Arquivo da tag: amor

Pequeno milagre

Dizem que um pequeno milagre acontece quando duas pessoas decidem passar o resto de suas vidas juntas.

A gente gostaria de acreditar que os planetas se alinharam para fazer o amor acontecer, mas com o tempo descobre que foi uma escolha, essa de alinhar os planetas com as próprias mãos. Cruzar fronteiras. Redesenhar limites. Superar distâncias. 

Culpamos o cupido pelo amor porque ninguém admite que, em sã consciência, escolheu arriscar-se de forma tão vulnerável. Optou por sofrer de saudade. Sentir o corpo chacoalhando com os sintomas de uma paixão. Ou que decidiu deliberadamente ter parte do coração pulsando do lado de fora do próprio corpo.

Atribuímos o amor a um ser supremo, uma magia celestial, um poder sobrenatural, porque é difícil acreditar que nossa humanidade é capaz de algo tão grandioso. De praticar o altruísmo de forma tão transparente. Ajustar diferenças. Faz-nos desejar um mundo melhor só para que ele seja mais justo com quem tem o nosso afeto.

Amor é a transformação em todo o seu esplendor.

Aquele acontecimento que faz pessoas completas transbordarem. Faz-nos encontrar calma na agitação do outro. Intensifica o sol que brilha agora mais bonito lá fora. É companhia nas trilhas da vida. É perder o medo de soar clichê, afinal o amor é simultaneamente brega e exuberante mesmo. E não tem problema nenhum nisso.

É a alegria de achar alguém digno de andar de bicicleta do nosso lado, como a única coisa importante do final de semana. Encarar um milhão de motivos para partir, e decidir ficar. Amor é sobre acreditar. É ter fé no tempo, nos reencontros. Ver certeza nas incertezas.

Amar de verdade é dar graças a Deus por não ter dado certo com mais ninguém. Não porque encontramos alguém perfeito, mas porque decidimos amar inclusive as imperfeições tão perfeitas do outro. É ver beleza além da superfície. Segurar na mão quando a coisa fica feia. Principalmente quando fica feia.

Então talvez a beleza de “unir os trapinhos” de forma oficial seja justamente por ser uma história real, ao invés de um conto de fadas. Uma história de verdade sobre o esforço mútuo para manter o amor acima de todas as coisas. Uma narrativa escrita a duas mãos.

A gente intitula “amor” o carinho de construir um lar juntos. A euforia que causamos e sentimos pelo outro. É encontrar as múltiplas facetas em um só coração, amantes, amores, amigos, admirados e admiradores, tudo junto e misturado.

O casamento, que é uma das possíveis consequências do amor, surge porque acredita-se que uma relação precisa destes pequenos e grandes momentos de contemplação. De parar e entender que chegar até aqui foi a perfeita mistura entre a sorte e o comprometimento. E é preciso celebrar essa união: a da sorte e do comprometimento. A união entre ela e ele.

O que prova, de fato, que pequenos milagres existem. Entre a sorte e o comprometimento.

❤️
Fim da sessão

Essa sessão foi um presente de casamento especialmente escrito para a minha amiga Melina. Ainda que eu acredite que presente mesmo é ter uma amiga como ela e sorte a minha de através dela ter a chance de renovar a fé no amor. Aos noivos: todo amor do mundo!

Preciso de um amor pra velhice

Preciso de um amor pra velhice

Eu nunca me vi tendo a necessidade de um relacionamento. Sabe, eu gosto de enrolar meus pés em alguém querido embaixo das cobertas. Amo beijos estalados. E adoro sexo com sentimento. Mas eu nunca pensei comigo “meu Deus, preciso de um relacionamento”. Eu preciso de dinheiro na minha conta. Preciso baixar meus triglicerídeos. Preciso trocar o óleo do meu carro. Ou seja, eu não preciiiiiso de amor. Amor me parece muito mais uma escolha do que uma necessidade, concordam?

OK, talvez eu esteja sendo um pouquinho infame quanto a “não precisar” de um amor porque a minha idade ainda me permite algum desdém (ou certa infantilidade). Veja, eu ainda olho pra minha bunda no espelho e consigo me achar um tesão. Cuido da maioria dos meus perrengues com um pé nas costas. Adoro a minha companhia, e dificilmente me sinto sozinha. Minha família me quer (na maioria das vezes) por perto. E eu tenho uma pá de amigos que largariam tudo para tomar uma gelada comigo. E isso é muito legal, mas é também uma condição associada à juventude. Foi aí que pensei que amor e necessidade poderiam sim, estar relacionados, quando colocarmos o fator idade na equação.

Hoje me peguei catando conchinhas na beira da praia. Fui de manhã cedo quando o sol não estava tão forte. E porque segundo um amigo-aspirante-a-companheiro me disse, eu tinha que “movimentar a minha carcaça preguiçosa” para viver mais anos. E ele não podia estar mais certo. Enquanto eu escolhia as conchas de cores lindas com cautela, o rapaz de corpo atlético e olhos da cor do mar, caminhava alguns passos a frente, dando soquinhos no ar, simulando uma luta – como os garotos fazem, sabe? Ele aguardou com paciência eu pegar uma a uma das conchas que queria. E quando finalmente o alcancei no fim da praia, beijou a ponta do meu nariz e disse como eu ficava linda sob a luz do sol.

