A maldita calcinha suja – episódio 2

Quem acompanha o blog desde o início, sabe que o primeiro post público pra inaugurar o divã não foi uma história nada bonita, muito menos limpa. A saga da “A maldita calcinha suja” terminou no mínimo com algumas reticências, e não foi à toa que muitos escreveram perguntando como diabos a história terminava. Gostaria de poder dizer que o final tinha cheirinho de amaciante, mas se tivesse não seria o divã da Antônia. Não. A Antônia aqui se supera mesmo quando o assunto é calcinha suja.

Obviamente que dada à fatalidade do meu último encontro com o churrasqueiro de olhos verdes, eu evitei todo e qualquer contato, e prometi carregar uma calcinha limpa na bolsa sempre que fosse encarar uma festividade… assim, só por precaução. Fato é que nos meses que decorreram daquele churrasco, mal tivera chance de comparecer a qualquer festividade. Estava encarando um curso extenso e importante que me preparava para a fusão da empresa em que eu trabalhava com uma grande corporação americana. Eu, a única brasileira daquele escritório inglês, com a oportunidade de participar de uma das maiores fusões da história da internet. Eu não podia vacilar.

Após três meses de treinamento e preparação para a futura joint venture, cada um de nós deveria  preparar uma apresentação aos nossos gerentes de área sobre nosso entendimento íntimo com os novos sistemas. O seminário chamava-se “Intimate Understanding of Fusion”, algo como “Entendimento Íntimo sobre a Fusão” – um tanto quanto intimidador, pra dizer o mínimo. Eu estava no limiar de um ataque de nervos.

Já era tarde da hora naquela quinta, e eu ainda estava no escritório, revisando as minhas anotações para a apresentação no dia seguinte. O telefone toca.

– “Oooooooiiiiiññññe” – muito embora seu nome estivesse na tela do celular, só a manhice do cumprimento já entregava que era a Patrícia.

– “Fala rápido, Patrícia, tô no meio de algo importante”, respondo seca.

– “Aiiiiieennn, eu sei! Grossa! Você só fala nesse merda desta apresentação, quando é?”

 – “Amanhã, e eu estou uma pilha de nervos.”

– “Então eu tenho a solução pros teus problemas. A gente está aqui na casa dos guris (aquela do churrasco cuja porta do banheiro nunca tranca – lembram?), e tá rolando umas pizzas e uns drinks pra ver o final do X-Factor”.

– “Ai Patrícia, não dá, eu nem fui pra casa ainda, eu tenho apresentação amanhã de manhã….” vou respondendo rápido sabendo que vou ter que convencer ela muito melhor que isso…

– “Ta, ta, ta… chega de desculpas. Vem direto do escritório pra cá, hoje é bem tranquilinho, é coisa rápida e depois a gente racha um taxi, eu e o Pablo te deixamos em casa nas badaladas da Cinderela. Palavra de escoteiro!”

– “Patrícia, não quero dar de cara com o guri que lavou as minhas calcinhas!!” – penso que assim ela iria entender meu drama e desistir.

– “Sem problemas, os guris estavam comentando que ele trabalha até tarde hoje, vais ainda poder entrar de mancinho do quarto dele e reaver a tua dignidade.”

– “Acho que essa não revejo nunca mais. Mas ok, ótimo, assim recupero as malditas calcinhas sem ter que dar de cara com ele. Chego aí em 20 minutos se a Central Line não tiver lotada.”

Recolhi minhas anotações, notebook e enfiei tudo dentro da bolsa, e parti em direção a Central Line. Na casa dos guris, a coisa era tudo menos “tranquilinha” – não sei como eu ainda caio na da Patrícia. Chego no início do segundo bloco do “X-Factor”, onde as apostas dividiam a plateia da sala se Simon Cowell gostava ou não do artista – quem errasse encarava um shot de tequila. “Vamos Antônia! Só uma aposta!” Pensei que uma tequila não ia me fazer mal algum, e ainda ia me ajudar a relaxar para amanhã.

