Arquivo da tag: calcinha suja

A maldita calcinha suja [vídeo]

Para quem conhece o blog há mais tempo, vai lembrar que a crônica “A maldita calcinha suja”, marcou a história do blog.

Não por sua improbabilidade, mas pela cara de pau e deboche de quem conta. Ela foi a primeira sessão pública no Antônia no Divã, e frequentemente é solicitado que ela seja contada por sua protagonista.

No sábado passado, ao final da minha palestra no Movimento de Expansão (que tratava de assuntos muito mais profundos do que a calcinha), me rendi aos pedidos do público de contar aquela que é uma das histórias mais despudoradas deste meu divã. Ora, a coisa toda só podia acabar em risada. Pobre do meu pai que estava presente. hahaha.

– Gatilhos: linguagem forte, conteúdo de conotação sexual, [18+]
– Imagens e comentários: Amanda Schenkel
– A maldita calcinha suja: https://goo.gl/OytjDM
– A maldita calcinha suja – episódio 2: https://goo.gl/DYk8sC

Coisa de Antônia: A maldita calcinha suja

Essa quinta-feira foi dia de lavar roupa suja no ATL Girls – ou deveria ser.  Deleite-se com o primeiro post público do blog, relembrando uma história com cheirinho de amaciante… ou não!

Clica aí:

antonia - calcinha

 

E pra embalar o clima…

 

A maldita calcinha suja – episódio 2

Quem acompanha o blog desde o início, sabe que o primeiro post público pra inaugurar o divã não foi uma história nada bonita, muito menos limpa. A saga da “A maldita calcinha suja” terminou no mínimo com algumas reticências, e não foi à toa que muitos escreveram perguntando como diabos a história terminava. Gostaria de poder dizer que o final tinha cheirinho de amaciante, mas se tivesse não seria o divã da Antônia. Não. A Antônia aqui se supera mesmo quando o assunto é calcinha suja.

Obviamente que dada à fatalidade do meu último encontro com o churrasqueiro de olhos verdes, eu evitei todo e qualquer contato, e prometi carregar uma calcinha limpa na bolsa sempre que fosse encarar uma festividade… assim, só por precaução. Fato é que nos meses que decorreram daquele churrasco, mal tivera chance de comparecer a qualquer festividade. Estava encarando um curso extenso e importante que me preparava para a fusão da empresa em que eu trabalhava com uma grande corporação americana. Eu, a única brasileira daquele escritório inglês, com a oportunidade de participar de uma das maiores fusões da história da internet. Eu não podia vacilar.

Após três meses de treinamento e preparação para a futura joint venture, cada um de nós deveria  preparar uma apresentação aos nossos gerentes de área sobre nosso entendimento íntimo com os novos sistemas. O seminário chamava-se “Intimate Understanding of Fusion”, algo como “Entendimento Íntimo sobre a Fusão” – um tanto quanto intimidador, pra dizer o mínimo. Eu estava no limiar de um ataque de nervos.

Já era tarde da hora naquela quinta, e eu ainda estava no escritório, revisando as minhas anotações para a apresentação no dia seguinte. O telefone toca.

– “Oooooooiiiiiññññe” – muito embora seu nome estivesse na tela do celular, só a manhice do cumprimento já entregava que era a Patrícia.

– “Fala rápido, Patrícia, tô no meio de algo importante”, respondo seca.

– “Aiiiiieennn, eu sei! Grossa! Você só fala nesse merda desta apresentação, quando é?”

 – “Amanhã, e eu estou uma pilha de nervos.”

– “Então eu tenho a solução pros teus problemas. A gente está aqui na casa dos guris (aquela do churrasco cuja porta do banheiro nunca tranca – lembram?), e tá rolando umas pizzas e uns drinks pra ver o final do X-Factor”.

– “Ai Patrícia, não dá, eu nem fui pra casa ainda, eu tenho apresentação amanhã de manhã….” vou respondendo rápido sabendo que vou ter que convencer ela muito melhor que isso…

– “Ta, ta, ta… chega de desculpas. Vem direto do escritório pra cá, hoje é bem tranquilinho, é coisa rápida e depois a gente racha um taxi, eu e o Pablo te deixamos em casa nas badaladas da Cinderela. Palavra de escoteiro!”

– “Patrícia, não quero dar de cara com o guri que lavou as minhas calcinhas!!” – penso que assim ela iria entender meu drama e desistir.

– “Sem problemas, os guris estavam comentando que ele trabalha até tarde hoje, vais ainda poder entrar de mancinho do quarto dele e reaver a tua dignidade.”

– “Acho que essa não revejo nunca mais. Mas ok, ótimo, assim recupero as malditas calcinhas sem ter que dar de cara com ele. Chego aí em 20 minutos se a Central Line não tiver lotada.”

Recolhi minhas anotações, notebook e enfiei tudo dentro da bolsa, e parti em direção a Central Line. Na casa dos guris, a coisa era tudo menos “tranquilinha” – não sei como eu ainda caio na da Patrícia. Chego no início do segundo bloco do “X-Factor”, onde as apostas dividiam a plateia da sala se Simon Cowell gostava ou não do artista – quem errasse encarava um shot de tequila. “Vamos Antônia! Só uma aposta!” Pensei que uma tequila não ia me fazer mal algum, e ainda ia me ajudar a relaxar para amanhã.

No final do quinto bloco do X-Factor, eu já tinha errado tantas opiniões do Sr. Cowell, que já fazia minhas próprias versões das apresentações usando o controle remoto como microfone. Quando achei que já estava bêbada o suficiente, fiz um sinal pra Patrícia e saí de fininho da sala rumo ao quarto do churrasqueiro de olhos verdes naquilo que eu e a Patrícia intitulamos a “Expedição Calcinha”.

Entrei pé por pé no quarto do gato. Suspiros. Aquele lugar tinha boas lembranças, apenar do término vergonhoso. Examinei o armário, a escrivaninha, as gavetas do bidê, nada. Procurei em baixo da cama, nada. Na tulha de roupas sujas (ele disse que tinha lavado, mas vai saber), nada. Vasculhei o quarto todo e nada. Deitei na cama frustrada – onde diachos esse guri guardaria uma calcinha? – pensei afofando o travesseiro. Opa! Ali estava. Limpinha e rosinha como eu lembrava! A minha maldita calcinha limpa embaixo do travesseiro! Safado!

Foram apenas alguns segundos de comemoração. Em seguida pânico. Passos acelerados na escada, a porta abrindo subitamente.

– “Oi linda! Que surpresa boa! Que bom que você achou a calcinha e já está bem à vontade. Eu tava com saudades.

7h00. O meu despertador grita estressado. Saio da cama num pulo, tentando achar sentido naquele quarto não-mais -tão-estranho. Ai meu Deus, eu já vi essa história. Antônia, você não aprende. Merda! Maldita Patrícia! Maldito Simon Cowell! Maldita tequila! Malditos olhos verdes! Tudo outra vez: reviro os moveis recolhendo brincos, pulseiras, blusa, sutiã, calça… calcinha e calcinha. Ah sim, pelo menos desta vez eu havia achado as duas. Coloco a calcinha limpa, e visto as roupas voando. Tinha que estar em Soho em 20 minutos na apresentação para a qual me prepara durante tanto tempo.

“Já vai sair correndo de novo, linda?”

“Ahhh… sim, estou atrasada.” – tento sem sucesso arrumar os cabelos.

– “Pegou tudo desta vez?” – ele pergunta com um sorriso abusado – “deixa a outra calcinha aqui pra você buscar outro dia”, ele sussurra cheio de malícia agarrando minhas coxas.

– “Não, obrigada! Eu tenho máquina de lavar, malandrinho.” – enfio a calcinha suja na bolsa, dou-lhe um beijo estalado e saio correndo.

Soho. Estou 15 minutos atrasada. Todos já estão na sala de reuniões.

-“Bom dia, Antônia. Que bom que pôde se juntar a nós. Que tal ser a primeira, já que chegou atrasada. Vamos começar com sua apresentação sobre “Entendimento Íntimo sobre a Fusão?

“Claro, Andrew.” – Sorrio sem graça para os outros 14 colegas em volta da mesa de reuniões.

Desligo as luzes, puxo da bolsa o meu notebook e minhas anotações e apressada coloco tudo em cima da mesa. Ligo o projetor de power point que ilumina a mesa de reuniões. Em seu centro, nada mais, nada menos, que a minha maldita calcinha suja.

“Ãhhh… vamos iniciar a apresentação de hoje nos perguntando… o que realmente quer dizer ‘íntimo’, meus senhores?


 

Fim da sessão.

A maldita calcinha suja

Era o final de semana que antecedia o início do verão. E se você já passou um inverno chuvoso em Londres, vai entender que a data era motivo para celebração. A noite incluía a pista animada do Mother Bar em Shoreditch, doses intermináveis de Jager Bomb e o meu casal de amigos preferido, o Pablo e a Patrícia. A noite acabou num piscar de olhos e duas músicas do The Killers. Pulamos os três num taxi a caminho da casa do casal, como costumávamos fazer sempre que investíamos em uma late-night-out. O sofá deles era praticamente minha cama nos finais de semana. A estratégia garantia mais gente pra rachar o taxi de sábado e sempre rendia um almoço preguiçoso no domingo.

Acordei com a cara grudada no sofá sentido a pele toda transpirando Jager Bombs. Patrícia falava irritada ao celular com o que imagino era o landlord dela, algo sobre estarem sem água. Pablo me alcança um café e as minhas calças que estavam no chão.

Ela desliga furiosa. “Não temos água! Tem banho pra ninguém!”. Sorrio, e relevo a situação por dois motivos: o primeiro e o mais egoísta deles era porque eu podia ir pra minha casa tomar banho, o segundo era por conhecer a capacidade da Patrícia de ser dramática. “Deixa de ser fresca! O que são umas horinhas sem banho?”, mexo com ela. O Pablo ri, e ela bufa.

Comecei a me organizar pra ir embora, quando o telefone toca novamente. Com sorte era o landlord acabando com o drama deles. Mas não. Patrícia fica muito animada pra ser o landlord ou mesmo a água. Ao desligar, ela informa que fomos todos convidados para um churrasco de alguns amigos que brindavam a chegada do verão. Ela se empolga e agita Pablo e eu para nos arrumarmos. “Mas vamos assim, sem banho?” – pergunto. “O que são umas horinhas sem banho, hein fresca?” ela retruca.

O churrasco era tudo que o verão pedia, e tudo que eu sentia falta do Brasil. Caipirinha em jarra, churrasco feito com espeto, e a churrasqueira adaptada de um carrinho de supermercado. Ahhh os brasileiros, tão inventivos. Horas de risadas, entre jarras e jarras de caipirinha, me peguei conversando longamente com o churrasqueiro, que tinha os braços do tamanho das minhas coxas. Ele, recém-chegado, admirava-se com minhas histórias e experiências de Londres. E eu sempre-chegada num gatinho, admirava-me com os olhos verdes dele.

Na minha vigésima ida ao banheiro, daqueles banheiros de casa compartilhada, cuja tranca está sempre quebrada, fui surpreendida. Enquanto lavava as mãos, sem bater na porta,  alguém entra no banheiro: – “Ei! Tem gent…” e me viro pra dar de cara com os olhos verdes do churrasqueiro. “Eu sei que tem gente”, disse ele. “Se importa se eu usar o banheiro com você aqui?”.

Antes que eu pudesse dizer qualquer coisa, ele liga o chuveiro (este COM água). Antes que pudesse sair correndo, ele tira a camisa. E as calças. E a cueca. Escondo-me como uma menina com a testa na porta e as mãos nos olhos. “Você pode olhar se quiser… eu não me importo”, disse ele com um sorriso assanhado debaixo d’água passando a esponja ensaboada pelo corpo…  Penso comigo “Seria essa a minha chance de um banho?”. Nesta hora Patrícia tenta entrar no banheiro, subitamente trocando meus pensamentos sensuais por um ataque de pânico “TEM GENTE PORRA!!!!”, grito histérica. “Antônia, a gente tá indo embora, vamos?”  – “Ela vai ficar!”, ele responde de dentro do banheiro antes que eu pudesse dizer qualquer coisa. “Nã… péra, eu, na verdad…” tento balbuciar algo enquanto raciocino. Patrícia cai na gargalhada do outro lado da porta, “Ok, Antônia. Já entendi. Me liga amanhã. Pabloooooo, vambora!”.

Quando eu me viro furiosa pra perguntar quem aquele metido achava que era, lá estava ele parado atrás de mim, enrolando-se numa toalha. Antes que pudesse dizer qualquer coisa, ele joga o seu peitoral pesado contra o meu, me empurra contra a porta e me beija a boca. Queria resistir e fazer um charminho. Mas o calor daquela pele e o cheiro de shampoo eram inebriantes. Eu estava entregue.

7h00. O meu despertador grita estressado. Saio da cama num pulo, tentando achar sentido naquele quarto estranho. Reviro os moveis recolhendo brincos, pulseiras, blusa, sutiã, calça… péra, cadê a minha calcinha? Levanto travesseiros, levanto as cobertas, embaixo delas somente aquele corpo pelado cheio de testosterona, cheio de delícias, e de músculos, e… Não, Antônia! Foco: cadê a minha maldita calcinha! O celular desperta de novo lembrando-me de que eu tinha que estar em Soho em 20 minutos. “Já vai embora, linda?”, sussurra ele se revirando todo sonolento na cama… “Sim, sim.. só estou tentando juntar minhas coisas”. “Conseguiu achar tudo?”  Hmmmm… Encarei os olhos verdes mais uma vez, e sorri sem graça. “Sim, tudo!”. Não consegui reunir forças pra dizer que não achava a calcinha que vergonhosamente usara dois dias seguidos.

No trem, mal me importei com outros passageiros admirados com o meu estado caótico de 2 dias sem banho, e o cheiro de Jager Bomb, caipira e sexo que exalava de mim. Estava escrito “walk of shame” na minha testa e eu nem me importava. Eu só conseguia pensar na maldita calcinha suja que deixara pra trás.

Foram necessários 7 dias inteiros e 8 banhos para que eu tomasse coragem de ligar pro churrasqueiro de olhos verdes e acessar o estrago…

– “Oi, tudo bem? Aqui é a Antônia…”

– “Oi linda! Saiu daqui apressada aquele dia. Nem me deu um beijo…”

– “Ah, pois é, estavas dormindo, e eu com pressa… por falar em pressa… naquele dia eu esqueci no teu quarto a minha… a minha… o meu ANEL. Eu esqueci o meu ANEL. Por acaso você não achou?”

– “Não, linda. Mas achei a sua calcinha. Pode vir buscar a qualquer hora…”

– … (Rio nervosamente do outro lado).

– “Ah, e fica tranquila. Eu lavei ela tá?”

Desligo o telefone imediatamente.


Fim da sessão.