Foi ali que eu me dei conta de que em algum momento, eu vou sim precisar do amor de alguém. E não estou dizendo aqui que todo mundo precise. Mas eu vou precisar. Quando a minha bunda não for mais motivo de orgulho, eu quero que alguém ainda olhe pra ela com interesse – me convencendo de que a beleza da minha retaguarda, será por onde ela já sentou para olhar o nascer ou pousar do sol. Quero que alguém beije as minhas marcas de sorriso – aquelas injustamente chamadas de “pés de galinha” – e as aprecie por serem marcas da alegria de uma vida inteira. Quero alguém preocupado com meus triglicerídeos e com o óleo do meu carro, quando a minha memória tirar o melhor de mim.

Alguém que faça questão da minha companhia, quanto eu já não for mais tão independe, e meus filhos já não tiverem mais paciência para a minha rabugentice. Ou quando a maioria dos meus amigos já tiver partido para festa no andar de cima. Alguém que me ajude a achar meus óculos, quando os mesmos estiverem na cabeça.

Preciso de um amor pra velhice porque em algum momento da vida a gente precisa ser lembrada que valor não tem validade, que a beleza está além do colágeno e também porque já não serei tão jovem a ponto de achar que sei de tudo. Preciso de um amor pra velhice, pra fazer dela a melhor idade. Aliás, preciso e quero um amor pra velhice.

Nem que seja pra ver aquele belo sorriso e a aquela careca refletindo o sol, aguardando pacientemente, enquanto eu pego conchinhas na beira da praia.

Fim da sessão.

Grelo Azul – a sina de um tesão não atendido

Eu juro que fiquei temerosa quando senti pela primeira vez. Segurei o segredo comigo, e jurei que tinha alguma coisa errada lá em baixo. Eu já havia ouvido falar sobre as tais “bolas azuis” ou “roxas”, condição descrita pelos rapazes quando ficavam muito excitados e por algum motivo repreendiam a “descarga elétrica”. Mas eu era uma garota, não tinha pinto, ou tampouco bolas, e por isso fiquei preocupada quando pela primeira vez o tesão me deixou na mão e uma dor latente bateu na porta do meu prazer. Tum-tum-tum ecoou na minha vagina.

A primeira atitude foi procurar um médico, claro. Expliquei a minha condição e a ginecologista deu de ombros. Disse que não havia muita incidência do que eu havia descrito, e depois de me examinar alegou que eu estava saudável, e que não havia nada de errado lá em baixo. Ou dentro. Ou em qualquer área envolvida com a minha libido. Não satisfeita, fui pesquisar a minha conjuntura na internet. Encontrei uma ampla bibliografia sobre a condição masculina – é claro – em que as famosas “bolas azuis” eram descritas por entendidos como o “represamento” do líquido seminal dentro da próstata, das vesículas seminais e também dos testículos.  Nada fazia referência à natureza feminina deste “represamento”. Por dias me peguei pensando se haviam bolas azuis dentro de mim.

Fui mais afundo na minha inquisição – eu não conseguia aceitar a ideia de seguir com aquela inquietação – nas calcinhas e na cabeça. Medicina ou bibliografia nenhuma podia ser fonte mais segura do que os bons e velhos grupos de Whatsapp dazamigas. E foi lá, na intimidade de grupos só de meninas, que para a minha surpresa, eu descobri que não era a única que sofria da condição que batizei de “grelo azul”. A minha pesquisa levou-me de encontro a mulheres de todas as idades – cuja excitação não “atendida”, resultava em uma dor latente que podia ser tanto no interior da barriga (abaixo do umbigo), como também uma pressão, quase uma dormência, sobre os grandes lábios.

Ouvi as vítimas desta aflição temporária de forma atenta e curiosa. Fiquei feliz por encontrar outras que como eu, sofriam da mesma forma com o rala-e-rola interrompido. O meu grelo-azul não estava mais sozinho. E na falta de bibliografia mais científica, eu decidi compor uma ideia mais poética do saudosismo deixado por uma excitação que partiu.

Dor de tesão ou “grelo azul” é a presença da ausência. Ausência das delicias que foram insinuadas pelo restante do corpo, quando abruptamente o prazer mudou de rumo.  É o aquecimento fulminante encerrado por um balde de gelo, quando o corpo não teve oportunidade/tempo de esfriar naturalmente. É a indignação de um clitóris. O estresse de uma periquita. O injuriar de uma pepeca. O lamento de uma lubrificação perdida. O reclamar em alto e em bom tom dos grandes lábios. É o latejar físico da desesperança. A fome insaciada. O desejo agonizando.  A ânsia, a agonia e angústia de ver a chance de um orgasmo dizer adeus, ou pelo menos “até breve”. É o aprisionamento da vontade. E dói. Dói de verdade.

O grelo azul não é lenda urbana. E tão pouco uma invenção das moderninhas. Muito menos uma condição digna apenas das “safadas”. Não importa se a interrupção do tesão foi porque não havia tempo, ou por conta de uma intervenção externa, ou ainda se no caso mais comum, porque faltou estrutura para entrar em campo – o famoso “eu não tenho camisinha”.  Às vezes a dor surge de uma conversa acalorada ao pé do ouvido, um nude sacaninha no celular ou aparece na lembrança de um tesão que mora longe. O grelo azul existe, e sofre junto com a gente.

Durante este pequeno estudo que fiz – sem compromisso com amostragem, e que tem margem de erro de duas pepecas para mais ou para menos – eu me convenci que não existe necessidade de comprovação científica para justificar a nossa inquietação (até porque pouco estudo se dedica ao libido feminino – para muitos o nosso orgasmo ainda é um mito). Entretanto esse represamento de alegria de fato lateja em muitas de nós mulheres, para ser considerado uma condição exclusivamente masculina. Mesmo porque se o tesão é compartilhado, a consequência de sua falta também, não faz sentido? Até o dia – é claro – em que a excitação represa para aventuras mais promissoras. E acha seu rumo nas descargas mais genuínas.

Não tem antídoto mais gostoso para essa dor do que o prazer atendido. E aí minha gente, não tem grelo azul que não fique colorido. Aí é a vida que fica mesmo TUDO AZUL.


Fim da sessão.

Ele é de câncer

Não sei o quanto a influência do cosmos interfere na relação das pessoas, mas nunca neguei a forte presença de aquário na maneira como eu levo a vida.

Já tive virginianos que ferraram com a minha estrutura, em compensação três das mulheres que mais amo e me toleram são do mesmo signo. O meu irmão e também melhor amigo era de peixes, o que fazia sentido já que ele – de peixes- e eu – de Aquário- nos completávamos. Ao contrário, é claro, de muito pisciano que eu já quis matar por viverem no mundo da lua. Ou seja, o horóscopo acerta e erra comigo o suficiente para que eu tenha as minhas dúvidas.

Mas ele é de câncer e acredita no poder das estrelas. Emotivo e intenso, disse que a culpa é do elemento água que rege sua personalidade. Ele me explica que eu sou elemento ar, mesmo sendo de Aquário, o que pra mim não faz sentido. Pouco de câncer faz sentido pra mim. Ele não disputa com a minha liderança como alguém de Leão faria, pois vaidade não é o negócio dele. Tem tantas perguntas sobre a vida quanto Libra, e a energia por metas e novidades como um Ariano. Ele é fiel como Touro, entretanto não gosta de ciúmes. Ele é de câncer, o que é uma incógnita pra mim.

Eu tento ler seus olhos claros, que ele jura que são verdes, mas que eu juro que ficam azuis quando ele está feliz. Talvez seja uma coisa de câncer ser camaleão, em que nem uma coisa óbvia como a descrição dos olhos é simples com ele. Gosta de atenção, e nisso eu culpo o signo – carma também dos meus irmãos gêmeos e de uma amiga manhosa que Londres me deu, todos cancerianos. Ele é de câncer e tem o coração brincalhão. Faz carinho numa hora, e na outra coloca um dedo lambido na sua orelha provando que quem é de câncer não envelhece. Finge retirar a pinta que eu tenho embaixo do lábio e coloca em algum ponto do próprio rosto, em meio à gargalhadas. Ele tem a inocência que alguém de Escorpião consideraria tolice, mas ele é de câncer, so he doesn’t care.

Ele é de câncer, e como todo canceriano, é caseiro e gosta de família. Mas ele admira a minha habilidade social e meu interesse constante pela muvuca, ainda que ele esteja longe de ser um ermitão. O caranguejo dele não apresenta riscos de me machucar, e eu não sei porque isso me atrai, já que eu sempre tive o dedo podre de escolher quem apresentasse a maior probabilidade de me magoar. É observador, e diz que eu sou linda assim que eu acordo, com o rímel que eu insisto em não tirar e que pela manhã me borra até a altura da minha bochecha. Diz que meu cabelo é sensacional, mesmo quando tenho a franja grudada na testa pelo suor provocado pelo calor do sol do meio-dia ou daquele que ele provoca a meia-noite. Ele é de câncer, e parece ser meio louco quando gosta das coisas que eu mais abomino em mim. Mas confesso que “linda” é um estado de espírito que me desperta sempre que o adjetivo cai da boca dele, seguido de um beijo demorado.

Ele é de câncer e sua sensibilidade por vezes beira o descontrole, por isso ele diz que eu sou racional. Logo eu, racional. A dona do divã. Mas eu invejo a sapequice dele e a crença que ele tem de que tudo sempre vai dar certo. Ou do encantamento de como ele olha o mundo. Prova a maturidade emocional dele quando respeita a minha rebeldia aquariana (leia “tolice aquariana”), quando ajo daquela forma de quem diz “eu não sou obrigada a nada”, e concorda que de fato eu não sou mesmo, e assim me ganha mais ainda. Exige meu tempo sem parecer vulnerável ou piegas (até porque o contrário me embrulharia o estômago).

Ele é de câncer e faz pensar que minha tão estimada liberdade é um artigo de luxo dispensável perto do que ele me entrega quando eu me jogo no seu abraço. Perigoso esse signo de câncer.

Já me peguei suspirando alto, ou sorrindo abobada quando ele me explica a força dos quatro elementos nos signos. Acho graça de como acredita que saca completamente as pessoas toda vez que descobre qual é o ascendente delas, ou de como a lua tem efeito sobre as marés e sobre o meu humor. Ele é de câncer e o efeito dele em mim me inspira. Como outros musos inspiradores que já passaram por minhas histórias. Mas ele é diferente, ele é de câncer.

E ainda que eu tenha dúvidas sobre a real influência do seu signo, se ele combina com o meu, ou até mesmo qual a verdadeira cor dos seus olhos, uma certeza fica: eu adoro o jeito como ele olha pra mim. Com seus olhos verdes ou azuis. Mas também, pudera: Ele é de câncer.

Fim da sessão.

Feliz ano novo: pazes com o tempo!

Chegou o momento daquele olho no olho. O vídeo de final de ano de ano no nosso querido divã. Gatedo, que em 2017 a gente faça as pazes com o tempo:

Fim da sessão.

Relacione-se com quem você admira. E só!

Há muito tempo, quando eu ainda trabalhava na Atlântida, em uma das minhas muitas conversas filosóficas com o meu colega de ilha, eu tive uma epifania. Um daqueles momentos divisores de água. O Luciano Lopes, mais conhecido como Potter, tinha muitas teorias das quais eu discordava sobre relacionamento, mas uma delas me mudou de forma definitiva. Na época eu namorava um cara, e jurava que ele era pra sempre. O Potter então me disse que aquele namoro estava fadado ao fracasso, simplesmente porque eu não admirava o meu namorado. E que relacionamentos precisavam ter como base a admiração mútua do casal.

Lembro que na época eu apenas fiquei puta da cara com o comentário impertinente, e pensei que aquilo era apenas um papinho furado dele com a intenção de eventualmente me comer. Mas a teoria da admiração se confirmou. Naquele namoro, e em outros. O amor (ou mesmo a paixão) encerrava a partir do momento que eu me dava conta de que eu não admirava ou que tinha deixado de admirar a pessoa com quem eu estava. A situação chegou a ficar tão gritante em um dado momento, que meu irmão avisou-me de um fim de namoro, antes mesmo que eu desse conta de que ele havia terminado:

Você precisa e admira o fulano, da mesma forma como precisa e admira uma samambaia no canto da sala.
Pronto. O namorado virou ex-namorado porque eu nunca mais consegui enxergar ele de outra forma a não ser como uma planta no canto de um cômodo qualquer.

Essas mudanças de percepção começaram a mexer com a forma como eu via o mundo e as minhas conexões. Não apenas nos relacionamentos amorosos, como nos profissionais. Eu passei a não ter paciência para ambientes inertes. Comecei a sentir necessidade não apenas de respeitar a minha hierarquia, mas de admirá-la. Não precisava ser na sua plenitude, mas eu precisava admirar ALGUM atributo que fosse da pessoa que conduzia a minha equipe. O meu projeto, e bem… que tinha parte ativa em pelo menos 8h da minha vida.

Partindo do pressuposto de que se você se considera a pessoa mais inteligente da sala, você provavelmente está na sala errada, eu comecei a sair das salas. E comecei a procurar lugares mais estimuladores, pois reconheci o poder de contágio da atmosfera profissional. Marasmo promovia marasmo. Agitação gerava agitação. Tipo inércia. Tudo que eu queria encontrar era alguém suficientemente admirável para me convencer de ir à lua, que eu seria a primeira a começar a construir o foguete. E foi assim que eu fui trabalhar com gente que me dava tesão. Tesão de vida, de atitude, gente com tesão de pegar os problemas pelas bolas e dizer “vai encarar, seu filho da p***?”.

O efeito no meu desempenho foi imediato. Afinal, a inspiração, bem, essa é outra coisa que sabe ser contagiante.

Hoje a admiração é uma das vertentes que orienta todos os meus relacionamentos. Eu passei a filtrar as minhas amizades por admiração, ao invés de conveniência. E o filtro é bem sincero, e duro algumas vezes. Eu não dedico mais tempo com gente que me entendia. Com quem se entendia. E essa decisão partiu da triste realidade de que temos cada vez menos tempo para sorrisos amarelos e meios abraços. Hoje eu exijo intensidade nas minhas relações. Todas elas. Exijo retorno de ligações. Suspiros sinceros. Hoje eu quero beijos mais longos. Orgasmos mais intensos. Projetos mais ousados. E voltando pro foguete, quero ver estrela brilhar, quero ser estrela. E tudo, meus amigos, é parte da admiração. Admiração que a gente busca e também que promove. Nos momentos, nas conversas, nas trocas, nas conexões.

Até porque, a vida é muito curta para ser a samambaia no canto da sala. Ou se relacionar com ela.

Fim da sessão.

Ahhh novinho…

Eu sempre gostei de caras mais velhos que eu. Sempre. Desde a adolescência, e para o desespero dos meus pais, os rapazes com mais idade sempre atraíram a minha atenção. Eu ouvi dizer que as mulheres amadurecem mais cedo, e eu usava essa teoria para justificar minha admiração pelos anos a mais que meus affaires detinham. E foi assim, por um bom tempo.

Eis que como tudo na vida se transforma, estou numa fase engraçada quanto a relacionamentos e faixas etárias. Perceba que os caras da minha idade – 30 e poucos, ainda buscam mulheres mais novas – 20 e poucos. E os caras de 20 e poucos, bem, esses também, quase que na maioria, não procuram parceiras muito longe da sua geração. É como se em uma reunião dançante (sim, eu sou dessa época), todo mundo fosse escolhido para dançar, e eu aquela que ficou com a vassoura.

Ok, essa não é nenhuma ciência exata, quanto menos uma teoria metodologicamente fundamentada. É muito mais um ibope segundo Antônia, sem nenhuma preocupação com exatidão dos fatos, e quantificado pela minha experiência pessoal, que outras mulheres podem ou não se identificar. E talvez isso não tenha nada a ver com a idade, mas sim com afinidade. Ainda assim, o fenômeno me inquieta. O que aconteceu com o mercado das balzaquianas?

Analisando o conjunto da obra, às vezes tenho impressão que a culpa é do marketing que gira em torno da minha geração. Sou do grupo de mulheres que são julgadas como “as mulheres que querem casar”, e assim parece que fomos tomadas por algum tipo de doença cujo sintoma principal é a urgência sangrenta em carregar pobres almas para o altar. The Walking Dead to get Married. Ah, ainda tem quem diga que as mulheres de trinta têm o fantasma do útero-bomba-relógio fazendo tic-tac ditando regra para as nossas vidas e escolhas. Agora vem cá, não tá na hora de demitir os responsáveis por essa campanha de marketing que diz que a balzaca é a porta das desesperadas? Vocês estão ferrando com a minha turma!

Talvez por conta da escassez de homens da minha idade na minha horta, eu comecei a olhar para a horta vizinha. E posso dizer que tive a feliz experiência de parar de julgar os novinhos, e beber desta fonte da juventude. Assim como tantas mulheres da minha idade, eu também não tenho pressa em casar, e sei que nem todo lance vira romance, e sendo assim, muito despretensiosamente, eu cai pra dentro da toca do coelho e fui para no país das maravilhas.

Eu deixei um novinho entrar no meu mundinho e também nos meus lençóis, e a surpresa foi pra lá de positiva. E aqui, que fique bem claro que o “novinho” em questão tem mais de 20 anos e é responsável pelas próprias decisões. O que descobri é que o novinho compensa a falta de experiência com energia e criatividade. Ele pode não saber o que fazer com precisão, mas não vai ter vergonha de perguntar o caminho certo. Usa a língua como sua arma, e não pensa duas vezes em botar um gelo ou um Halls preto pra jogo. A velocidade pode ser um pouco acelerada, mas o combustível dura longas viagens, o que faz da aventura uma experiência sensacional e deliciosamente exaustiva.

O novinho não tem muitos pudores em fazer contato ou falar que está afim. Talvez porque ele não carregue tantas decepções nos “quilômetros de desvantagens” que acumulei de viagens passadas. Ele me chama de “amor” sem compromisso, mas quando vê meus olhos arregalados responde em tom de deboche – “eu chamo todas assim, pra não errar o nome”, e dá risada, enquanto sou obrigada a rir também de sua petulância moleca. Ele adora provocar, e depois me adocica com um novo “amor” aqui e um tapa na bunda ali. É o tipo de cara que pula de trás do sofá para me dar um susto, ou liga a água do chuveiro no gelado só pra me ouvir gritar. Faz-me rir, além de gozar. Dá leveza tanto ao carinho quanto a sacanagem.

Ahh novinho, que grata surpresa te descobrir nesta fase em que me cobram buscar um compromisso, posar de bela, recatada e do lar. O novinho cozinha um prato elaborado que ele pesquisou no YouTube, enquanto joga os lençóis suados da minha cama na máquina de lavar. E eu já não me importo que ele ande pelado pela minha casa como se fosse o dono do pedaço, ou que me mande fotos de cueca enquanto tento parecer concentrada no trabalho. Adoro quando ele pede para que eu escolha a sua camisa, quando finalmente decide se vestir. Tem uma displicência tolerável, quase invejável, no novinho. Eu odeio/amo como ele me atiça e me faz parecer mais nova do que ele, sedendo às suas instigações e pirraças. Talvez seja exatamente isso que eu goste no novinho. Da lembrança de que eu também sou nova, de fato, não importa o que o marketing social injusto tenha feito pela a minha geração.

Eu sei, dizem que idade é só um numero, mas às vezes precisamos de um lembrete de que este número não deveria nos definir. E eu aprendi isso com um novinho. Isso e o valor do Halls preto.

Ahh novinho… você sabe muito.

Fim da sessão.

Meu primeiro amor

Nesta semana em que celebramos o dia da criança, me doeu ver a infância lá de casa ser ameaçada pelas decepções envolvidas com a dura arte de crescer. O Murilo foi encontrado às lágrimas pela minha mãe na volta da escola. O motivo era dos mais nobres: ele tivera o coração partido. Após o que foram longínquos 4 dias de um namoro “tórrido” (incluía dar as mãos em público) com uma garota de alcunha Sofia Andrade, o objeto de desejo do Murilo terminou a semana dando um beijo na bochecha de ninguém menos e ninguém mais do que o Mateus – o irmão do Murilo. A coisa toda teve um quê de novela mexicana para mim. Dois irmãos disputando o amor de uma garota, cujo nome é sempre pronunciado de forma completa e com tom solene. “Sofia Andrade. Sofia Andrade”. Já imaginei os dois duelando com espadas de massinha de modelar antes do jantar.

Eu quis xingar Sofia Andrade de nomes feios. Aliás, com todo respeito, e bem xinguei-a assim que soube da polêmica e do coração partido do Murilo. “Aquela puta!” – esbravejei. “Antônia!!!” – minha mãe gritou em choque com minha atitude desbocada – “Pelo amor de Deus, ela tem só 6 anos de idade. E de mais a mais foi o safado do teu irmão Mateus que ficou cortejando ela”. E foi ali que me dei conta. Eu estava culpando a Sofia Andrade de uma trama complexa que tinha muito mais a ver com a competitividade masculina, do que o puro amor de uma mulher/menina. E confesso, estava sendo pouco empática com o drama de Sofia Andrade – se eu estivesse sendo disputada por dois loiros, também estaria confusa, para dizer o mínimo. Pedi perdão em silencio a dama em questão, para que nem Murilo ou Mateus achassem que eu estava tomando partidos.

Mas confesso, fiquei muito mal. Pior que o Murilo, possivelmente.

Acho que o que realmente mexeu com o meu humor foi na verdade que o episódio do Murilo lembrou-me do meu primeiro amor, que obviamente foi seguido de uma tremenda decepção. O nome dele era William e nós tínhamos 8 anos. Ele tinha uma motinho e era a única criança motorizada do nosso camping, mas eu pouco dava bola para os luxos automobilísticos no auge dos meus 8 anos (ou tampouco depois deles). Entretanto eu me lembro com riqueza de detalhes de como eu me sentia quando ele me dava uma carona, e de como na garupa da motinho eu sentia o perfume dele no vento que ele cortava com velocidade. A gente tinha horário para se recolher, mas tinha tempo o suficiente para eu ver a lua cair na lagoa, iluminando os olhos dele nos luaus que promovíamos. Eu sempre sonhava com o William, e escrevi minhas primeiras histórias de amor em nome dele. Até ele provar ser um moleque, e começar a me provocar em todos os finais de semana dizendo que não voltaria mais no camping, para o desespero do meu coração apaixonado. 4 anos depois eu dei o meu primeiro beijo no William, e o segundo de toda a minha vida. Claro que ele se apaixonou por mim. Eu? Eu, agora queria rapazes mais velhos, para o desespero do coração apaixonado do William. O amor sabe ter um timing bizarro, não sabe?

Mas o episódio do Murilo resgatou uma saudade não do meu primeiro amor, mas do meu “eu” lá no primeiro amor. Quando eu tinha um coração novinho em folha, livre de ponderações. Fato é que nós somos, incontestavelmente, a soma das nossas relações passadas. E esse é o problema das decepções, as dores não são eternas, mas falhamos ao eternizar as decepções, carregando-as para as relações seguintes. Talvez não seja a Sofia Andrade que vai lidar com a fúria da primeira decepção do Murilo. Talvez seja a próxima garota com outro nome pomposo, que ele vai decepcionar antes de se ver decepcionado. “Eu nunca mais vou falar com a Sofia Andrade, maaaaanhhhhêêê” – O Murilo berra em meios às lágrimas, enquanto escrevo este texto. O Mateus dá risada. A Sofia Andrade, mesmo sem querer, fez a primeira contribuição para o Murilo ser um filho-da-mãe com as mulheres ( ou ao menos deu-lhe uma desculpa conveniente, da mesma forma como os caras problemáticos que cruzaram a minha vida todos culparam uma Sofia Andrade). Talvez o Murilo deixe de ser o último romântico e vire o próximo cafajeste mesmo. O Mateus, bem, esse parece que já nasceu com talento para ser safado, talento bem disfarçado nos cachos de anjo.

Sendo o primeiro ou último amor, sempre que me pego analisando um relacionamento ou mesmo fim dele, não consigo deixar de avaliar o contexto. E se eu não tivesse sido magoada tantas vezes, será que teria sido mais tolerante? Se eu nunca tivesse sido enganada, eu confiaria mais? Se eu não tivesse visto o divórcio dos meus pais virar um drama, temeria o casamento? Será que me acalmaria mais fácil se não tivesse vivido a inquietude e fascínio de encarar o mundo de forma mais independente? Onde enfio as minhas teorias, decepções, rancores, e preocupações para então, dar espaço a um amor? Um novo amor. Um primeiro amor de novo.

Eu tive saudade do meu idealismo, vendo as lágrimas do meu irmão, velando o fim de seu primeiro romance. E acho que fiquei mal por nós dois. Por saber que ele ainda vai passar por muitas destas. E por lembrar que eu mesma já carrego essa bagagem emocional muito mais do que gostaria. A diferença entre nós dois, é que eu tenho a experiência que o Murilo desejaria ter. E ele, bem, ele tem a inocência de um coração serelepe que se entrega sem medo. Eu queria chorar mais por amor. Sofrer mais, e esperar mais dele. Eu morro de medo de ficar apática, uma vez que sofro cada vez menos quando tudo se acaba numa relação. E torço pelo dia em que uma pessoa vai chegar e vai me fazer sentir o mesmo frenesi que o Murilo sentiu com a Sofia Andrade. E eu vou agradecer, por nunca ter dado certo com nenhuma outra pessoa.


Fim da sessão

ps: Garotos, numa pauta um pouco mais feminista, se cuidem. Sempre que vocês acharem que são malandros, vai ter uma Sofia Andrade ditando as regras. E pensando bem, elas é que estão certas.

Bônus: Do tempo que Macaulay Culkin ainda era fofo.

Desculpe o transtorno, mas eu cansei de falar de ex.

Desde o lançamento da música Hello de Adele, não havia tanta gente pensando no ex, como nesta segunda-feira, quando Gregório Duvivier abriu seu coração para a ex Clarice Falcão (e para o resto do mundo). A maioria de nós costuma guardar suas dores e sabores sobre o ex em um bloco de notas dentro de uma pasta oculta no computador, nas últimas páginas de um caderno antigo ou nas lágrimas rolando enquanto cantamos um sertanejo chorado. São tantas cartas não enviadas, e mensagens apagadas, que a atitude de Gregório foi avaliada pela maioria como corajosa, e com certa vergonha alheia pelo restante. A coluna dividiu opiniões, apesar do tom incontestável de fofice.

Li cuidadosamente os comentários de meus amigos no saudoso texto à Clarice, e a euforia em cada compartilhamento, e me pus a pensar quem deles teria a mesma atitude de Gregório. Peguei-me pensando se eu mesma teria, e tive as minhas dúvidas. Não me leve a mal, acho lindo que Clarice e Gregório tenham uma relação saudável pós-termino, mas convenhamos que as probabilidades do desfecho ser positivo, são menores do que maiores. Até porque não é a toa que o texto veio certo tempo após a separação. Dar-se bem com o passado, por mais feliz que ele tenha sido, leva tempo. A dor da perda precisa de espaço. A ausência tem que virar costume. E o silêncio, muitas vezes, é fundamental para a cura.

Mas fiz um ensaio como Gregório. Separei meus antigos amores em 3 grupos:  1) aqueles para os quais eu escreveria, 2) aqueles para os quais eu não escreveria nem sob tortura, e 3) aqueles que rasgariam a minha carta antes de ler.