No final do quinto bloco do X-Factor, eu já tinha errado tantas opiniões do Sr. Cowell, que já fazia minhas próprias versões das apresentações usando o controle remoto como microfone. Quando achei que já estava bêbada o suficiente, fiz um sinal pra Patrícia e saí de fininho da sala rumo ao quarto do churrasqueiro de olhos verdes naquilo que eu e a Patrícia intitulamos a “Expedição Calcinha”.

Entrei pé por pé no quarto do gato. Suspiros. Aquele lugar tinha boas lembranças, apenar do término vergonhoso. Examinei o armário, a escrivaninha, as gavetas do bidê, nada. Procurei em baixo da cama, nada. Na tulha de roupas sujas (ele disse que tinha lavado, mas vai saber), nada. Vasculhei o quarto todo e nada. Deitei na cama frustrada – onde diachos esse guri guardaria uma calcinha? – pensei afofando o travesseiro. Opa! Ali estava. Limpinha e rosinha como eu lembrava! A minha maldita calcinha limpa embaixo do travesseiro! Safado!

Foram apenas alguns segundos de comemoração. Em seguida pânico. Passos acelerados na escada, a porta abrindo subitamente.

– “Oi linda! Que surpresa boa! Que bom que você achou a calcinha e já está bem à vontade. Eu tava com saudades.

7h00. O meu despertador grita estressado. Saio da cama num pulo, tentando achar sentido naquele quarto não-mais -tão-estranho. Ai meu Deus, eu já vi essa história. Antônia, você não aprende. Merda! Maldita Patrícia! Maldito Simon Cowell! Maldita tequila! Malditos olhos verdes! Tudo outra vez: reviro os moveis recolhendo brincos, pulseiras, blusa, sutiã, calça… calcinha e calcinha. Ah sim, pelo menos desta vez eu havia achado as duas. Coloco a calcinha limpa, e visto as roupas voando. Tinha que estar em Soho em 20 minutos na apresentação para a qual me prepara durante tanto tempo.

“Já vai sair correndo de novo, linda?”

“Ahhh… sim, estou atrasada.” – tento sem sucesso arrumar os cabelos.

– “Pegou tudo desta vez?” – ele pergunta com um sorriso abusado – “deixa a outra calcinha aqui pra você buscar outro dia”, ele sussurra cheio de malícia agarrando minhas coxas.

– “Não, obrigada! Eu tenho máquina de lavar, malandrinho.” – enfio a calcinha suja na bolsa, dou-lhe um beijo estalado e saio correndo.

Soho. Estou 15 minutos atrasada. Todos já estão na sala de reuniões.

-“Bom dia, Antônia. Que bom que pôde se juntar a nós. Que tal ser a primeira, já que chegou atrasada. Vamos começar com sua apresentação sobre “Entendimento Íntimo sobre a Fusão?

“Claro, Andrew.” – Sorrio sem graça para os outros 14 colegas em volta da mesa de reuniões.

Desligo as luzes, puxo da bolsa o meu notebook e minhas anotações e apressada coloco tudo em cima da mesa. Ligo o projetor de power point que ilumina a mesa de reuniões. Em seu centro, nada mais, nada menos, que a minha maldita calcinha suja.

“Ãhhh… vamos iniciar a apresentação de hoje nos perguntando… o que realmente quer dizer ‘íntimo’, meus senhores?


 

Fim da sessão.

31 ideias sobre “A maldita calcinha suja – episódio 2”

  1. Adorei, imaginei cada cena, adoro tudo que posta rs .. acho q a melhor coisa q fiz foi conhecer sua pág rs.. Pena eu não ter lido o primeiro episódio .. Beijosss !!

  2. Eu literalmente me passei de tanto rir aqui e a cada palavra lida fiquei imaginando cena por cena, capítulo por capítulo.
    Antônia você diverte minha vida. Torna meus pensamentos mais alegres e eleva a minha imaginação ao mais alto que eu possa sonhar. …
    #Adoro #Antônia #Demaisssssss
    Beijinhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *