Matemática

O retorno das férias é sempre seguido de um “momento contabilidade”. Não apenas a monetária, mas a existencial.

Foram kms de expectativas, dias longos com o sol beijando o corpo, e ganhando palmas ao colorir o fim de tarde mergulhando todo exibido no mar.

Foram noites quentes e suadas no balanço de funk, ragaton, samba rock, blues ou “Just wake me up when this is all over” no repeat. Amizades novas, renovação das indispensáveis.

Litros de gatorade, incontáveis de água q passarinho não bebe. 6 adesivos de salompas. 700 torradas e empanados, 1 canja de galinha, 1 churras assado por mulheres, e milagrosamente nenhuma massa com atum. Incontáveis suspiros.

1 incidente de incêndio, 3 de afogamento, todos hilariamente superados. 4 marolas dropadas. Muito talento, pouca paciência pro surf. Fotos lindas, fotos indevidas.

Beijos dados, 1 roubado. Banho de mar pra ver o nascer do sol. 1 noite mágica em um paraíso sem eletricidade, e completa conexão offline entre as pessoas. 1 carro bi-color. -1 guarda-sol. 30%+ de sardas no rosto, 10%+ de “rugas de sorrisos”.

Mais um verão de custo-beneficio invejável, equação final de resultado positivo, e de matemática extremamente valiosa.