Avaliando os exs para os quais eu escreveria, pensei que lhes diria como o tempo nos fez bem. Que os seus aniversários seguem na minha agenda mental com carinho, e que eu torço pela felicidade deles. À estes contribuintes da minha bagagem emocional, diria que tudo que levo são boas lembranças, não porque não dividimos perrengues, mas porque a vida se encarregou de apagar qualquer mágoa que tenha ficado. Agradecer-lhes-ia pelos colos que recebi, pois eu sei, eu sempre fui difícil na hora de ganhar colo. Não pediria desculpas por nada, pois a esta altura já não faria mais sentido, mas avisar-lhes-ia que eu hoje sou melhor por causa deles. Iria agradecer por me ensinarem tudo o que eu quero num parceiro, tanto quanto agradeceria por terem me ensinado o que eu já não quero – e que como foi importante chegar até aqui com estes parâmetros.

Àqueles que eu não escreveria nem sob tortura, revisei os motivos do porque e vi que as razões vão além do meu orgulho. Surpreendentemente. Entendi que alguns amores não se dissipam com o tempo e viram apenas boas memórias como nos casos do parágrafo acima. Alguns amores se transformam em sentimentos mais amargos, como rancor ou desdém, e estas são emoções que eu não gosto de revisitar, então pra que fazê-lo? Os representantes deste grupo tiveram todos os meus verbos, palavras e conjugações. Nossos argumentos foram exaustivamente analisados por um vasto período e os dias atuais lhes garantem apenas uma palavra monossilábica como “oi” ou um acenar de cabeça, e olhe lá. Garanto, é melhor assim. Fato, é que esse papo de “é sempre amor mesmo que acabe” ou “se está mal resolvido é porque existe algum sentimento” é uma tremenda bobagem. Sim, a gente se amou um dia. Mas não se ama mais, nem nutre algo como respeito ou carinho pela história que ficou, então pra que fingir simpatia? Não desejo mal a estes cidadãos, do contrário, lhes desejo muito bem… bem longe de mim.

E finalmente para aqueles que rasgariam a minha carta antes mesmo de abri-la, confesso que por esses representantes não nutro nada além de empatia. Sincera e generosa. Eu não estive certa o tempo inteiro nos meus relacionamentos e inclusive muitas vezes eu soube ser uma vaca. Sendo assim, da mesma forma como quero distância de algumas bagagens, eu não tenho dúvidas que eu seja a mala sem alça de alguém, louca para ser perdida em um redespacho na Tailândia. Hoje eu já desisti da comunicação com esse grupo, mesmo que com a melhor das minhas intenções. Seria arrogância minha forçar a barra. Óbvio que eu levei 4 emails não respondidos e um block no Facebook para entender a mensagem – ora quem nunca – mas hoje eu já fiz as pazes com os silêncios que levei. E agradeço também a eles, como ferramentas de análise da minha própria consciência.

Eu demorei muito tempo para parar de remexer no meu passado, e confesso que meus ex-amores só tornaram-se amigos com esforço mútuo, tempo e espaço. Porque antes de falar de ex, é preciso fazer uma faxina na bagunça que é uma separação. E é importante destacar que eu só comecei a olhar para frente, depois que deixei de revisar os meus passos olhando para trás. Talvez Gregório e Clarice sejam seres superiores na arte do desquite. Talvez a coluna tenha sido uma ação de marketing em cima do novo filme da dupla. Não importa. Mas antes de sair suspirando com saudade do ex, e lhe mandando textão no Facebook declarando como vocês foram felizes, convido a um exercício.  A minha melhor amiga me ensinou uma estratégia muito simples para decidir falar com ou para um ex, uma pergunta simples que sempre me botou a pensar, mesmo quando estava decidida pelo contato:

Antônia, você está preparada para a resposta que vai ouvir? E para a falta de resposta?

Responder essa pergunta sempre me deu paz, qualquer que fosse a minha decisão depois dela. Então antes de sair jogando os verbos no ex, pense nisso. Ou no fato de que Clarice ainda não respondeu a carta do ex. E muitas vezes o silêncio vai falar mais alto.


Fim da sessão.

Papa-Gringo

“Garota, você ia pirar na Vila Olímpica”.

Essa foi a mensagem de uma amiga direto do Rio. No meio de um grupo de whatsapp de 17 mulheres, foi para mim direcionado o foco dos romances intercontinentais.  “Papa-gringo”, algumas amigas  me chamam tirando sarro, devido ao meu interesse pelos espécimes que vem de fora. Não que ele seja exclusivo para os artigos importados. Eu amo o produto nacional. O que me faz colecionar bandeiras é primordialmente o meu tesão por falar inglês… o resto, bem, o resto é consequência.

O meu primeiro flerte cross-ocean foi um australiano. O pai dele tinha um parque para o cuidado e procriação de tubarões, e foi aí que ele me ganhou. Na minha cabeça jovial ele era selvagem e exótico como eu nunca tinha visto nada na vida. Isso claro, e o cabelo louro-dourado, olhos cor de mar, e físico de quem surfa desde que aprendeu a andar. Ele passava as férias na Praia do Rosa, enquanto eu passava os minutos planejando a nossa casa em Fresh Water, de frente pro mar. O romance durou 2 dias, mas perdurou por anos no meu imaginário.

O primeiro relacionamento intercontinental sério que tive foi com um tailandês de família chinesa. Eu morava em Londres há poucos meses, e tropecei nos olhos puxadinhos do Brett sem pensar duas vezes. Ainda que o namoro tivesse engatado rápido, o sexo era outra história. Depois de diversos amassos entre a gente, e nada dele tomar a iniciativa, eu perguntei se ele tinha algum impasse comigo. “Respeito”, ele disse. E me lembro de ter ficado em choque. Enquanto eu estava ouriçada como um animal no cio, o meu namorado estava puramente respeitando o meu tempo. Óbvio que “o meu tempo” levou só até o fim daquela conversa. Mas aí eu não culpo a minha brasilidade por isso.

