não congelar com o ventinho provocado pelo deslocamento dos carros. Lembra-me de sentar com receio na cadeira gelada da sala de aula e da busca por todo e qualquer raio sol na hora do recreio.

O primeiro frio desperta a hora de trocar os biquínis da gaveta pela coleção de meias-calças, e colocar os casacos coloridos para tomarem um ar. Traz o charme das tocas, das mantas e das luvas. O primeiro frio marca o início da era das polainas (me julguem!). O desejo por sobreposições, por abusar do batom escurão e realça o fervor que causam os gatos de jaqueta e botas cano médio. O frio tira pra fora do armário aquela calça gostosa de moletom que cabe tanto em você quando nele. O primeiro frio aponta que acordou a oportunidade de reinventar o visual, se transfigurar, se travestir e mudar. Trocar a paleta. Sacudir a nossa roupagem.

Com o primeiro frio acordamos para súbita troca de cardápio. Onde antes tinha espaço para salada e sushi, agora o estômago clama por risotos, massas e fundis (a vida é curta para se viver sem carboidrato). Aqui nas querências  – e na minha humilde opinião, nada seduz mais que a semente que chega junto com o vento Minuano. Garotos, por favor, não me deem flores, deem-me sacos de pinhão! Com sal, com mel, com vinho, com amor. Isso sim aquece o meu coração no frio. Ou me convidem para ir a serra para tomar uma sopa no pão. Não tem nada mais definitivo entre a solteirice do calor, e o engajamento do frio, que uma sopa no pão em Gramado. É romance com queijo ralado e um bom Carbernet.

E por falar em romance, o primeiro frio faz pensar em carinho, xodó, colo, entrelaçamento. Desculpe-me o clichê, mas como substituir um cobertor de orelha? Ahn? Ou incontáveis domingos chuvosos de edredom, Netflix e amassos?  Longas e promissoras horas daquelas caricias quentes que deixam as janelas embaçadas e o frio do lado de fora. Que estação que sabe criar boas companhias. O primeiro frio lembra pés enroladinhos. Faz recordar da delícia e do desespero que é aquecer as mãos geladas nas costas quentinhas de alguém. Delícia pras mãos e desespero para as costas. O primeiro frio relembra aquele cara que um dia amei e que me enrolava como um tamaki em meio aos cobertores nas sonecas preguiçosas de sábado. O primeiro frio evoca a ida à praia com alguém especial. Ou aquele final de semana no sítio. O primeiro frio lembra o frio na barriga.

Ahhhh nostalgia gelada… O primeiro frio lembra Londres e a Trafalgar Square lotada de turistas e seus guarda-chuvas. Lembra croissant quentinho na cafeteria. O primeiro frio lembra que os ranhentos lá de casa ficarão de narizes assados logo, logo – eles e todas as crianças do mundo. Lembra bolinho de chuva e chimarrão (ou equivalente). Lembra quentão. Livros finalmente lidos! Lembra Game of Thrones e que “Winter is (finally) coming”. Lembra Frozen, Olaf e abraços quentinhos. Lembra bolsa de água quente e cheirinho de chá. O primeiro frio lembra que é hora chamar as amigas para a sala de casa e acender a lareira, ou chamar o gato e aumentar o calor do quarto. O primeiro frio lembra que a temperatura pode até cair, mas que os próximos meses merecem ser aquecidos com bons momentos, pequenos e grandes prazeres e suspiros com vaporzinho.

Pega o casaquinho e te joga.


Fim da sessão.

Amor, cadê você? | Coisa de Antônia

Já se deu conta que hoje é mais fácil achar dinheiro na rua, do que amor?  Hoje no Coisa de Antônia no ATL Girls da Rede Atlântida, a implacável busca por essas quatro letras que mexem com a cabeça de qualquer vivente.

Pegue seu binóculo, clique na imagem abaixo e bora lá achar o amor!

Untitled design (21)

 

O melhor lugar do mundo

Desde pequena eu me mudei muito. De cidade, de casa e eventualmente de país. Depois que eu voltei para as terras tupiniquins, viajei mais um pouco, e essa inquietude sempre me fez pensar onde seria o melhor lugar do mundo para se estar. Londres tinha me ensinado tanto, então eu pensei que poderia ser lá. Mas voltando pro Brasil eu me lembrei do quanto eu gosto daqui. E entre idas e vindas, lugares estranhos e outros mais conhecidos, um lugar comum a todos se destacou. O melhor lugar do mundo é dentro de um abraço, hoje eu sei. Ok, acuse-me de clichê, se você ousar. Mas estou para dizer, sem sombra de dúvidas, que o abraço é um dos poucos lugares que te recebe sempre, você estando bem ou mal, e dele você sempre volta melhor. Lá não te pedem visto de entrada e sempre falam a tua língua. O abraço é, indiscutivelmente, o melhor lugar do mundo.

Talvez a melhor parte do abraço seja que ele tem fronteiras pouco definidas. Onde começa o seu abraço e termina o do outro? É um círculo que costuma não ter limites, uma mistura. Às vezes você acha que entrou nele para sair rapidinho, mas decide ficar um minuto a mais, já que ele é tão seu quanto da outra parte. De quem recebe. Ou de quem dá. Aliás, nesse lugar mágico é difícil também definir quem entregou e quem recebeu. Talvez o abraço viva dentro de uma eterna política de escambo, “aqui tudo é de todo mundo, e só funciona através da troca”. Não é socialismo, porque ninguém pode levar mais do que contribuiu, não é capitalismo porque indivíduo nenhum paga para estar lá, e não é anarquia porque ele tem as suas regras.

As regras na verdade são bem democráticas, mas elas existem. Para começar, só se entra no melhor lugar do mundo se for de peito aberto. E peito aberto, é uma das posições mais vulneráveis de um encontro, então para entrar no abraço deve se ter confiança. Além disso, para adentra-lo, há de se ter intimidade. Até porque o abraço abre portas para aquele espaço lindo e íntimo que é a área entre o pescoço e a orelha. Ali se sente cheiro, calor e os sussurros resolvem qualquer barreira de linguagem. O pedágio para estar ali são juras de amor, desejos de carinho ou eterna gratidão por ter sido bem recebido. Outra regra do abraço é que para entrar nele você deve depositar a sua energia e até uma dose gentil de força. Isso porque o abraço é o lugar do mundo que promove alívio na proporção inversa do aperto. Quanto mais apertado é o abraço, mais alivio se sente.

O abraço é também um lugar bem amplo, além de apertado. E ele não é exclusivo. Você pode entrar no abraço de uma amiga de quem morria de saudades. Ou do seu amor para pedir desculpas. Pode se jogar naquele do seu irmão ou irmã para alegrar o seu dia. Do seu pai para pedir apoio. Ou ainda no da sua mãe quando o bicho realmente pega. Fato é que você sempre sai melhor do que entrou neste lugar. Muita gente pode ser salva visitando o abraço. Na hora da dor ou da raiva, o abraço pode guardar a parte mais pura e positiva de você, para que os sentimentos negativos não tomem conta. É difícil morar no luto ou nos pontapés da vida. Morar no abraço é de boa, é lindo e por vezes, faz o planeta dar uma desacelerada… e girar devagarzinho em torno do melhor lugar do mundo.

Gosto dos abraços despretensiosos de reencontros casuais, que animam a rotina, despertam as borboletas e acalmam a mente. Lembro com carinho de todos os abraços que nunca mais visitei, os de amigos distantes, ou de amores que não estão mais por perto, como aqueles de vó e de vô, sabe? Tem abraços que a gente daria um braço para ter de volta, de tão bem que nos fizeram. E aqueles que a gente ainda quer descobrir. Ou ainda que nem imagina o quanto nos farão suspirar, serenar e até embalar o início de uma dança. Abraços que curam, que não julgam, que protegem. O melhor lugar do mundo é aquele que promove o altruísmo, a humildade, e claro, a aproximação de dois corações. Ou mais, se for um montinho!

O que não dá, é seguir perambulando pelo mundo, correndo por passagens egoístas, fazendo percursos solitários e firmando raízes em destinos ásperos. O meu conselho é: Nunca perca de vista o caminho do abraço. É lá que você mora. E é lá, que se encontra o melhor lugar do mundo.


Fim da sessão.

Jota Quest - Dentro de um Abraço