Nesta mistura de culturas entre Brasil e Ásia, alguns pontos me chamaram a atenção. O fato de o meu namorado ter um irmão gêmeo, (e sendo isso na Ásia uma benção divina), fez com que os rapazes tivessem sido criados sempre juntos, e por isso nunca se desgrudavam (tipo, NUNCA). Por vezes eu tive a sensação bizarra de que estava num relacionamento com os dois. Outra situação inusitada foi em nossa viagem a Tailândia, em que fomos notícia em um site de fofocas – porque 1) o Brett, que tinha sido VJ na MTV por anos, estava de volta a Bangkok depois de muito tempo, e 2) porque ele trazia uma namorada “fora de padrão”, segundo o que contava o site.  Óbvio que minhas curvas não cabiam dentro da expectativa tailandesa, só não imaginava iriam torna-se notícia.

Mas as estranhezas não pararam ali. Ainda que o Brett e eu estivéssemos namorando há mais de um ano, na casa da minha sogra, tivemos que dormir em quartos separados. E claro, a mais bizarra experiência desta viagem, é que eu não pude participar de um almoço da família do Brett, em virtude do avô dele, o patrocinador de seus estudos em Londres e patriarca extremamente conservador, sentir-se-ia ofendido com a minha presença. Afinal, o Brett estava em Londres para estudar, e não para arrumar uma namorada brasileira. (Soube que este ano o velho teve que engolir a esposa Venezuelana com quem o Brett casou-se numa ilha tailandesa).  O Brett e eu terminamos numa boa, ainda que ele nunca mais tenha falado comigo, ou respondido minhas mensagens de despedida ou parabenização pelo casamento. Ele tinha promovido o mesmo isolamento com outra ex- namorada enquanto namorávamos, e entendi que aquele era o comportamento padrão de término dele (ou da cultura dele).

Tempos depois do Brett, acabei conhecendo um britânico e ele me chamou para sair. Durante a nossa conversa sobre diferenças culturais, o inglês comentou como nós brasileiros gostávamos de tocar nas pessoas enquanto falávamos. Propus então um desafio, que nós contássemos quantas vezes eu encostaria nele, e quantas vezes ele encostaria em mim durante o nosso “date”. 2 horas e muitos drinks se passaram e eu encostei 78 vezes nele. Ele? Duas. Uma na chegada, e outra na despedida. E juro que desde então, controlo sempre as minhas mãos quando conheço alguém – brasileiro ou não.

E assim eu segui, entre trancos e barrancos, me relacionando com bandeiras globais, sem muita comoção, até o meu primeiro e grande amor platônico por um galês. Bem, basta dizer que por ele, eu aprendi a falar “bom dia, boa tarde e boa noite” no idioma do País de Gales, que é campeão internacional de uso de consoantes impronunciáveis.

Durante os meus 2 meses de mochila nas costas pela Europa, um flerte aqui, e um lance ali, fui aprendendo e aproveitando a solteirice em outras línguas. Por conta destas aventuras, comecei a ponderar alguns comportamentos, e registrar todos as minhas efemérides em outro blog que guardei a sete chaves. Visito o blog até hoje sempre me dá saudade dos amores que deixei em cada porto, como a marinheira que sempre sonhei ser. Colecionando bandeiras e suspiros, com o tesão de quem descobre o mundo também na saliva e carinho do outro.

De volta ao Brasil, lembro com saudade da Copa do Mundo, aliás, a “copa da pegação” como a apelidaram aqui nos confins do Brasil. Recordo que escrevi o meu primeiro texto viral, muito antes de ter o Antônia no Divã, falando sobre as delícias de ter o mundo no nosso quintal. Ora, é claro que a minha amiga ia lembrar-se de mim na Vila Olímpica.

Recentemente, coletei minha primeira bandeira germânica, aqui, na minha própria cidade, e confesso que me vi atrapalhada. Eu, brasileira explosiva, passional até o último fio de cabelo, num romance temporário intercontinental de chacoalhar a minha desordem.

O alemão tinha pouco ou nenhum interesse pelos meus faniquitos – o que para uma aquariana egocêntrica é o mais azedos dos remédios. Corrigia-me sem nenhum constrangimento. Prestava atenção em tudo que eu falava (e eu falo pra [email protected]$#*) como quem observa um experimento acontecer, e toma notas mentais. Ligava no final de cada dia para contar do trabalho e fazer planos. E ao fim de de duas semanas, ele já sabia o que cada uma das minhas expressões queria dizer, ainda que me forçasse a falar toda vez que eu fazia beiço – “eu posso até entender inglês, ou mesmo aprender português, Antônia, mas ainda não leio a sua mente. Melhor falar o que está te aborrecendo”. Como fazer drama com alguém que veio do país que praticamente inventou a engenharia de precisão?

Que saudade que eu estava deste choque de culturas.

Dentre amores e desamores, alguns aprendizados ficaram com este meu coração viajante: 1) Eu gosto de romances intercontinentais pela riqueza da troca cultural. É isso que me seduz. Então “Papa-gringo” ou não, eu já assumi que eu amo conhecer o mundo com todas as suas ferramentas. 2) Ainda que fã dos romances intercontinentais, eu não fui feita para relacionamentos à distância. E por último, mas não menos importante: 3) Mesmo que tudo comece pela vontade de falar inglês… gozar é sempre em português. O meu orgasmo não tem tradução. 🙂


Fim da sessão.

Session end.

Pen y sesiwn.

Sitzungsende.

ปลายเซสชั่น